Category Archives: Saúde

RETRATO DO CAOS – Mulheres dormem na porta do pronto-socorro de Codó em busca de Ultrassonografia

Já pensou passar uma noite neste banco?

Já pensou passar uma noite neste banco?

Na noite de ontem (8) precisei levar minha tia, idosa, para um atendimento médico  de urgência. Preferi o HGM para não ter que esperar duas horas na UPA já que ela reclamava-se apenas de uma insistente dor cabeça e estava com pressão arterial em 13 por 8. Enquanto ela era atendida,  fui conversar com as pessoas do lado de fora do pronto-socorro.

Notei uma movimentação estranha. Eram mulheres que chegavam com certos agasalhos como se estivessem chegando para passar a noite ali, e era. Às 8h30 da noite já existiam 12 delas marcando lugar na fila e a todo momento  o número ia aumentando.

O QUE PROCURAM?

Quis saber que tipo de exame elas procuravam – responderam que era o de ULTRASSONOGRAFIA. Também quis saber por quê não deixavam para vir no período da manhã, às 7h, geralmente, quando as fichas são distribuídas.

A resposta foi rápida. São apenas 30 fichas de marcação do exame por dia e se a pessoa deixar para chegar à frente do pronto-socorro às 5h da manhã, por exemplo, terá que voltar noutra ocasião pois, certamente, o número de pessoas que passaram a noite anterior e a madrugada já será maior que 30.

SEM CONFORTO

Não há o menor conforto, quem chega primeiro fica em dois bancos de madeira que ficam do lado de fora do pronto-socorro (antes era no rol de entrada do HGM que agora está em reforma). Quem perde  espaço nesses bancos fica perambulando no pátio externo do local em bancos de cimento cochilando ou batendo papo para ver a madrugada passar.

Na porta do PAM (hoje CAM) com o avançar da hora via-se várias mulheres deitadas no chão. Como ainda estávamos na casa das 20h não presenciei cenas do tipo, nem posso afirmar se pessoas dormem no chão na frente do pronto-socorro durante a madrugada, mas é bem provável.

Relatos de que algumas pegam no sono em cima da maca de ferro gelada  que aguarda pacientes trazido pelo SAMU, eu ouvi.

APARELHO QUEBRADO

Ontem também presenciei outra cena lastimável da saúde pública do nosso município. Entre as mulheres que chegavam, uma, do Codó Novo, logo retornou em sua bicicleta após entrar para se informar sobre exames de fezes e urina.

Disse eu, já entrosado com as que marcavam fila – a senhora já vai, não vai ficar?

Não, respondeu a senhora com um leve sorriso no rosto. Mas por quê? Disseram que a máquina de fazer os exames de fezes e urina está quebrada.

Questionei-a novamente tentando ouvi-la enquanto se preparava para subir na bicicleta e começar a pedalar – Disseram quando o aparelho volta da funcionar?

Não senhor, só disseram que tá quebrado, respondeu despedindo-se em seguida.

Não farei comentários nesta matéria. Não precisa diante de uma situação vergonhosa como esta.

Maria Paz garante que verba para conclusão de posto de saúde da Vila Fomento foi liberada

A vereadora Maria Paz  (PV) anunciou ontem (8) que o Governo Federal já liberou a segunda parcela da verba de construção da Unidade de Saúde da Vila Fomento, uma das nove paradas desde outubro do ano passado.

Em seu discurso, a vereadora deixou no ar a certeza de que de agora em diante o Ministério da Saúde vai liberar a segunda parcela do dinheiro de todas as outras unidades, alvo de denúncias constantes do seu colega de parlamento Rodrigo Figueiredo e da imprensa.

“Então já foi liberado a segunda parcela da Unidade Vila Fomento, fica bem aqui pertinho da gente. Então vai ser recomeçado essa semana de novo os trabalhos e ainda falta uma parcela porque agora que está sendo liberada a segunda parcela de todas as unidades. Essa aqui foi a primeira das 9 unidades que estão sendo construídas e, com certeza, vai ser liberada, aos poucos, a segunda parcelas das outras unidades”, disse a edil.

A falta de dinheiro foi a justificativa dada pelo governo municipal para a paralisação das obras desde o ano passado.

Administração de Zito e Cláudio Paz já recebeu R$ 10.741.545,58 e continua morrendo gente por falta de aparelhos no HGM

Antes de dissertamos sobre este tema é bom que o leitor tenha em mente que Codó, de acordo com o site oficial da Fundação Nacional de Saúde, já recebeu em 2013, para aplicar na saúde pública, exatamente R$ 10.741.545,58.  Que você saiba que julho, mal começou, e já consta de recebimento R$ 1.093.050,28.

Pois bem…

Na semana passada uma cidadã, que preferiu não se identificar, procurou o programa Cidade Notícias, apresentado pelo jornalista Alberto Barros na FCFM, ao vivo,  para denunciar que sua irmã, identificada como Santa,  morreu após ser submetida à um vai e vem entre Codó e Coroatá, pasmem, em busca de exame de tomografia.

DE FIAT PRA COROATÁ

A mulher, segundo a irmã, foi mandada à Coroatá duas vezes. Na primeira a situação apresentada já era crítica, mas, ainda assim, foi autorizada pelos médicos à viajar NÃO numa ambulância, mas num Fiat Uno por 124  kms (ida e volta).

“A gente foi num carro pequeno, num Fiat, ela não falava, ela não caminhava, ela tava, praticamente, imóvel, ela não fazia nada, ela tava toda mole já”, revelou a irmã

O médico Digeorges, que apareceu no programa para se defender, pois havia feito o atendimento, contestou a informação afirmando que a paciente foi mandada no Fiat porque tinha condições clínicas para isso.

“De manhã ela foi transportada num Fiat tão tal que ela saiu caminhando normal. Um paciente que apresenta pressão arterial normal, frequência cardíaca normal, saturação normal, a princípio ela tá estável. Aí foi, por decisão, disse – não, mas dá pra ela ir no carro pequeno. Só que quando foi solicitado o segundo exame ela já foi na ambulância”, afirmou

O jornalista disse que não aceitava a situação e neste momento apareceu um outro problema conectado ao primeiro ( que é falta de aparelhamento no HGM). Ao ser contestado o médico revelou que a mulher foi mandada à cidade vizinha porque dois profissionais de saúde não conseguiram diagnosticar a doença que ela apresentava, claro, sem os exames necessários não disponibilizados em Codó.

Chegou-se a cogitar  que o caso era de MENINGITE, depois descobriu-se, que era Acidente Vascular Cerebral Isquémico (derrame). Veja trechos da entrevista sobre este ponto:

Alberto Barros – “UMA PESSOA COM AVC ISQUÉMICO PRA SER TRANSPORTADA NUM FIAT É UM POUCO COMPLICADO, EU NÃO CONSIGO ACEITAR ISSO DOUTOR…

Dr. Digeorges – “mas, seu Alberto Barros, só que a princípio ela não tinha diagnóstico, os médicos não fecharam, nem eu, nem o outro colega fechou o diagnóstico, por isso a necessidade de fazer a tomografia (…) é a tomografia que vai elucidar o diagnóstico”.

Alberto Barros  – EU ACREDITO, QUE PELA EXPERIÊNCIA DE VOCÊS, NO MÍNIMO DEVERIAM TER TIDO UMA SUSPEITA (…) CHAMAVA A EQUIPE MÉDICA E DIZIA – OLHA, NÓS NÃO TEMOS CERTEZA, ENTÃO NÃO É VIÁVEL ESSA SENHORA NUM FIAT…

Dr. Digeorges  – “A princípio ela foi no FIAT, mas no segundo ela foi transportada na ambulância, que até a solicitante falou, na Maranhão (na ambulância). Quando ela deu entrada o diagnóstico dela tava tão tal que ela tava com Meningite, é tanto que ela ia ser transferida pra Teresina pra fazer a pesquisa de Meningite”.

RESULTADO – MORTE

O resultado dessa sucessão de erros provocados pela falta de aparelhamento do Hospital Geral Municipal de Codó foi trágico. A mulher morreu na segunda viagem, esta feita numa ambulância chamada de MARANHÃO.

De acordo com relatos do próprio médico na entrevista, a paciente aspirou o próprio vômito que atingiu seus pulmões, algo na medicina chamado de bronco-aspiração. Ainda chegou viva à Codó, mas não resistiu à paradas cardíacas advindas do agravamento de seu quadro pós segunda viagem.

“Na volta ela começou a passar mal, eu falei para uma auxiliar de enfermagem, foi, eu disse – mermã ela tá passando mal, ela falou só assim – mermã aqui não tem nada, não tem um aparelho de pressão não tem nada…OU SEJA ELA NÃO PODIA FAZER NADA, NÃO TINHA EQUIPAMENTO…foi, ela disse que não podia fazer nada”, relatou com pesar a irmã sobre a última viagem de dona Santa

TOMOGRAFIA AGORA TEM, MAS E OUTROS APARELHOS?

Depois que dona Santa morreu, o município firmou um convênio com uma clínica médica que atua em Codó para fazer os exames de tomografia. Infelizmente, só depois que mais um codoense veio à óbito por conta da falta de aparelhamento do maior hospital da cidade.

Resolve-se, paliativamente, a falta deste aparelho. Imagine você que havendo mudança de governo logo este convênio será interrompido, sem contar as recontratações da prestação do serviço necessárias a cada início de ano. Tudo isso é tempo sem tomografia uma vez que o aparelho não foi comprado pela Secretaria Municipal de Saúde, tudo isso é mais riscos de novas viagens (pra lá e pra cá) e mortes prematuras como a de dona Santa.

Como não temos mais médicos com a coragem do ortopedista, Francisco Duailibe, jamais saberemos que outros aparelhos estão faltando dentro do HGM. À imprensa nega-se informação, o Ministério Público não vai por lá e os vereadores, ditos fiscais do povo,  avisam quando vão.

Voltando ao caso da lavradora que morreu no vai e vem cruel da falta de um tomógrafo no HGM, o município pode ser responsabilizado civilmente por tal resultado e a família já demonstrou interesse em procurar a Justiça, com toda razão. Ruim nisso tudo é que penalizando o município quem sofre é o cofre público e não os administradores a frente dele, os verdadeiros responsáveis, moralmente falando, por este caos.

Diante de fatos assim, não é difícil sentir grande revolta interior. Perguntar-se por quê não temos a saúde pública que a Constituição Federal tanto nos garante.

E a principal indagação – até quando será assim?

SUS vai imunizar meninas contra HPV no Maranhão

A partir do próximo ano, meninas de 10 e 11 anos receberão, gratuitamente, a vacina contra o papilomavírus (HPV), usada na prevenção de câncer de colo do útero. A decisão, anunciada esta semana pelo Ministério da Saúde, vai beneficiar 144.923 meninas no Maranhão. No Brasil, a meta é vacinar 80% do público-alvo, estimado em 3,3 milhões. Serão investidos R$ 360,7 milhões na aquisição de 12 milhões de doses.

”Está é mais uma medida para enfrentarmos o problema do câncer de colo do útero, um problema que ainda é grande no país, em especial na região norte. Vamos preparar muito bem este público (meninas de 10 e 11 anos), suas famílias, e reforçar a estratégia envolvendo as escolas e os professores para provocar uma grande sensibilização”, afirmou o ministro da Saúde, Alexandre Padilha. Ele destacou ainda que a vacinação reduz a circulação do vírus no país.

A vacina que estará disponível na rede pública é a quadrivalente, usada na prevenção contra quatro tipos de HPV (6, 11, 16 e 18). Dois deles (16 e 18) respondem por 70% dos casos de câncer. No escopo do acordo entre Ministério da Saúde e os fabricantes da vacina – Butantan e Merck Sharp & Dohme (MSD), que atuarão em parceria tecnológica – está prevista a possibilidade de uso da versão nonavalente, que agregará outros cinco sorotipos à vacina.

Em relação ao câncer de colo do útero, a cada ano, 270 mil mulheres no mundo morrem por conta da doença. No Brasil, 5.160 mulheres morreram em 2011 em decorrência da doença, dessas 303 eram do Maranhão. Para 2013, o Instituto Nacional do Câncer estima o surgimento de 17.540 novos casos no país.

A vacina para prevenção da doença tem eficácia comprovada para pessoas que ainda não iniciaram a vida sexual e, por isso, não tiveram nenhum contato com o vírus. A escolha do público-alvo levou em consideração evidências científicas, estudos sobre o comportamento sexual e a avaliação de especialistas que atuam no Comitê Técnico Assessor de Imunizações (CTAI) vinculado ao Ministério da Saúde.

A incorporação da vacina complementa as demais ações preventivas do câncer de colo do útero, como a realização do Papanicolau e o uso de camisinha em todas as relações sexuais. “É uma vacina para proteger para o futuro, mas que não elimina as medidas de saúde que já estão sendo tomadas pelas mulheres para se proteger do vírus”, reforçou o secretário de Vigilância em Saúde, Jarbas Barbosa.

O Ministério da Saúde orienta que as mulheres dos 25 aos 64 anos façam o exame preventivo, o Papanicolau, a cada três anos. Em 2012, foram 11 milhões de exames no SUS, o que representou investimento de R$ 72,6 milhões. Do total, 78% foram na faixa etária prioritária. No Maranhão, foram realizados 202,1 mil exames no mesmo período ao custo total de R$ 1,4 milhão.

No ano passado, o investimento no atendimento e expansão dos serviços para tratamento de câncer na rede pública de saúde do Brasil foi de R$ 2,4 bilhões, 26% maior que em 2010.

O Ministério da Saúde também está desenvolvendo o Plano de Expansão dos Serviços de Radioterapia, com aplicação de R$ 506 milhões na criação de 41 novos serviços de radioterapia e ampliação de outros 39.  Cada um dos 80 serviços de radioterapia receberá um aparelho Acelerador Linear. Existem, atualmente, 277 estabelecimentos disponíveis para o atendimento e tratamento do câncer. Em 2011 foram habilitados dez hospitais, em 2012 foram onze e em 2013 já são nove novos hospitais habilitados.

ESTRATÉGIA DE VACINAÇÃO – A imunização será feita em três doses, aplicadas com autorização dos pais ou responsáveis das pré-adolescentes, de acordo com o seguinte esquema: após a aplicação da primeira dose, a segunda deverá ocorrer em dois meses e a terceira, em seis meses a contar da primeira dose.

Para chegar com mais agilidade ao público-alvo e ampliar a adesão à proteção contra o HPV, a estratégia será mista: a imunização ocorrerá tanto nas unidades de saúde quanto nas escolas. Após o primeiro ano de imunização, a oferta deverá passar de 12 milhões de doses para 6 milhões de doses por ano, pois parte do público-alvo já estará imunizado.

PRODUÇÃO NACIONAL – A introdução da vacina no SUS foi possível por conta de acordo parceria para o desenvolvimento produtivo (PDP), com transferência de tecnologia entre o laboratório internacional Merck Sharp & Dohme (MSD) e o Instituto Butantan, que passará a fabricar o produto no Brasil. “A medida confirma o esforço do governo brasileiro em aliar inovação tecnológica às necessidades sociais. Estamos produzindo uma vacina, desenvolvendo tecnologia e gerando economia aos cofres públicos”, disse o secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação do ministério, Carlos Gadelha.

O Ministério da Saúde pagará cerca de R$ 30 por dose, o menor preço já praticado no mercado – 8% abaixo do valor do Fundo Rotatório da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAs). A expectativa, em cinco anos, é de um valor 34% menor ao custo atual. Com isso, será possível economizar cerca de R$ 200 milhões (ou US$ 91 milhões) no período, com a queda do custo de US$ 543 milhões para US$ 452,5 milhões. Nesse período, o laboratório público passará a ter domínio de todas as etapas para a produção do insumo.

Além disso, a produção do imunobiológico contará com investimento de R$ 300 milhões para a construção de uma fábrica de alta tecnologia pelo Instituto Butantan, baseada em engenharia genética. “A incorporação dessa vacina vai representar muito em termos de desenvolvimento tecnológico. Foi um processo muito transparente em que se buscou o interesse nacional”, ressaltou o diretor do Instituto, Jorge Kalil.

O Ministério da Saúde oferta 26 vacinas através do Programa Nacional de Imunizações. Destas, 98% já são fabricadas no Brasil ou estão em fase de incorporação da tecnologia.

A vacina contra o HPV é mais um dos produtos biológicos que será fabricado pelo Brasil por meio de uma Parceria para o Desenvolvimento Produtivo (PDP) articulada pelo Ministério da Saúde. Com esse novo acordo, o país passará a produzir 26 biológicos. Além da vacina para HPV, destacam-se medicamentos para câncer de mama, leucemia e artrite reumatoide.

Atualmente, os biológicos consomem 43% dos recursos do Ministério da Saúde com medicamentos, cerca de R$ 4 bilhões por ano, apesar de representarem 5% da quantidade adquirida.

SOBRE O HPV – O HPV é capaz de infectar a pele ou as mucosas e possui mais de 100 tipos. Do total, pelo menos 13 têm potencial para causar câncer. Estimativa da Organização Mundial da Saúde (OMS) aponta que 291 milhões de mulheres no mundo são portadoras do HPV, sendo que 32% estão infectadas pelos tipos 16, 18 ou ambos. No Brasil, a cada ano, 685.400 pessoas são infectadas por algum tipo do vírus.

Por Valéria Amaral, Sílvia Cavichioli e Daniela Martins, da Agência Saúde.

Requerimento obriga Cláudio Paz à explicar na Câmara por que 10 postos de saúde nunca foram concluídos

Cláudio Paz

Cláudio Paz

Um Requerimento de autoria do vereador Rodrigo Figueiredo (PDT) foi aprovado, na sessão ordinária de segunda-feira (24), para que o secretário de saúde, Dr. Cláudio Paz compareça ao parlamento para explicar as razões pelas quais as obras das unidades básicas de saúde iniciadas, boa parte há quase um ano, ainda não foram concluídas e seguem abandonadas pela prefeitura.

De acordo com o Requerimento do vereador, são dez obras de construção de postos de saúde que estão paradas há vários meses. O município começou as obras, mas em sua maioria, ainda nem passou da metade do serviço e não há continuidade. As obras em completo estado de abandono, estão sendo cobertas pelo mato sem previsão de retomada dos trabalhos.

A convocação, por meio do Requerimento de Rodrigo Figueiredo, é para que o secretário vá à Câmara explicar porque as obras estão demorando serem concluídas.

“Na época da campanha política, no ano passado, o governo de Codó fez muita propaganda nos quatro cantos de Codó que iria construir dez postos de saúde, no entanto, assim que passou o período eleitoral essas obras pararam e foram abandonadas”.
Posto de saúde abandonado há meses pela prefeitura de Codó

Posto de saúde abandonado há meses pela prefeitura de Codó

“É uma situação que persiste até hoje, e esse Requerimento tem essa finalidade, que o Dr. Cláudio Paz venha aqui na Câmara explicar o porquê de tantas demora e que dê a nós e a população de Codó, prazos para que essas obras, realmente, saiam do papel. Nós temos interesse, eu tenho interesse que a população receba essa obra como merece, com qualidade e com respeito e não da forma que se encontram hoje, as obras paralisadas e abandonadas“, finalizou o vereador.

ASSCOM – Vereador Rodrigo Figueiredo

Secretaria de Saúde e Centro de Ressocialização realizam Ação Global para beneficiar presos codoenses

A Prefeitura Municipal de Codó, através  da Secretaria de Saúde e em parceria com  Centro de Ressocialização Regional de Codó, realizou nesta manhã de quarta-feira (26) atividades da Ação Global voltada para os presidiários.

Foto: Milton Buzar

Foto: Milton Buzar

Eles receberam atendimento especial das equipes que trabalhavam na ação, foram feitas consultas com o clínico geral Dr. Julimar, as enfermeiras da Unidade Básica de Saúde Silva Santo auxiliavam na distribuição de medicamentos e nas vacinações contra gripe, febre amarela, tétano, dentre outros serviços.

Consultas

Consultas

O evento contou com a presença dos profissionais do CTA que realizavam testes rápidos para identificar pessoas contaminadas com o vírus do HIV, eles também distribuíram preservativos para os detentos.

O Instituto de Beleza Kátia também foi outro parceiro da ação global, auxiliando na beleza e estética dos presidiários, por fim um banquete de café da manhã foi servido para os presidiários.

Assessoria Governo Municipal

Milton Buzar

TRABALHO BEM FEITO – Secretaria de Saúde alcança 102,26% na vacinação contra a Poliomielite

Dr. Cláudio Paz

Dr. Cláudio Paz

O município de Codó está entre os destaques do Estado do Maranhão que conseguiram ótimo nível de vacinação contra a poliomielite.

Dados do Datasus, enviados ao blog pela enfermeira, Karen Cruz, mostram que o terceiro maior  município do Leste Maranhense tinha como meta a vacinar exatamente 11.496 crianças. Entregou o serviço com louvores ao Ministério da Saúde.

Codó vacinou 11.756, atingindo 102,26% do preconizado. O trabalho na cidade foi antecipado e já no dia D de combate à doença o setor de Imunização, estrategicamente,  já estava com uma longa vantagem sobre outros municípios.

Várias equipes percorreram cidade e zona rural para conseguir bater a meta do Ministério.

No Maranhão o município que mais vacinou foi Governador Edison Lobão que tinha meta de 1.496 crianças a vacinar e imunizou 2.372, o equivalente à 158,56%.

Manifestantes deitam na porta do CAM e lembram como codoenses fazem para marcar consultas

O movimento VEMPRARUACODÓ, apesar da já esperada pouca adesão (já que os codoenses só se mobilizam quando é caminhada de político que ama meter a taca neles)  fez coisas interessantes em seu percurso.

Protesto em frente ao CAM

Protesto em frente ao CAM

Uma delas, registrada por um leitor do blog, ocorreu em frente ao Centro de Especialidades Médicas – CAM, antigo PAM – na Av. Duque de Caxias. A fotografia mostra os manifestantes acampados em frente ao Centro como forma de protesto contra a situação da saúde pública oferecida no município de Codó.

O ato de sentar ao chão ou deitar-se sobre o tecido das faixas lembrou bem como os codoenses fazem para passar a noite inteira numa fila no intento de  conseguir marcar consulta para alguma especialidade médica. Desde o tempo de Ricardo Archer (governo Codó 2000, depois passamos pelo Governo Codó Para Todos de Biné) que se promete, mais intensamente, acabar com este tipo de desgraça pública e ninguém conseguiu.

Contra a saúde de má qualidade

Contra a saúde de má qualidade

Com Zito (governo Cuidando de Nossa Gente), não tem sido nem um pingo diferente. Esse momento da caminhada valeu. Parabéns ao VEMPRARUACODÓ.

Prefeitura vai realizar seletivo para Agente Comunitário de Saúde e de combate a endemias

A Prefeitura de São José de Ribamar, através da Secretaria Municipal de Planejamento, Administração e Finanças (SEMPAF), divulgou edital do processo seletivo para os cargos de Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate a Endemias.
Estão sendo oferecidas 30 vagas para o cargo de ACS e 07 para o de ACE, divididas por região administrativa e área de abrangência. Os candidatos interessados devem possuir Ensino Médio completo e no caso específico de Agente Comunitário de Saúde residir na localidade de exercício em que for atuar, conforme prevê artigo 6º, I, da Lei Federal nº 11.350/2006.
O seletivo está sendo organizado pela Fundação Sousândrade de Apoio ao Desenvolvimento da UFMA (FSADU) e as inscrições terão início no próximo dia 25 e poderão ser efetuadas até o dia 14 de julho somente através dos siteswww.fsadu.org.br/concursos e www.sousandrade.org.br/concursos. O valor da inscrição para ambos os cargos é de R$ 35,00.
Para efetuar a inscrição, o candidato deverá adotar os seguintes procedimentos: acessar um dos endereços eletrônicos e selecionar o atalho para “INSCRIÇÕES ON LINE” do processo seletivo para a Prefeitura de São José de Ribamar; preencher a ficha de inscrição, selecionando o cargo público pretendido; imprimir o respectivo boleto bancário; se for o caso, preencher e imprimir o requerimento para atendimento diferenciado ou comprovação da deficiência que se declara portador; efetuar o pagamento da taxa de inscrição utilizando o boleto bancário impresso,.
O processo seletivo será composto de prova de conhecimentos, avaliação de títulos e posterior curso de formação com duração de 40 horas. As provas serão aplicadas no dia 18 de agosto, no próprio município de São José de Ribamar, em locais que serão divulgados posteriormente pela organizadora do certame.
O resultado final será divulgado no dia 20 de agosto, conforme consta no edital. O edital completo do processo seletivo pode ser verificado no seguinte link http://www.saojosederibamar.ma.gov.br/noticia/prefeitura-realiza-seletivo-para-agentes-de-saude-e-de-combate-a-endemias

Hemomar realizará campanha de doação de sangue durante o período junino

A direção do Hemomar de Codó informa a população do município que no período de 17 a 20 e de 24 a 27 de junho de 2013, no horário de 07h00 as 12h00, a sede do Hemomar de Codó estará realizando a Campanha Junina de Incentivo à Doação de Sangue com o tema “No São João a Solidariedade é Sotaque da Vida. Doe Sangue”.

A Hemomar de Codó conta com a solidariedade da população.

Para doas é preciso:

  • Não Estar em Jejum
  • Estar bem de saúde
  • Ter entre 18 e 65 anos
  • Pesar acima de 50 kg
  • Apresentar documento com foto

OBS: serão distribuídas camisas aos doadores com forma de agradecimento. O endereço do Hemomar de Codó é na Rua Barão do Rio Branco S/N – Próximo ao CAM. Entre em contato pelo telefone 3661-2266.

Nota: Ascom Prefeitura Municipal de Codó – Governo Cuidando da Nossa Gente