Cordeiro diz que oposição precisa ‘se despir das vaidades’ para voltar à Prefeitura de Codó

Nos 39 anos do PT quem também usou o microfone representando o PRB codoense foi o ex-vereador Cordeiro do Procópio. Direcionou-se ao tema união da oposição contra Francisco Nagib. Destacou que é hora de ‘se despir da vaidade’ e partir para a vitória em 2020.

“Só abobrinhas’, diz Expedito ao se defender de acusações feitas na FCFM por Araújo Neto

O presidente da Câmara de Vereadores, Expedito Carneiro, usou o microfone ontem, 19, para se defender das acusações do secretário de Agricultura, Araújo Neto, proferidas em entrevista ao jornalista Alberto Barros na FCFM na segunda-feira, 18,

Araújo Neto afirmou que Expedito é o grande culpado,  por exemplo, da Secretaria de Educação nunca ter recontratado até hoje professores seletivados porque o projeto nunca foi posto em votação.

O presidente citou detalhes das justificativas usadas por Paulo Buzar e as utilizou pra dizer que o próprio secretário de educação, chamado para uma sabatina realizada ontem na Câmara, desmentiu à Araújo Neto pois nenhuma das razões alegadas tinha a ver com os vereadores, ASSISTA

Vereador Pedro SANTOS cobra realização de concurso público para Codó

O vereador Pedro Santos usou a palavra ontem, 19, para cobrar do secretário Paulo Buzar a realização do concurso público há muito tempo prometido pelo governo do prefeito Francisco Nagib.

OUÇA como secretário de Educação se defendeu das perguntas dos vereadores da oposição

Secretário Paulo Buzar

Plateia em 19 02 2019 CÂmara

Ouça como se defendeu o secretário de Educação Paulo Buzar dos questionamentos feitos pelos vereadores de oposição hoje na Câmara quando indagado sobre o atraso no início das aulas, marcado para 11 de março.

Audiência com secretário para iniciar aulas ainda em fevereiro terminou ‘em nada’

A audiência pública encerrada por volta das 13h de hoje, 19, na Câmara, envolvendo vereadores, professores e o secretário de Educação Paulo Buzar terminou em nada, uma vez que o principal objetivo não foi alcançado que era início das aulas municipais ainda em fevereiro.

O secretário de Educação disse que a razão maior do atraso é falta de recursos. Que fez planejamento para iniciar a partir de três datas 11 e 18 de fevereiro ou a de 11 de março, a escolhida pelos seguintes motivos:

 “O melhor cenário sem ter que interromper ano letivo, sem ter que interromper alimentação escolar ou sem ter que interromper o transporte escolar é com o calendário de 11 de março, pra se chegar a esta conclusão, claro,  é necessário planejamento (…) A minha receita de 2019 ela ainda é inferior a minha receita estimada de 2016, então como é que o município experimenta perda de receita e ganhos nas despesas ele vai dar conta disso, não é mágica tem que apertar o cinto”, afirmou

Os professores saíram insatisfeitos e ninguém concordou com o argumento da falta de recurso para cobrir os gastos do ano inteiro se as aulas começassem em fevereiro como em anos anteriores. O presidente do SINTSERM, Marcos Antonio da Silva, justificou sua posição.

“Esses dois meses, os contratados da Educação tipo zeladores, parte dos vigias e os professores contatados estão sem receber seus vencimentos então nós não compreendemos essa justificativa de falta de recurso, por essa parte nós entendemos que o objetivo aqui do encontro ele não foi alcançado na sua totalidade”

Entre os vereadores que intermediaram o debate, divisão de opinião. Pela situação Valdeck Frota se disse satisfeito.

“Não adianta que nós comecemos as aulas agora se o secretário está nos informando que a receita caiu, que o dinheiro do transporte não veio, o dinheiro da merenda não veio, então, assim, mais tarde o próprio sindicato que cobra vai querer trazer uma nova discussão dizendo que as aulas começaram mas a merenda não tem, mas o transporte não tem”

Já Rodrigo Figueiredo mostrou-se decepcionado mais uma vez.

 “Codó é uma das cidades que mais recebem recursos também para a Educação, mas um governo que não tem planejamento, que não tem organização não pode estar à altura do nosso povo de Codó que vem sofrendo bastante”, disse

FM Cidade forma equipe para cobrir o carnaval 2019

A rádio Comunitária FM CIDADE já está com sua equipe de cobertura do carnaval 2019 montada. Entre os integrantes já definidos estão Jair Ribeiro, Silvestre Neres que à casa retorna após longa temporada na Mirante AM e Osvaldo Filho, O Mãozinha.

Domingos Reis volta a criticar fechamento de escolas em Codó

O vereador Domingos Reis declarou-se oposição hoje pela manhã, na audiência pública que discutiu o atraso no início das aulas na rede municipal de Codó. (Não deu em nada, as aulas começarão memso só em 11 de março).

Na sua fala, Dominguinhos, entre outras coisas, criticou severamente o fechamento de escolas, chamado de Nucleação, ocorrido no conturbado  início do ano de 2018. Na opinião dele, se houve benefício foi só para o bolso do governo de Francisco Nagib.

VÍDEO – Para Dr. Mendes grupão pode tirar Francisco Nagib da prefeitura em 2020

Quem também esteve na festa dos 39 anos do PT, realizada no último fim de semana em Codó, foi o advogado Francisco Mendes. Pregou a união entre Pedro Belo, Dr. Zé Francisco e outras lideranças como Biné e Ricardo Archer para derrotarem Francisco Nagib ano que vem.

OUÇA – Comércio de Codó tenta sobreviver a meses de queda nas vendas

Quando o ano começa os lojistas de Codó são obrigados a por em prática todas as suas estratégias, é que até o mês de maio as vendas caem. Fevereiro, por ser menor em número de dias, vem uma dificuldades a mais como lembrou o  gerente Vanderlúcio Rabelo.

 “dando desconto à vista, desde o início do ano dando desconto, agora no final desse mês nós vamos fazer promoção pra ver se a gente consegue fechar o mês no azul, pra não virar no vermelho, o mês de fevereiro, que é um mês menor, são 28 dias só, e as contas não param de chegar, então a gente tem que fazer mesmo promoções, pra ver se atrai o cliente pra dentro da loja”, disse

SURPRESAS INDESEJADAS

Algumas surpresas também acabam impactando as previsões de lucro. Este ano quem é do setor de material escolar apostou na alta de início de ano. Dobrou  o estoque, se planejou, mas as aulas municipais foram  adiadas para 11 de março – resultado, os produtos ainda estão nas lojas.

 “E com essa mudança do início de aula do ano letivo, atrapalha sim porque  a gente tem compromisso tanto com os fornecedores, como com os funcionários que a gente faz essa contratação para auxiliar e atrapalha sim, atrasa com certeza”, destacou a chefe de seção Daniele Silva

 Alguns setores podem fazer uma nova aposta para tentar superar o difícil mês de fevereiro, mas essa oportunidade só pode vir para a loja de quem pode trabalhar, ainda em fevereiro, produtos do carnaval.

Isso porque já tem muito consumidor pensando na festa e  o setor de roupas já sente a tendência.

 “Comprar uma roupinha, uma bluzinha curta, um short pra sair pulando carnaval…TEM QUE TER MESMO ESSAS COISAS? Tem, tem que ter pra ficar bonita”, esta foi a opinião de Maria José dos Santos, dona de casa que estava no centro comercial já pesquisando preços

Além de roupas para o período Rogilson Silva, empresário,   também disponibilizou fantasias, está diversificando a oferta para espantar o fantasma do fevereiro no vermelho.

 “O mercado hoje ele tá muito competitivo e a gente faz isso pra atrair o cliente, carnaval tá se aproximando, os blocos também tão animando e a gente tem que entrar em clima de carnaval pra poder o cliente comprar na mão da gente…É UMA DAS FORMAS DE SUPERAR O DIFÍCIL MÊS DE FEVEREIRO? É, a gente tá trabalhando, enfeitando a loja pro cliente vir e poder comprar na nossa mão”

Nos meses seguintes a previsão não é das melhores e é o consumidor codoense quem a está garantindo.

 “Eu acredito lá pelo mês de maio, pelo mês de maio já é o mês das mães é quando as coisas voltam a melhorar…É QUANDO O CONSUMIDOR VOLTA NOVAMENTE? É quando o consumidor volta novamente a ir ao comércio fazer as compras”, garantiu o consumidor Moisés Xavier, autônomo.

César Pires prega união de deputados em prol das rodovias estaduais do Maranhão

O deputado César Pires (PV) cobrou solução para a precária situação das rodovias estaduais do Maranhão ao enfatizar, na tribuna da Assembleia Legislativa, que os parlamentares estaduais estão mais preocupados em cobrar a recuperação das estradas federais. “A reclamação aqui é constante com relação às BRs, mas não devemos esquecer que nossa obrigação é fiscalizar o estado das MAs e defender a segurança dos maranhenses que circulam perigosamente por essas vias”, enfatizou ele.

“Não ouvi reclamações das MAs, que estão tão precárias quanto as BRs. Parece que só trafegamos por BR, quando direcionamos nossas cobranças ao presidente Bolsonaro e ao do ministro do Transporte. Sobre a situação das nossas rodovias, há no plenário um silêncio franciscano como se estivéssemos num mosteiro”, ironizou o deputado.

César Pires citou como exemplos a MA-201 (estrada de Ribamar), a MA-026, em Vargem Grande, e as rodovias que levam à Baixada, passando pelos municípios de São Bento, Cajapió e São Vicente de Ferrer. “São estradas em péssimas condições. Nós podemos silenciar, como deputados estaduais, ou a nós compete fazermos os trabalhos dos deputados federais, tratando só das BRs?”, questionou ele.

O deputado ressaltou que todos os demais parlamentares estaduais, que costumam viajar de carro pelas várias regiões do Maranhão, sabem que há muitas rodovias estaduais tão precárias quanto as BRs. “Sofremos prejuízos com nossos carros e toda a população tem a sua segurança ameaçada ao trafegar por essas estradas. Então, como deputados estaduais, não podemos silenciar diante da nossa responsabilidade de lutar pela recuperação das MAs”, ressaltou César Pires.

Ele concluiu lembrando que foi um dos primeiros a cobrar a duplicação da BR-135, e que se recusou a participar da inauguração às pressas “de uma obra mal feita”, referindo-se à entrega do primeiro trecho da duplicação da rodovia que dá acesso a São Luís. “Essa situação merece nossas críticas e reivindicações, mas sem ficarmos míopes com relação às MAs. Devemos unir esforços, pois vivemos no mesmo Maranhão e trafegamos nas mesmas estradas”, finalizou.