ALERTA – Codó registrou 34 casos suspeitos de Calazar em humanos e a morte de 1 criança vítima da doença

Depois que um  cachorro é infectado pelo mosquito-palha, que transmite a doença Calazar,  demora entre 4 a 6 meses para desenvolver sintomas como emagrecimento rápido, feridas e sangramentos, crescimento das unhas, problema nos olhos, queda do pelo. Animais assim não são tão difíceis de serem vistos em Codó.

 “Rapaz, é orelha ferida, tipo uma coceira, soltando pelo, viu, então o gestor tem que tá conosco e, realmente,  eliminar”, disse-nos o mecânico Fernando Jesus da Silva, em área próxima ao Mercado Central

Como não sabem de que doença está acometido o cão que perambula livremente, os moradores pensam logo no pior – Calazar que pode ser transmitido para seres humanos.

“Fico com medo porque se for o Calazar e aí o mosquito pega morde o cachorro, morde a gente, aí vai adoecer, aí fica difícil pra se tratar imagine eu que já sou doente mesmo, né, e aí tem um problema como é que eu vou fazer?”, questionou a dona de casa Maria Zélia da Silva Moreira, no residencial Trizidela

1 MORTE, 34 NOTIFICAÇÕES

 É preciso mesmo se preocupar. Dados da Secretaria de Saúde mostram que este ano Codó já notificou 34 casos de Calazar em humanos. 4 ainda estão aguardando resultado, 12 foram descartados, mas 18 casos voltaram do laboratório com diagnóstico positivo. A doença é grave e pode levar à morte, tanto que este ano uma criança morreu vítima da doença na zona rural.

Muitos estão assustados com o número de pessoas com Calazar.

 ‘To mundo tem medo da doença, além disso a saúde é precária na nossa cidade, fica difícil até de consultar de procurar um médico porque logo a gente não tem condição de comprar remédio de tudo, não tem remédio pra pobreza e daí já começa né…TEM QUE TIRAR OS Câes? Tem que tirar”, afirmou a costureira Maria da Conceição Barbosa Silva

A diretora de Vigilância Epidemiológica, Karen Cruz,  disse que o município está atento ao problema e que está, atualmente, realizando o chamado inquérito canino que visa identificar cães doentes e eliminá-los.

“A gente faz muito pela demanda, então o que chega pra gente aqui na secretaria a gente encaminha uma equipe pros respectivos locais, é feito o teste rápido e se dé positivo a gente passa pra recolher o animal”, frisou

Karen Cruz  garantiu que todos os doentes estão em tratamento disponibilizado pelo município que precisa melhorar o tempo de diagnóstico da doença para o quanto antes começar a tratar e evitar mortes. Em janeiro médicos e enfermeiros serão capacitados sobre isso.

“pra ter uma segurança maior na hora do diagnóstico porque as vezes se confundem com outras doenças, então pra gente não ter a perca de tempo de perder prazo do diagnóstico então a gente já solicitou essa capacitação para o Estado”, afirmou

3 Responses to ALERTA – Codó registrou 34 casos suspeitos de Calazar em humanos e a morte de 1 criança vítima da doença

  1. Sandra disse:

    Quero só fazer uma pergunta Acelio que vc esqueceu, reitira-se os cães e ai acaba a doença??? Não, pois quem transmite e o mosquito e sem uma prevenção para acabar o abandono evitar as crias indesejadas nada disso adianta. Apenas seria uma crueldade a mais entre tantas e que nos deixa mais sucessivos a leishmaniose, não haverá cães mas se o ser humano pra serem picados. Então e de nossa responsabilidade cuidar de nossos animais e não deixar nas ruas sujos e abandonados, se não quer cuidar não pegue. E mais existem doenças de pele parecidissima com calazar tenha cuidados pois nem sempre o animal tem essa doenca e esacrificado por estar jogado na rua.

  2. Maurício Braga disse:

    Meu amigo Acélio até que eu prestigiava seu blog mas suas notícias todas são direcionadas e monitoradas e determinadas por esse governo atual.É triste não ter livre manifestação do pensamento em seu próprio blog.Fica tranquilo que eu não encaminharei nenhum comentário no teu blog

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *