Category Archives: Saúde

Deputado Ricardinho se mobiliza em Brasília e pode garantir Corpo de Bombeiros pra Codó

Dep. Ricardinho (PMDB)

A assessoria do deputado federal, Ricardinho Archer (PMDB), fez contato no final da tarde de ontem, 11, com a redação do blogdoacelio para informar de seus intentos quanto ao problema da falta de corpo de bombeiros em Codó.

Segundo a assessoria, Ricardinho fez ontem (11) um importante contato com pessoas ligadas ao alto escalão do Corpo de Bombeiros do Brasil demonstrando toda a dificuldade que os codoenses enfrentam dado à a falta de uma unidade aqui instalada.

Ricardinho tomou por base para sua empreitada o recente desastre envolvendo a loja Sônia Varieades, na rua Afonso Pena, centro comercial da cidade. Como resposta teria ouvido que em 30 dias Codó pode ter, oficializada, sua unidade do Corpo de Bombeiros.

Agora vai tratar do encaminhamento da documentação exigida, o que inclui a participação, ativa, da Prefeitura.

O blog continua aguardando mais informações a respeito e pode publicá-las a qualquer momento. Aguarde

Deficientes auditivos recebem aparelhos de R$ 5.000 gratuitamente em Codó

A Secretaria Municipal de Saúde de Codó, por meio do NASF – Núcleo de Apoio à Saúde da Família – em parceria com a APAE de Caxias já realizou a primeira etapa de um programa que distribui aparelhos auditivos para pessoas carentes.

Em entrevista ao blogdoacelio, o secretário, Cláudio Paz, explicou a dinâmica do programa. Disse que a equipe do NASF, neste caso comandada pela fonoaudióloga (a equipe é composta de diversos profissionais de saúde), faz uma triagem dos candidatos a receberem os aparelhos e depois eles são levadas para o município de Caxias.

“Nós fazemos a seleção dos pacientes, crianças, adultos e idosos e a necessidade de utilização de aparelhos auditivos. Essas pessoas são examinadas pela nossa fonoaudióloga, Dra. Julia do NASF, é feita esta triagem, elas são encaminhadas, a gente leva esses pacientes numa VAN aqui da Prefeitura com os acompanhantes”, explicou

VALOR

Em Caxias, novos exames são realizados, desta vez por um otorrino. Quando a necessidade é comprovada por ele, o aparelho é entregue sem qualquer custo para o paciente. Sete pessoas já foram beneficiadas e mais 7 já estão garantidas.

“O aparelho é entregue totalmente gratuito, cada aparelho desse custa R$ 5.000,00. Entregamos agora para 7 pessoas e tem mais sete pessoas para ser entregues”, afirmou

O médico e secretário falou sobre o problema da surdez entre crianças e idosos codoenses.

“O paciente que não consegue escutar, fica isolado. Se for criança ele não consegue estudar, não consegue falar e o idoso vai ficando isolado dentro de sua casa, não participa das conversas do dia-a-dia, não pode participar da igreja, dos cultos e vai ficando isolado, aí vem depressão, vem outros fatores de risco”, frisou

ENSINAR A FALAR

Entre as sete pessoas que já receberam, duas não desenvolveram a fala porque sempre foram deficientes auditivas. Agora o NASF vai ensiná-las a falar. É a chamada segunda etapa do trabalho.

“Nós vamos fazer um trabalho agora com nossa equipe do NASF sobre como ensinar essas pessoas a falar, essa vai ser uma segunda etapa (…) Quem nunca ouviu, como é o caso de duas pessoas que receberam aparelho, nosso trabalho agora será ensinar essas pessoas a falarem”, destacou Cláudio Paz

Antonio Joaquim continua em estado de coma induzido

Dr. Antonio Joaquim

A situação do médico Antonio Joaquim, ex-prefeito, ex-deputado federal por Codó, continua grave.

A última notícia oficial sobre seu estado de saúde data de sexta-feira, 06, quando ele fora transferido de São Luís para São Paulo onde ficará sobre os cuidados dos médicos do INCOR- Instituto do Coração – um dos melhores hospitais do Brasil no tratamento de doenças cardiovasculares, como é o Acidente Vascular Cerebral (AVC).

Dia 28 de julho, Antonio Joaquim foi encontrado por um sobrinho em sua casa no município de Codó, às 7h30 da manha, desmaiado no quarto onde passou a noite.

Na mesma manhã for levado de avião para São Luís e lá ainda sofreu mais um AVC, segundo informações de familiares. Atualmente está sendo mantido em coma induzido e os médicos estão reduzindo o grau de sedativos para poder avaliar a reação ao tratamento.

Enquanto isso, muitos codoenses estão torcendo por sua, mais rápida, recuperação.

Hemonúcleo de Codó agora faz coleta de sangue de segunda à quinta-feira

Antes a coleta de sangue acontecia, no máximo, três vezes no ano, em campanhas realizadas pelo Hemomar de São Luís. Agora é permanente.

De segunda à quinta-feira, das 7h30 às 11h da manhã, explica a coordenadora do Hemonúcleo de Codó, Sidineide Duailibe, quem preencher as exigências básicas de saúde para doar pode comparecer e ajudar a melhorar o estoque de sangue.

As pessoas que podem doar são pessoas bem de saúde, pesar acima de 50 quilos, não ingerir comidas gordurosas antes da doação, vir alimentado, tomar um café reforçado, apresentar um documento com foto”, explicou a assistente social coordenadora

ESTRUTURA

O hemonúcleo, além do equipamento necessário para fazer a coleta, que não existia desde 2006, também ganhou um carro do Governo do Estado para garantir o transporte do sangue coletado de Codó para Caxias onde ele é examinado e preparado para a doação.

“Pronto pra ser doado para o paciente, volta pra Codó e é distribuído para outras cidades, para os pacientes que necessitam no caso Timbiras, Coroatá e a região de todos esses lugares”, explicou a médica do Hemonúcleo Nadig Corrêa

COLABORE

Só na primeira semana, 72 pessoas apareceram para doar sangue em Codó, entre elas o jovem Francisco Borba que veio fez sua primeira doação.

‘é muito importante porque além de limpar o sangue ajuda muito as pessoas que estão precisando (…) se eu tiver disposto assim, sim voltarei mais vezes”, afirmou

Agentes Comunitários de Saúde vão entrar na Justiça contra governo Cuidando de Nossa Gente

Os agentes comunitários de saúde se reuniram na última sexta-feira, 22, para iniciar mais uma luta contra o município fazendo cobranças de alguns direitos, que segundo eles, não estão sendo concedidos à categoria.

Afirmam que o governo deixou de pagar o adicional de insalubridade em fevereiro, que equivale à R$ 71,00, e que também estão enfrentando problemas com o 13º salário.

O novo presidente do Sindicato Regional, Raimundo Cunha Ribeiro, explicou que o governo federal envia 13 parcelas para pagamento dos agentes, uma delas é tida como abono. A Prefeitura estaria repassando este abono federal como se fosse o décimo terceiro e, assim, fugindo de uma de suas responsabilidades.

“O décimo faz parte dos encargos sociais do município porque foi criado o cargo público e dentro dessa criação desse cargo foi colocado todos os encargos sociais, então o décimo teria que ser pago pela Prefeitura”, explicou o presidente

NÃO FORAM OUVIDOS

Os 270 agentes afirmam que já tentaram conversar com a administração municipal e não foram recebidos, agora contrataram advogado para entrar com uma ação na Justiça cobrando tais direitos.

“Não vem ocorrendo o que eles almejam e é por isso que a categoria está se sentindo extremamente lesada e está buscando o seu direito”, afirmou o advogado Ulisses Neto que esteve na reunião

A PREFEITURA

O procurador-geral do município, Ricardo Torres, informou que, possivelmente, hoje, segunda-feira, 25, uma comissão formada por ele, o prefeito Zito Rolim e o secretário de saúde, Cláudio Paz, analisará o pedido dos agentes.

Perguntado sobre a insalubridade, disse apenas que pode estar havendo, por parte dos agentes, um erro de interpretação da forma de pagamento.

Sobre o 13° argumentou que o município repassa as 13 parcelas do governo federal (que os ACS chamam de salários) anualmente, ou seja, existe o décimo terceiro vencimento pago rigorosamente. Disse ainda que a Prefeitura não tem condição de arcar com esta despesa no final do ano, como quer categoria.

Combate à hanseníase continua firme, mas Codó já registra 59 novos casos em 2012

A coordenação de combate à Hanseníase foi chamada, recentemente, à delegacia de Codó por conta de um caso que surgiu entre os presos.

A enfermeira, Mônica Nascimento, explicou que o homem já está em tratamento há mais de 15 dias, o que impede a transmissão, mas o esforço da equipe de saúde continua na intenção de encontrar outros casos.

“O tratamento é de 12 meses, todo mês eles têm que vir fazer a consulta, tomar a medicação supervisionada e fazer o acompanhamento (…) é isso a ação social é voltada pra isso, pra poder fazer uma prevenção, né, pra poder detectar outros casos” explicou Mônica

ANTIGA LUTA

Não é de hoje que Codó enfrenta a Hanseníase, ela está entre seus maiores desafios na área de saúde, tanto que o município é um dos 22 maranhenses que estão na lista daqueles que devem, prioritariamente, combater esta doença que continua dando muito trabalho.

Só este ano já são 59 novos casos. É um número menor que em igual período do ano passado, revelou a coordenadora de combate à doença, Delcina Filgueira, mas existe uma preocupação neste fato.

Uma redução de casos sim, mas o que preocupa a gente é que a gente tem certeza que se a gente procurar a gente encontra então vai um alerta pra população, pra todos os profissionais e saúde, à todas as pessoas”, afirmou

BUSCA ATIVA

Para encontrar os novos, a coordenação continua indo atrás por meio dos agentes comunitários de saúde e do serviço de informação com palestras educativas nos bairros.

Delcina Filgueira entende que quanto mais pessoas informadas sobre a hanseníase, mais aliados o município terá para combate-la.

“Qualquer mancha no corpo esbranquiçada, avermelhada ou com dormência, procure um posto de saúde. Toda unidade de saúde tem o tratamento da hanseníase aqui no nosso município, tanto na zona urbana, quanto na zona rural”, concluiu

NA CATINGA: Cachorro vítima de calazar apodreceu em prédio do estado e município se nega a tirar

Prédio abandonado

Os moradores do entorno da antiga delegacia (2º DP), no final da Av. Dr. José Anselmo, Bairro São Benedito, próximo à Câmara Municipal, estão indignados com o serviço de saúde municipal.

Um cachorro, possivelmente vítima de Calazar, morreu dentro do prédio, apodreceu e o odor está insuportável na área. Muita gente nas residências está impedida até de se alimentar por conta do mal cheiro. O cão morto pertencia à um idoso que morava no local mesmo quando lá funcionava a delegacia de polícia.

As pessoas denunciaram ao blog que já ligaram para a vigilância sanitária e para outros órgãos da secretaria de saúde do município e ouviram apenas que NADA PODEM FAZER PORQUE O PRÉDIO PERTENCE AO GOVERNO DO ESTADO.

Enquanto isso, já se passaram três dias de catinga pura. Insuportável. Como é tudo trancado, com muros altos por conta da antiga serventia da edificação nem mesmo os prejudicados estão podendo entrar para tentar retirar o animal em estado de decomposição.

Tratamento psicológico ajuda codoenses a superarem dificuldades de viver com AIDS

Os casos de Aids no município de Codó são registrados desde 1992 pelo Centro de Testagem e Aconselhamento – CTA. Hoje existem 155 codoenses vivendo com a doença sob acompanhamento de uma equipe de vários profissionais oferecida pelo programa de Combate à DST/AIDS no município.

Pelos levantamentos mais recentes, feitos pelo blogdoacelio, há um crescimento relevante, embora lento. No final de 2008, ou seja, há quatro anos, eram 122 soropositivos. De lá até agora, mais 33 pessoas contraíram o vírus HIV e entraram para a lista do CTA.

Os números atuais não foram revelados à imprensa, mas até 2008, pelo menos 10 codoenses já havia morrido em decorrência de complicações advindas da Síndrome da Imuno Deficiência Adquirida – AIDS.

O CUIDADO

O centro oferece serviço especializado de acompanhamento destes pacientes, cujas identidades são mantidas no mais absoluto sigilo por causa de um problema que a sociedade ainda não conseguiu debelar, o preconceito.

De acordo com a psicóloga, Alessandra Macêdo, ele existe fora e até dentro de casa.

“Tem dentro da família, tem fora, eu costumo falar que o que ficou muito do vírus HIV e da AIDS é o preconceito, é o tabu e as pessoas terminam lutando mais contra isso, lutando mais contra o preconceito o que dificulta, as vezes, até o tratamento”, afirmou

A equipe é formada por enfermeiros, assistentes sociais, médicos e psicólogos.

“Caso dê resultado positivo a gente faz todo um trabalho de acompanhamento e orientação. Além do trabalho do médico, além do trabalho de enfermagem, da assistência social, que nós temos aqui, tem esta orientação psicológica”, explicou Alessandra

AJUDA PSICOLÓGICA

Dentre estes um dos mais importantes serviços é o de acompanhamento psicológico. Ao saber de um resultado positivo do exame, muitos entram em desespero.

“Ao receber este exame as pessoas ficam sem saber o que fazer, então a gente termina acompanhando durante um longo tempo essas pessoas”, frisou

A partir do dia do exame, os soropositivos entram num processo de acompanhamento contínuo que os ajuda a lidar com a doença, com o preconceito e com as dificuldades que virão com o diagnóstico positivo.

Estar com a autoestima elevada faz parte do tratamento porque a doença ataca o sistema imunológico deixando-o sem defesas. Neste sentido, o trabalho e os resultados têm sido satisfatórios para ambas as partes – profissionais e, principalmente, para os pacientes que têm seus anos de vida prolongados.

“Assim que sai o resultado positivo, a gente sabe que as pessoas esboçam várias reações, tem pessoas que choram, que ficam paralisadas, tem pessoas que já começam a apresentar sintomas depressivos, crise nervosa, então a gente tem todo um manejo, todo um acolhimento pra saber como lidar, dá o resultado diante dessas pessoas e acompanhar”, explicou a psicóloga

O Centro de Testagem e Acompanhamento também faz a entrega de medicamentos aos seus pacientes. Quando necessitam fazer o teste sorológico para verificar o nível de carga viral dentro do sangue, único que não é feito em Codó, o município fornece um veículo para leva-los ao local de realização.

SAÚDE: Prefeitura vai implantar ouvidoria do SUS no município de Codó

A Prefeitura de Codó, por meio da Ouvidoria e da Secretária de Saúde, estará implantando o sistema de Ouvidoria SUS no município. Com as mudanças, a Ouvidoria terá autonomia para agir e o munícipe a garantia da melhoria dos serviços e a defesa dos seus direitos contra ações indevidas. Para isso, cada Unidade de Saúde contará com uma urna que receberá as manifestações da população. O novo processo possibilitará mais agilidade no recebimento e nas respostas aos usuários.

Ouvidor Jéferson Abreu em treinamento

Na primeira etapa de implementação, a Ouvidoria apresentou para Ministério da Saúde o projeto com o fluxo de atendimento, as principais demandas da cidade e já definiu junto com a Secretaria de Saúde, os funcionários que farão o diálogo entre órgão e a população. Agora na última etapa, Saúde e Ouvidoria estão capacitando os profissionais, reestruturando o órgão que estará atendendo no predio da Secretaria de Saúde de Codó e se adaptando ao sistema operacional do SUS.

COMO FAZER CONTATO

Para o Ouvidor Jeferson Abreu a integração das Ouvidorias dinamizará o atendimento. “Este sistema manterá interligados a Ouvidoria do SUS, nossa ouvidoria e as Unidades de Saúde. Nós receberemos a reclamação aqui e encaminharemos para o Posto de Saúde que deverá resolver o problema. Tudo isso, com o monitoramento do Governo Federal”, explica Ouvidor Jeferson Abreu. Para o Secretário de Saúde Claudio Paz, a Ouvidoria SUS garantirá a melhoria na qualidade dos serviços. “Com um representante daremos um retorno muito mais rápido que antes ao usuário”, explica.

A população pode entrar em contato com a Ouvidoria SUS através dos telefone 3661-1385, 160 Estadual e 136 em Brasilia de segunda a sexta, das 8h às 17h. Outra opção é a internet. Nesse caso, as queixas, dúvidas ou sugestões podem ser feitas com o preenchimento de um formulário eletrônico a qualquer hora no site da Prefeitura, no link da Ouvidoria Municipal (.). Ou ainda pelas caixas de coleta instaladas em todos os equipamentos públicos.

Serviços:

Os serviços não serão direcionados apenas a usuários do serviço hospitalar, mais sim a todo serviço que envolve a saúde publica do município.

Fonte: Assessoria de Imprensa da Ouvidoria

PROFISSÃO REPÓRTER: Hospitais no Maranhão têm mais funcionários do que pacientes

Do G1 MA

O Profissão Repórter dessa terça, 5 de junho, mostrou como estão os hospitais que atendem os brasileiros longe das grandes cidades do país.

O repórter Victor Ferreira visitou nove cidades no interior do Maranhão, Estado que vai inaugurar, até o final deste ano, eleitoral 65 hospitais. E descobriu hospitais novos e muito bem equipados que foram construídos em cidades muito pequenas e, por isso, estão sem pacientes.

Em Jatobá, cidade de 8 mil habitantes, no dia da visita do repórter havia 30 funcionários para cuidar de dois pacientes. Salas de cirurgia e quartos muito bem equipados ficam completamente vazios.

(REPORTAGEM COMPLETA AQUI)