Ex-vereador João de Deus explica por que escolas com poços artesianos atrelados estão ficando sem energia elétrica

Nós publicamos aqui no blogdoacelio na quarta-feira, 12, um vídeo à nossa redação mostrando um morador do povoado Lagoinha, zona rural de Codó, denunciando que  o fornecimento de energia elétrica foi suspenso, repentinamente, atingindo,  primeiro,  a escola.

“Não tem água, não tem energia na escola, nessa escola funciona, tem aula todos os dias, tem bebedouro. A zeladora depende da água porque tem a zeladora que faz a merenda e vai depender da água, como que as crianças vão ter a merenda se não tem água”, diz ele no vídeo

E como era a  mesma rede de fornecimento o poço artesiano de Lagoinha, que dependia na energia escolar,  também parou.

 “Só que independente disso o poço artesiano daqui é ligado junto com a luz dessa escola como foi cortada a luz da escola não tá tendo água, como é que as crianças vão beber, o bebedouro tái, mas não tem água. O poço artesiano é ligado aqui”, complementa

O que também chamou a a nossa atenção no vídeo foi que o morador denuncia que a  CEMAR, por meio de seus funcionários, chegou dizendo aos lavradores que a suspensão, ou ‘o corte’ como é mais chamado, estava sendo realizado a pedido da própria prefeitura de Codó, na palavras do denunciante  ‘a mando do próprio prefeito”.

Nós fomos atrás dos responsáveis por isso dentro da administração pública para ouvirmos a versão do governo municipal.

Fomos encaminhados à João de Deus Sousa Bonfim, ex-vereador, agora responsável pelo controle do consumo de energia elétrica do município. Disse que o pedido partiu mesmo da prefeitura.

É que ele  está implantando medidas de economia e os custos da conta de energia elétrica quando escola e poço artesiano estão interligados é maior. Com o que chamou de desmembramento, a prefeitura pagará R$ 0,13 centavos a menos por QuiloWatts/Hora.

 “Então quando tem um poço ligado à uma escola, há pedido de desmembramento do poço da escola,  porque a energia da escola custa R$ 0,13 mais cara do que a energia do poço, então desmembrando, é o que nós queremos, então nós vamos pagar pra CEMAR R$ 0,13 mais barato do que nós vamos pagar a energia da escola”, explicou

O fornecimento desmembrado, segundo ele, voltou na manhã seguinte no caso de Lagoinha, às 6h de ontem, quinta-feira, 13/06, mas, a nosso ver,  a suspensão repentina deverá ainda atingir muita gente da zona rural onde existem 108 escolas.

A coordenação de controle de consumo iniciará na próxima semana um levantamento de povoado em povoado pra saber em quais deles existe a conta conjunta escola/poço artesiano. João de Deus garantiu que a comunidade não sairá no prejuízo, nem assumirá pagamentos.

 “Não haverá mudança nenhuma para o consumidor, a energia continuará sendo paga, das duas unidades, tanto escola, quanto poço pelo município”, garantiu o coordenador de controle de consumo

4 Responses to Ex-vereador João de Deus explica por que escolas com poços artesianos atrelados estão ficando sem energia elétrica

  1. Joana disse:

    Esse João de Deus ai não sabe é de nada, ………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………

  2. ABIMAEL disse:

    OBSERVANDO ATENTAMENTE O VÍDEO DO SENHOR JOÃO DE DEUS, OBSERVEI QUE:……………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………
    NA OPORTUNIDADE QUERO PARABENIZAR O PREFEITO DE CODÓ PELA INAUGURAÇÃO DAS ESCOLAS CUJOS REPORTERES FAZEM QUESTÃO DE ENFATIZAR QUE FOI OBRA DO ESTADO.
    SAIBAM ELES QUE MUNICÍPIO ALGUM TEM CONDIÇÕES DE FAZER OBRAS DESTE PORTE E QUE SE ESTÃO AÍ É PORQUE ELE CORREU ATRÁS.
    PARABENS E MAIS UMA DECEPÇÃO PARA OS GRUPÕES.

  3. abimael disse:

    O blogueiro está deixando de publicar uma série de mensagens que são PIRA VERDADE.
    Não estou mentindo em nenhuma das minhas mensagens, só pura verdade. Fa-me crer que seu blogue só atende àqueles supostamente aos que prestam a sua contribuição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *