VEJA O VÍDEO: Denunciar político inocente agora dá de 2 a 8 anos de cadeia

Desde 4 de junho de 2019 dar causa a uma simples abertura de investigação policial, à um processo na Justiça, à uma investigação administrativa, à um Inquérito Civil (do Ministério Público) ou à uma Ação de Improbidade Administrativa, contra um político que, ao final,  for considerado inocente, você, que fez a denúncia, pode pegar de 2 a 8 anos de cadeia.

Tem aumento de pena para o denunciante que  usar de anonimato para realizar  a denúncia falsa apenas com o intuito de denegrir a imagem do político.

Esta inovação chega por meio da lei 13.834/2019 que alterou o Código Eleitoral este mês e já está em vigor. VEJA O VÍDEO COM OUTROS DETALHES.

Novo secretário destaca quais serão suas prioridades diante da Secretaria de Educação

Nós fizemos contato com o novo secretário de Educação do Município de Codó, Ricardo Araújo Torres. Ele deve assumir, interinamente, a pasta a partir da próxima semana, vai depender do tempo que Paulo Buzar precisar para findar algumas pendências de ordem pessoal para que sua saída não prejudique o andamento da própria secretaria.

Prefeito Nagib e vereadores aliados

Quisemos saber quais as prioridades de Ricardo Torres ao assumir a maior secretaria do governo de Francisco Nagib, ele assim nos respondeu:


A causa da Educação é uma das mais justas que podemos abraçar na vida. Deve ser uma Causa Comum de toda a sociedade.

Por isso, a prioridade é continuar lutando pela qualidade no ensino, assim como o professor Paulo Buzar vem fazendo, propiciando as melhores condições possíveis para que professores, supervisores, gestores escolares e demais servidores da Educação possam trabalhar sempre com tranquilidade e afinco em favor dos nossos mais de 27 mil alunos e suas famílias, na Cidade e no Campo.

Tudo para que o Governo Nagib também dê sua parcela de contribuição para que a Educação de Codó seja institucionalmente cada vez mais forte.

Espero que os alunos estudem porque a Educação vale a pena e dá futuro.

Por isso, continuaremos batalhando para trazer três novas faculdades para Codó até o final da gestão, gerando mais empregos e facilidade de acesso ao ensino superior inclusive.

É prioridade do governo Nagib também transformar a Antiga Fábrica em uma bela escola, criando mais vagas e, ao mesmo tempo, restaurando esse importante patrimônio histórico que temos no coração de Codó e dos codoenses.

Deus nos conceda a sabedoria e a força necessárias para persistirmos todos em busca desses e de tantos outros resultados relevantes para nossa Cidade.

ALARMANTE: 433 codoenses já foram resgatados trabalhando como escravos nos últimos anos

Linalva Cunha, da Rede de Ações Integradas de Combate ao Trabalho Escravo, com atuação em Codó e Timbiras, concedeu-nos entrevista ontem, 5, por ocasião da realização da caminhada dos alunos de 5 escolas estaduais.

Nos revelou dados assustadores, por exemplo de 2013 até agora 433 codoenses foram encontradas em situação de escravidão, principalmente em lavouras do Sul e do Sudeste do País. Confira a entrevista.

Governo do Estado e município de Codó dialogam para implantar Plano Juventude Viva

Com o objetivo de promover educação e sensibilização de agentes institucionais e atores sociais no estado Maranhão, a Secretaria de Estado Extraordinária da Juventude (Seejuv) articulou com o município de Codó, na manhã de quarta-feira (5), a estruturação de um comitê gestor municipal.

Todo esse processo faz parte do Plano Juventude Viva, onde seu propósito é a construção do Plano Estadual de Enfrentamento a Mortalidade da Juventude Negra, o qual reunirá ações de prevenções para reduzir a vulnerabilidade de jovens negros a situação de violência física e simbólica, a partir da criação de oportunidade de inclusão social e autonomia para os jovens entre 15 e 29 anos.

O secretário de Estado da Juventude André Vitral enfatiza a mobilização de políticas públicas para a juventude e em especial a juventude negra, para que a situação de vulnerabilidade em relação a essa juventude venha diminuir consideravelmente no município de Codó.

Em relação ao índice de vulnerabilidade juvenil à violência, o município encontra-se no 124° da Posição do Ranking Nacional. O prefeito Francisco Nagib destaca o empenho junto ao Governo do Estado para resgatar essa juventude na busca de um futuro melhor.

UEMA realizará Mostra de Profissões nesta sexta-feira em Codó

A Mostra de Profissões será realizada no dia 07/06/2019 no CESCD/UEMA, com  o objetivo de promover um espaço em que todos possam tirar suas dúvidas em relação à escolha da profissão, conhecer as expectativas de mercado de trabalho, momento em que alunos do Ensino Médio têm a oportunidade de conhecer os Projetos de Pesquisa e Extensão, bolsa permanência, auxílios e outros programas de assistência estudantil.  

Na perspectiva de orientar sobre a melhor opção para escolha profissional.

Governador veta projeto de César Pires que pretendia dar mais segurança a motociclistas

O deputado César Pires (PV) criticou a falta de coerência do plenário da Assembleia Legislativa, que aprovou por unanimidade o projeto de lei 296/2017, de sua autoria, mas manteve o veto do Executivo à matéria, que dispõe sobre a obrigatoriedade das empresas que utilizam ou prestam o serviço de entrega de motocicletas, motonetas, ciclomotores, fornecer os equipamentos de segurança exigidos para o uso desse tipo de transporte. A proposta tinha o objetivo de tornar mais seguro o trabalho desses profissionais no trânsito do Maranhão.

Como coordenador da Frente Parlamentar em Defesa da Vida no Trânsito, César Pires apresentou o projeto visando a redução do número alarmante de mortes de motociclistas no trânsito do Maranhão. “Grande parte dos hospitais, e sobretudo as UTIs, vivem lotados de pacientes ortopédicos, vítimas de acidentes com motos. Pessoas que trafegam sem os equipamentos exigidos por lei, como os protetores de tornozelo e nem de joelho. Nossa iniciativa visa garantir o cumprimento de uma lei federal”, enfatizou ele.

O deputado citou como exemplo a Cemar, única empresa em atuação no Maranhão que garante aos seus funcionários que usam motocicletas e similares todos os equipamentos de segurança previstos em lei federal. Ele enfatizou que essa é uma grave questão de segurança no trânsito e de saúde pública, que merece a atenção tanto do Legislativo, quanto do Executivo e da sociedade civil em geral.

“O governo vetou nosso projeto somente por ser uma iniciativa de um deputado de oposição, sem levar em consideração o benefício social, as consequências para o sistema de saúde, pois os Socorrões estão lotados de pacientes vítimas de acidentes com motos. E o plenário da Assembleia, sem nenhuma justificativa, desaprovou um projeto que havia aprovado por unanimidade. Não há inconstitucionalidade e nem gera custos para o governo. Não há um entendimento jurídico ou decisão judicial em contrário. É simplesmente um desestímulo para quem busca solução para os problemas da população”, finalizou César Pires.

URGENTE: Prefeito de Codó e vereadores decidem quem será o novo secretário de Educação

Em reunião envolvendo o prefeito Francisco Nagib, vereadores aliados do governo e professoras, realizada  agora pela manhã no Salão Nobre da Prefeitura de Codó, foi escolhido o nome do substituto de Paulo Buzar que pediu exoneração do cargo ontem, 5, à tarde.

Prefeito Nagib e vereadores aliados

A secretaria de Educação, a mais rica da prefeitura, será comandada a partir de agora pelo vice-prefeito Ricardo Araújo Torres.

De acordo com o prefeito Francisco Nagib o comando ainda será feito de maneira interina até a decisão final, mas existe a possibilidade de Ricardo Torres, se assim quiser, ficar até o final do mandado como secretário de Educação.

VÍDEO – Escolas da rede estadual foram às ruas de Codó contra o trabalho escravo

Estudantes das 5 escolas da rede pública estadual saíram na manhã desta quinta-feria, 6,  pelas ruas de Codó chamando a atenção da sociedade sobre um problema que atinge muita gente por aqui – o trabalho em condições semelhantes à escravidão.

A discussão que foi levada para as escolas tem fundamento. De 2013 até agora,  433 codoenses foram resgatados de fazendas em situação análoga à escravidão.

Nas palestras realizadas em cada colégio sobre este tema, antes, claro, desta caminhada,  destacou-se a modernidade que escraviza, como frisou o gestor do Complexo René Bayma, professor Ribamar Melo.


 “O objetivo, como eu disse, é combater a escravidão moderna a questão dos subempregos, dos imigrantes que saem da nossa cidade deixando suas famílias pra trabalhar nos grandes centros do país em situações análogas a escravidão”

Os números de nosso município são impulsionados pela migração semanal dos codoenses para trabalhos em lavouras, principalmente, no Sul e no Sudeste do país.

Envolver os estudantes nesta discussão também previne, lembrou Linalva Cunha, que é da Rede de Ações Integradas de Combate à Escravidão, que eles, futuros trabalhadores, sejam novas vítimas.

 “Eles precisam também se inteirar dessa temática e ajudar também nesse processo de dizer não à esse crime de também fazer o processo de difusão dessa temática nas famílias, na comunidade, no município, então, assim, trazer esta pauta pra dentro da rede pública estadual é extremamente estratégico porque vai para além, por exemplo, da Rede de Ação Integrada de Combate a Escravidão, a difusão é maior”, enfatizou ela que também é da Comissão Pastoral da Terra

MEIO AMBIENTE: Promotora de Justiça Linda Luz fala sobre a criação do viveiro de plantas de Codó

A promotora de Justiça, Linda Luz Matos Carvalho, hoje respondendo pela Promotoria de Defesa do Meio Ambiente em Codó, concedeu entrevista ao blogdoacelio falando sobre a criação do viveiro de plantas inaugurado ontem, 5, junto com o prédio novo da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, dentro do Parque Walter Zaidan.

Povos de religiões de matriz africana discutem respeito e direitos em encontro estadual realizado em Codó

Umbandistas, praticantes do Candomblé, terecozeiros. Todos reclamam de discriminação e Paulo de Aruanda, vindo de São Luís, com quem conversamos, ele representante da Rede Nacional de Religiões Afrobrasileiras e Saúde/MA, disse que há razão para isso em todo o Estado.

 “Nós somos discriminados nas redes públicas de escolas, nós somos discriminados no sistema de saúde, nós somos discriminados na questão da mobilidade urbana, então nós enfrentamos a discriminação no dia-a-dia (…) então a discriminação está no jeito, na forma de como nós somos tradados ainda hoje”, detalhou

Como se preparar para encarar este cotidiano é um dos principais objetivos de um encontro realizado ontem na sede da Associação Comercial de Codó por meio da parceria entre a  Rede Nacional de Religiões Afrobrasileira e Saúde, Fórum Mulheres de Axé e Defensoria Pública do Estado do  Maranhão.

A coordenadora do Fórum Mulheres de Axé, Mãe Nonata da Oxum,  explicou que o primeiro encontro de capacitação foi realizado em São Luís e Codó está sendo o primeiro município do interior do Estado a recebe-lo.

Disse que a parceira DPE (Defensoria Pública do Estado) já os está ajudando.

 “A Defensoria já está nos ajudando criando um protocolo. Tão fazendo um protocolo que vai nos guiar, nos encaminhar nas secretarias de Educação, de Saúde, do Meio Ambiente e Segurança Pública que é muito importante e outras secretarias parceiras”

A Defensoria Pública está, além de falando dos direitos de quem pratica religiões de matriz africana, ouvindo as demandas locais, como nos explicou o defensor Jean Carlos Pereira.

 “Nós estamos atuando em várias frentes, a ideia é que no ambiente da escola, por exemplo, existam normas que assegurem a pessoa praticante de religião dem matriz africana o respeito à sua condição, o respeito à sua crença, a sua vestimenta, a forma como deve se portar, o respeito aos seus cultos, que ocorre para outras religiões, também para religiões de matriz africana”

A ideia é fortalecer a luta por mais respeito.

 “é o que eu digo, a gente mata um leão todos os dias, mas aquele que é de religiosidade que foram tragos por nossos ancestrais, luta pelo que quer e luta todos os dias porque a nossa vida é uma luta e jamais podemos baixar a cabeça”, frisou o codoense Pedro de Oxum, pai de santo.

Depois de Codó, Bacabal e Pinheiro também receberão este mesmo encontro.

 “Nós esperamos que as pessoas tenham mais consciência, que a nossa religião é uma religião de matriz africana, Nós viemos também pra mostrar nossa cultura e nós queremos também respeito, não ser intolerado. Então, espero que isso fique na consciência de cada cidade que formos passando”, concluiu Stênio Roberto de Sousa, de São Luís, também presente no evento.