Category Archives: Saúde

Zito culpa empresa por não funcionamento da clínica de hemodiálise de Codó

Zito Rolim fala de hemodiálise

Zito Rolim fala de hemodiálise

Não têm sido poucas as denúncias feitas nos meios de comunicação a respeito das péssimas condições de transporte dos pacientes de hemodiálise de Codó que são obrigados a fazer a limpeza do sangue, pelo menos três vezes por semana, na cidade de Caxias. Há quem saia nas primeiras horas da manhã e só chegue em casa, novamente, depois das sete da noite, isso quando o veículo não quebra na BR-316.

Outra reclamação frequente é que desde a época do governo de Ricardo Archer a ajuda de custo (via programa Tratamento Fora de Domicílio – TFD) não passa de 120 reais por mês por paciente. Os renais crônicos se perguntam por quê esse dinheiro está congelado há vários governos, inclusive nos seis anos do atual, o famoso Cuidando de Nossa Gente.

VETADA PELA VIGILÂNCIA

Na semana passada, em meio a outros assuntos de seu discurso nos dois anos da UPA, o prefeito Zito Rolim falou da clínica de hemodiálise construída em Codó (na área do conjunto Novo Milênio), que até hoje ninguém sabe ao certo se é pública ou particular. Ela poderia ser o fim dos sofrimentos enfrentados por quem já está querendo até  paz celestial.

Segundo o gestor maior do município, a clínica de hemodiálise de Codó ainda não está funcionando porque a Vigilância Sanitária não liberou o alvará de funcionamento e o motivo estaria numa documentação errada que a empresa responsável, cujo nome não citou, emitiu.

“O povo quer, o povo merece e nós estamos conseguindo a exemplo da hemodiálise que ainda não está funcionando por conta de um erro da empresa que fez a documentação errada, se não já tava funcionando a hemodiálise, mas a vigilância (Estadual) não liberou o alvará, mas não vai demorar muito, o importante é que nós estamos conseguindo’, disse Rolim explicando a situação

O ‘NÃO VAI DEMORAR’ da frase do prefeito não teve data estipulada, o que indica tempo indeterminado, mais tempo para o desgaste de quem vive debaixo do castigo de uma prefeitura que já deveria ter criado vergonha na cara e colocado uma clínica  pública dentro de Codó.

O FECHA NÃO FECHA DO PARTICULAR

Se esta que foi vetada pela Vigilância Sanitária for particular, prevejo desgraça à frente para os pacientes renais. É que a exemplo do que já vimos aqui na área da saúde, a clínica particular só funcionará quando o dono tiver a amizade do prefeito do momento, caso não,  ficará fechada por questões meramente políticas.

Quem nunca viu este tipo de coisa aqui em Codó?

Saúde é Vida dobra a quantidade de leitos existentes no Maranhão

Saúde é prioridade

Saúde é prioridade

Um dos maiores avanços que o programa Saúde é Vida, desenvolvido pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria Estadual de Saúde (SES), proporcionou foi a expansão da rede de leitos para atender a população de São Luís e do interior do estado. Conforme levantamento feito pela Secretaria Estadual de Saúde (SES) em 2009, quando o programa foi colocado em prática, havia 958 leitos hospitalares disponíveis na rede de saúde e, até dezembro de 2013, esse quantitativo passou para 2.118, o que representa um aumento de mais de 120%.

O programa também contribuiu para aumentar a quantidade de leitos de UTI no estado: em 2009, eram 98 que estavam ativos e, até dezembro de 2013, esse quantitativo subiu para 309. Já com relação aos leitos de UCI, o Maranhão não tinha leitos dessa natureza e, com o auxílio do programa, foram ativados 104 até dezembro do ano passado.

Ao fazer uma comparação entre os leitos hospitalares das redes municipal, estadual, federal e privada de saúde no Maranhão – de abril de 2009 a dezembro de 2013 – , os dados da SES mostram que a maior evolução foi registrada na rede estadual. Enquanto a quantidade de leitos hospitalares sob a responsabilidade do estado passou de 958 para 2.118, na rede municipal, o total de leitos passou de 7.312 para 7.347; na federal, houve uma diminuição, passando de 573 para 488; e na rede privada de saúde também houve uma diminuição, passando de 5.183 para 2.465 leitos.

Tecnologia – Uma das últimas ações do programa nesse sentido foi a ativação, na segunda-feira (17), de 50 leitos de retaguarda clínica no Hospital Estadual Nina Rodrigues. O anexo funcionará como uma extensão do Hospital Carlos Macieira para receber pacientes que necessitem de tratamento de longa permanência em clínica médica, encaminhados de outras unidades de saúde da rede estadual em São Luís.

São 42 de clínica médica e oito de cuidados intermediários. A unidade conta com laboratório 24 horas e médicos especializados para apoio e diagnóstico. Todo o corpo clínico é formado por profissionais que trabalham no Hospital de Alta Complexidade Carlos Macieira e a equipe administrativa será a mesma do Hospital Nina Rodrigues.

Por Leandro Santos / Jornal O Estado do MA

BANHO MARIA: Desde 1997 codoenses ouvem promessas de implantação de leitos de UTI no HGM

O Hospital Geral Municipal tem cerca de 130 leitos, mas nenhum deles é de UTI.  Desde 1997, quando Ricardo Archer iniciou seu primeiro mandato,  o codoense houve, de forma mais frequente,  promessas de instalação de uma Unidade de Terapia Intensiva, mas até hoje nada foi feito.

Desde o fim da década de 1990, quando um prefeito sai diz que deixou ‘quase tudo pronto’ pra outro, este, por sua vez, diz que nada encontrou. Foi assim de Ricardo para Biné e, mais recentemente, de Biné para Zito.

Na atualidade, o secretário de saúde do município, o ginecologista Cláudio Paz, há 6 anos à frente da pasta capitaneado por Zito Rolim, deu a seguinte explicação para o estágio em que estaria esta sonhada implantação:

“Essa rede já foi aprovada, já foi encaminhada para o Ministério. O ministério já liberou em portaria, nós estamos só aguardando o Ministério liberar o dinheiro para que a gente possa iniciar a construção dos leitos de UTI e também dos equipamentos”, argumentou

 NA UPA

O mais próximo de uma UTI que Codó possui fica na UPA, mas é só uma sala intermediária (apelidada de SALA VERMELHA) para pacientes graves que, segundo o diretor da Unidade, Ricardo Lima, serve apenas para estabilizar a saúde da pessoa antes de transferi-la para outra cidade.

 “A gente tem uma sala vermelha com quatro leitos semi-intensivos. A função desses leitos é semi-intensivo, é de estabilizar esse paciente até que a gente consiga transferi-lo para um hospital de alta complexidade e a UPA tem feito este papel”,afirmou

AS TRANSFERÊNCIAS

Os pacientes em estado grave de Codó são transferidos para a cidade vizinha de Coroatá. Quando não há vagas, a alternativa da central de regulação é procurá-las em Presidente Dutra ou na capital, São Luís. Sobre quantidade o diretor da Central de Leitos do Maranhão, Ivan Lima, disse.

“Nós contamos com 35 leitos de UTI adulto, mas 13 leitos de UTI neo-pediátricas”, enfatizou

São  números de uma rede de regulação no Leste Maranhense que, segundo Ivan,  recebe pacientes de 70 hospitais e  de mais 4 UPAs. Só a de Codó informou que envia uma média de 15 pessoas por mês.

Todos admitem que as vezes é complicado achar uma vaga, mas Ivan Lima garantiu que providências estão sendo tomadas para melhorar a oferta de leitos de UTI no Maranhão.

“Estamos construindo agora mais 4 hospitais macrorregionais em Caxias, Santa Inês, Pinheiro e Imperatriz. Esses hospitais vão dá mais vazão aos nossos pacientes, nosso programa Saúde é Vida composto por mais hospitais que vão abrir, mais hospitais gerais e mais hospitais de urgência que estão sendo preparados”, concluiu

“O Maranhão está no caminho certo”, diz Cláudio Paz sobre saúde

Participando do aniversário dos 2 anos de funcionamento da UPA Codó, o secretário de Saúde do município, Cláudio Paz, fez um discurso elogiando iniciativas inovadoras do secretário estadual, Ricardo Murad, e da governadora, Roseana Sarney. Destacou a ideia da regulação de leitos – que é o trabalho que descobre vaga e encaminha o paciente grave para  lugar garantido dentro do sistema da rede pública de saúde.

“Antes dos hospitais de emergência, antes da UPA as pessoas de todo o Maranhão pegavam aqui uma ambulância e íam pra São Luís, pra Teresina, pra Caxias pra arriscar, não existia uma serviço de regulação. Hoje existe uma certa demora, mas é porque o serviço está sendo organizado. A pessoa quando sai daqui da UPA, do HGM, vai pra Timbiras, ou vai pra Coroatá, na regional, já tem um leito esperando este paciente”, disse

De acordo com Cláudio Paz, o Maranhão está no caminho certo. Ele também frisou que aqueles que hoje criticam já tiveram a oportunidade de fazer melhor e não o fizeram.

“Então, o MARANHÃO ESTÁ NO CAMINHO CERTO. As pessoas que criticam a oportunidade de fazer e não fizeram. O secretário Ricardo Murad tem ampliado, principalmente, os serviços de alta complexidade, hoje tá tendo dificuldade de leito de UTI imagine sem esses leitos que foram criados no hospital macrorregional de Coroatá, criado no hospital Carlos Macieira em São Luís e vários outros leitos que estão sendo criados”

UPA completa 2 anos de atividade com mais de 162 mil atendimentos aos codoenses

A UPA Codó comemorou ontem (19) 2 anos de funcionamento, um projeto inovador tocado em nível de Estado pelo secretário de Saúde, Ricardo Murad, sob coordenação da governadora Roseana Sarney. Foram muitos os atendimentos neste período e os números foram apresentados pelo gestor, Ricardo Lima, que de forma muito simpática recebeu à todos e até mandou fazer um bolo de aniversário para a festa.

Nestes dois anos a Unidade fez  162.442 atendimentos (números registrados entre março de 2012 e março de 2014). Segundo estimou o diretor, cerca de 20% deste total foram atendimentos de urgência e emergência. A divisão ficou assim, acrescida de outros registros:

  • Clínica Médica = 95.216 atendimentos
  • Pediatria = 95.216
  • Serviço Social = 2.799
  • Atendimento Ortopédico = 1.399
  • EXAMES LABORATORIAIS = 144.133
  • Eletrocardiograma = 1.332 (Este exame é feito em parceria com o INCOR-SP e o resultado sai em 1 minuto)
  • RAIO X = 16.715

Abaixo você confere trecho da fala do diretor Ricardo Lima que fez um discurso de agradecimentos e de elogios aos funcionários e à parceria com o município de Codó.”Devemos tudo aos funcionários da unidade, tá. A maioria veste a camisa da UPA, sabe que é importante atendimento. Não adianta uma estrutura bonita, toda climatizada, sem um atendimento adequado pra população”, enfatizou

SAMU e população de Bacabal ganham mais uma ambulância

Mais uma ambulância pra Bacabal

Mais uma ambulância pra Bacabal

Ao assumir o comando do município de Bacabal em janeiro de 2013, o prefeito Zé Alberto Veloso se deparou com uma situação jamais vista em nenhuma outra cidade brasileira: O fechamento do setor de saúde pública.

Os dois hospitais estavam sem receber pacientes e os Postos de Saúde, hoje chamados de UBS, desativados. Inicia-se então o processo de reaparelhamento do sistema e a reabertura das unidades de saúde. Somente em 2013, 22 Unidades Básicas de Saúde foram entregues à população. O Hospital Laura Vasconcelos que em dezembro de 2102 não havia registrado um atendimento foi equipado e reaberto, o mesmo acontecendo com o Centro de Especialidades Odontológicas o CEO e o Centro de Reabilitação que este ano foi todo reformado e equipado.

SAMU

Outra unidade de saúde encontrada em situação critica foi o Serviço Móvel de Urgência SAMU. As ambulâncias foram abandonadas e estavam virando sucatas. A frota foi recuperada pelo novo governo e novas viaturas foram adquiridas.

Na manhã desta quinta-feira(13) o prefeito do município Zé Alberto Veloso e o Secretário de Saúde Hidaldo Léda fizeram a entrega de mais uma viatura para o órgão. Tracionado, o veiculo é tão equipado quanto às ambulâncias já existentes e terá condições de trafegar em terrenos íngremes e hostis beneficiando principalmente o homem da zona rural.

“Hoje Bacabal dispõe de uma saúde que funciona, temos remédio, temos médicos, hospitais funcionando e estamos trabalhando para melhorar cada vez mais o atendimento a nossa população. Ainda temos problemas, mas se você for comparar a saúde de Bacabal em relação à dos governos passados, você vai ver que avançamos quase 100%” desabafou o prefeito Zé Alberto durante a solenidade na sede do SAMU.

ASSCOM Prefeitura de Bacabal

Veja onde encontrar a vacina contra o HPV em Timbiras

Prédio da Secretaria de Saúde de Timbiras

Prédio da Secretaria de Saúde de Timbiras

A Secretaria Municipal de Saúde de Timbiras informa a todos os pais ou responsáveis que tenham filhas de 11 a 13 anos de idade, que nesta segunda-feira (10/03), haverá campanha de vacinação contra o HPV, das 8h da manhã às 17h nos seguintes postos de vacinação:

  • Hospital Victoriano Abdalla
  • Unidade básica de saúde do bairro São Sebastião
  • Unidade básica de saúde do bairro mutirão
  • Unidade básica do bairro São Raimundo
  • Centro de atenção psico social do bairro anjo da guarda ( CAPS)

A vacinação começa neste dia 10 de março e se estenderá até 10 de abril, a meta é imunizar meninas entre  11 e 13 anos de idade.

Pela primeira vez, o Sistema Único de Saúde, disponibiliza gratuitamente a vacina contra o Papilomavírus Humano (HPV), usada na prevenção do câncer de colo de útero, através de um trabalho conjunto do Ministério da Saúde, e os municípios a vacina vai  ser oferecida em todas as escolas, sejam públicas ou particulares. O esquema vacinal contra o vírus é composto de três doses, sendo que a segunda dose deverá ser aplicada em setembro nas Unidades de Saúde e a última, cinco anos após a primeira dose.

O HPV é uma das principais causas de ocorrência do câncer de colo de útero. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), é o tumor mais frequente na população feminina, atrás do câncer de mama e do colo retal, sendo a quarta causa de morte de mulheres por câncer no Brasil.

ASSCOM Prefeitura de Timbiras

Codó receberá R$ 300.000,00 para campanha de diagnóstico precoce da hanseníase

Maria Paz

Maria Paz

A Vereadora Maria Paz (PV) chamou a atenção das autoridades municipais e da população codoense para um importante assunto de saúde pública: o diagnóstico precoce e tratamento gratuito da hanseníase. A parlamentar anunciou que o governo municipal conseguiu, junto ao governo federal, recursos da ordem de R$ 300.000,00 para a implementação, em Codó, das ações da Campanha Nacional Diagnóstico Precoce da hanseníase.

Essa é mais um conquista da saúde de nosso município. É um importante recurso que será usado em beneficio da saúde dos codoenses. O Brasil é o 2º país em casos de hanseníase em todo mundo. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) nosso país registrou em 2011 cerca de 30 mil novos casos da doença. Número inferior apenas aos 127 mil casos da Índia, que tem uma população cinco vezes maior”. Alertou.

A vereadora também disse que a campanha terá início em março, logo após o carnaval. Uma equipe composta por seis profissionais na área da saúde (2 enfermeiros e 4 técnicos em enfermagem) percorrerão pelo período de um ano a zona urbana e rural do município de Codó, visitando as famílias de casa em casa. Os profissionais farão o diagnóstico da doença, orientarão a população sobre os sintomas e encaminharão os infectados para o tratamento, que é oferecido gratuitamente pelo SUS. Também serão desenvolvidas atividades e divulgação do material da campanha na rede pública de saúde e na mídia local.

Maranhão é o terceiro do país em número de hanseníase

Um balanço divulgado pelo governo federal indica que três estados registram as maiores incidências de hanseníase do país, com coeficiente de prevalência acima de três casos para cada 10 mil habitantes – Mato Grosso (7,69), Tocantins (5,54) e Maranhão (5,22). Em Codó, a campanha e os atendimentos para o diagnóstico precoce serão mais ostensivos na periferia e zona rural.

Maria Paz pediu na tribuna que a população siga as orientações propostas pela campanha e pela Secretaria Municipal de Saúde, no sentido de reduzir os casos da doença no município, detectar as pessoas infectadas e oferecer o tratamento adequado.

Iremos começar um grande campanha que foi lançada pelo Ministério da Saúde e recebemos a verba para trabalhar para diminuir os casos em nosso município e em nosso país. As pessoas têm que procurar cuidar mais da saúde. A hanseníase é uma doença silenciosa, mas se detectada a tempo possui tratamento e cura. É preciso intensificar os esforços para a informação, diagnostico, tratamento e cura de nossa população e atacar a hanseníase”. Finalizou.

Ascom/Vereadora Maria paz

Unidade Básica de Saúde Borborema realiza o 1º Hiperdia em Codó

Hiperdia Folia

Hiperdia Folia

Os profissionais da Unidade de Saúde Borborema, com destaque para o médico Dr. Digeorgio junto com sua equipe do PSF e funcionários do posto, apoiado pela Secretaria Municipal de Saúde, e contando com apoio integral do Secretario de saúde Claudio Paz e o prefeito Zito Rolim, Realizaram o do 1º Hiperdia Folia.

O evento teve a participação 500 pessoas residentes do Bairro Santo Antônio e foi prestigiado em boa parte pelo público da terceira idade e pacientes que realizam o controle constante da pressão arterial. Os integrantes da brincadeira pré-carnavalesca são pacientes dessa unidade de saúde básica e dizem fazer parte de uma grande família.

Na visão do Dr. Digeórgio, o intuito da realização do 1º Hiperdia Folia foi proporcionar mudanças positivas na relação entre os profissionais de saúde e a população, além de demonstrar um modelo de atenção voltado para a Saúde da Família. “A estruturação dos serviços e o padrão de assistência oferecida pelo nosso sistema de saúde em Codó é a nossa luta diária de trabalho”.

Para o Secretário Dr. Cláudio Paz, as ações lúdicas e comemorativas são formas de manter a união paciente e profissional de saúde e passar a população uma visão mais ampla de como se cuidar. “Em face da progressiva expansão do processo de organização do serviço de atenção básica no município, devemos proporcionar programas e conteúdos que os possibilitem desempenhar suas atribuições, cada vez mais próximos das necessidades de saúde da população”. Finalizou.

Ascom/SMS 

PERIGO – Regional Codó já soma 352 casos de Hanseníase

Os seis municípios da nossa regional  – Codó, Timbiras, Coroatá, Peritoró, Alto Alegre do Maranhão e São Mateus – estão enfrentando problemas com a incidência da Hanseníase desde o ano passado.

Juntos estes municípios totalizaram nada menos que  324 casos da doença em 2013.  O mais problemático deles é Coroatá. No período ele registrou, de acordo com dados da Unidade regional  da Saúde de Codó, 135 casos, na sequência vem:

  • Codó – com 106 pacientes
  • São Mateus – com 40
  • Alto Alegre do Maranhão – com 16 casos
  • Peritoró – com 15
  • E Timbiras – com 12 pacientes de hanseníase

Este ano a doença continua avançando na regional e Codó é quem largou na frente. Em 7 semanas de 2014, a regional de saúde já registrou 12 novos casos, Coroatá vem logo atrás com 8. Só Timbiras ainda não registrou novas incidências até agora.

PROJETO EM ANDAMENTO

Dos seis municípios da regional, só Codó está entre os 7 no Estado do Maranhão contemplados com o projeto AÇÕES INOVADORAS PARA O CONTROLE DA HANSENÍASE ao lado de São Luís, Imperatriz, São José de Ribamar, Açailândia, Timon e Caxias.

Um grupo de 11 técnicos de enfermagem e enfermeiros está sendo treinado para sair de casa em casa procurando doentes em cinco bairros.

Na cartilha usada nas aulas ministradas por Delcina Filgueira, que coordena o combate em Codó,  as informações são básicas – O que é a hanseníase, como se pega, quais os sintomas e, claro, como a doença é tratada.

 “É de extrema importância que eles venham estar realizando esta busca ativa pra ver se tem mais casos ou não de Hanseníase (…) O trabalho é identificar e encaminhar à unidade de saúde mais próxima porque quem dá o diagnóstico é o médico”, explicou a coordenadora de Vigilância em Saúde, Karen Cruz

Além dos responsáveis pela chamada busca ativa, também passarão por um treinamento, previsto para o mês de março,  35 médicos e 25 enfermeiros. Todos estarão envolvidos no projeto Ações Inovadoras para o Controle da Hanseníase.

O projeto é do Governo Federal, por meio do Ministério da Saúde, mas envolve o Governo do Estado, responsável pela capacitação dos agentes, e as Prefeituras que fornecem a mão de obra.

Os 11 responsáveis pela busca ativa nos bairros serão contratados e receberão uma ajuda de custo pelo serviço. Ainda será marcada uma data de abertura oficial do projeto dentro de Codó, só então todos irão para as ruas procurar doentes.