SÓ AS MELHORES – Neste sábado tem REGGAE DANCE no ZK ESPAÇO ROOTS

Neste sábado, 2 de junho, o ZK ESPAÇO ROOTS apresenta a festa REGGAE DANCE – Roots Reggae Music. Venha curtir uma festa especial.

Estarão rolando as pedras GREGORY JUNIOR (DJ residente), DJ VANDERLEY da radiola JAH LIVE e Zeca Bala com o melhor do Roots Reggae Music.

Prepare-se, é neste sábado 2 de junho no ZK ESPAÇO ROOTS – A casa da recordação.

Supermercados de Codó e população sofrem com falta de frutas e verduras

A situação nas feiras livres de Codó não mudou ainda porque frutas verduras e legumes dependem dos caminhões que vem da Bahia e do Ceará.  As bancas continuam com poucos produtos ou nenhum para vender e os supermercados também já deixaram de ser uma opção.

Em todos os supermercados que nós visitamos a situação é a mesma, desabastecimento total no setor de frutas e verduras.

Grandes e pequenos estão com o setor desabastecido. Num dos maiores da cidade, o Santa Maria, só encontramos , ontem, pela manhã, limão já sendo dispensando pelos consumidores  por causa da qualidade e um resto de pepinos.

A pequena quantidade de ameixas já nem despertava o interesse das pessoas. Seu José Ferreira da Silva ficou preocupado com o que viu.

 “É ruim porque falta, por falta tudo e aí fica difícil pra gente…QUERIA LEVAR O QUÊ? Era tomate, cebola, o alho eu to encontrando o restante não, não tem tomate, não tem cebola (…) preocupa todos nós porque faltou a comestia falta tudo”, carpinteiro

NECESSIDADE MAIOR

Para alguns codoenses esta situação é pior ainda. É o caso de seu Onofre do Nascimento que em razão de doenças e recomendação médica tem uma dieta a base de frutas e verduras, produtos que não está mais encontrando na cidade.

“Eu me destreinou, fiquei preocupado porque não como arroz, só como duas colheres de arroz, tem problema de diabetes, pressão alta, coração…PRECISA DE VERDURAS? É verdura, todo dia só como verdura (…) ficou ruim, ruim, ruim, ruim, como é que nós vamos viver agora”, disse com pesar

PREJUÍZO AOS EMPRESÁRIOS

Ruim também para quem depende da venda para manter as despesas com fornecedores e funcionários.

O auxiliar de administração, Joanan Silva,  mostrou-se preocupado com os prejuízos que este setor está ajudando a aumentar já há duas semanas.

“É um setor que também afeta outros setores como, por exemplo, o frigorífico, tem alguns clientes que deixam de levar a verdura, deixa de levar a carne por não ter a verdura, alegando como que vai temperar a carne, né?…TUDO ISSO GERA PREJUÍZO? Gera prejuízo bastante…ALGUMA PREVISÃO? Não, previsão nenhuma”, respondeu

MEDICAMENTOS E ALIMENTAÇÃO – Saiba como o HGM está passando pela greve dos caminhoneiros

A direção do Hospital Geral Municipal permitiu que filmássemos ontem, 30, o estoque de medicação para mostrar que a greve dos caminhoneiros não causou problemas até agora à esta parte do hospital.

Estoque de medicamentos HGM em 30/06/2018

A diretora Ester Moura, que nos acompanhou,  garantiu que nenhuma cirurgia foi adiada por falta de medicamentos. Citou dificuldades apenas na chegada de material para o setor de ortopedia e revelou que os fornecedores tem conseguido vencer os bloqueios utilizando ônibus.

 “Essas caixas elas são usadas, os parafusos nos pacientes e é reposto semanalmente com a produção, a gente informa a produção e eles estão conseguindo despachar em ÔNIBUS, então a gente não conseguiu ter esse impacto de falta, as vezes a demora de uma cirurgia é a recuperação mesmo de pele de um paciente, recuperação pra cirurgia”, explicou

E OS ALIMENTOS?

Mas um problema que está na feira livre e nos supermercados de Codó também já virou preocupação dentro do único hospital do município.

A preocupação do Hospital Geral Municipal de Codó  hoje é com o fornecimento de frutas, verduras, legumes e, principalmente, hortaliças. Existe uma necessidade grande e diária dentro do hospital e os efeitos desta crise já podem ser sentidos na cozinha.

O fornecimento também depende do transporte de caminhoneiros e já é notório que a quantidade diminuiu, principalmente, porque são produtos perecíveis. O estoque, que não dura muito tempo, está precisando de uma reposição que não acompanha mais a mesma rapidez.

“Ficou bastante reduzido e a gente tá vendo essa programação questão de ovos, então assim produtos que são muito usados no dia a dia frutas, porque tem os pacientes que tem a questão da dieta, a alimentação dos próprios funcionários então as nutricionistas estão fazendo, realmente, um jogo pra conseguir pra tá atingindo e não prejudicar a alimentação tanto do paciente nem de funcionários, estamos tendo agora tendo que fazer uma adequação no cardápio”, disse-nos Ester

COMO ESTÁ FAZENDO?

Por enquanto, afirmou a nutricionista, Efraina Melo,  as seis refeições diárias estão mantidas, mas a quantidade já não é  mais a mesma para as 150 pessoas, no mínimo (porque entram 3 guardas municipais, pacientes do CAPS e o pessoal do SAMU), que precisam do alimento que sai da cozinha do HGM.

 “Porque a nossa salada ela é bem variada, nós temos frutas, temos folhagem, então como tá tendo essa diminuição na alimentação por causa das entregas, né, aí a gente diminui a salada, não coloca mais as frutas, mas estamos nos adequando e graças a Deus, tá dando certo”, explicou a nutricionista.

CHEGOU VERDURAS

Uma das fotos enviadas por Ester após a reportagem

Depois de estarmos realizando esta reportagem no HGM, Ester Moura nos enviou duas fotografias informando que havia naquele momento, no final da manhã de ontem, 30, recebido verduras e frutas.

CHRISTIANO CARDOSO – Engenharia Elétrica

Precisando de LAUDOS TÉCNICOS, PROJETOS ELÉTRICOS OU DE CONSULTORIA EM GERAL procure um profissional qualificado, CHRISTIANO CARDOSO – Engenheiro elétrico.

GREVE TERMINANDO NO MARANHÃO – Veja onde ainda estão os 3 últimos bloqueios de caminhoneiros

PRF registra apenas 03  pontos de mobilização de caminhoneiros nas BRs do Maranhão na tarde desta quarta-feira (30)

Uma equipe formada por PRFs de diversas partes do estado conseguiu o desbloqueio de vários pontos na região tocantina.

Atualização às 16h00 desta quarta-feira (30)

Os 03 pontos existentes são:

✔ Estreito – BR 010, km 131

✔ Grajaú  – BR 226, km 413

✔ Caxias – BR 316, km 534

Fonte: PRF

Sexta-feira começa a campanha JUNHO VERMELHO

Na próxima sexta-feira, dia 1º de junho, o Movimento Eu Dou Sangue inicia as ações de sua campanha Junho Vermelho em todo Brasil, com o objetivo de conscientizar a população sobre a importância da doação sangue. A ação é fundamental para os bancos de sangue, que, além de já enfrentarem a baixa adesão de doadores nesta época do ano, estão com seus estoques comprometidos por conta da greve dos caminhoneiros.

Justamente por conta desses fatores, a causa ganhou força. “O Junho Vermelho surgiu para alertar os brasileiros de que sangue não se compra, não se fabrica e que qualquer pessoa a qualquer momento pode precisar dele”, ressalta Diana Berezin, uma das duas criadoras do Movimento.

O Junho Vermelho é o único mês colorido que traz a mensagem de cuidar do outro. “Quem doa sangue tem o foco na necessidade de outra pessoa e o único benefício é o prazer indiscutível de ajudar e fazer o bem”. explica Debi Aronis, também criadora do Movimento. “Dar sangue é dar de si, é dar do seu tempo, é se importar com mais alguém, é o mínimo para quem dá e é o máximo para quem recebe. É cidadania na veia!”.

Com o propósito de conscientizar a população e estimular a doação de sangue durante o inverno, diversos pontos do Brasil serão iluminados de vermelho. Em São Paulo, por exemplo, diversos locais já aderiram, como a Fonte Elo do Parque do Ibirapuera, a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, Câmara Municipal de São Paulo e o Banco Daycoval.

Sobre o Junho Vermelho

A campanha Junho Vermelho que já foi alçada à categoria de lei em vários estados e cidades do Brasil, busca chamar a atenção para a importância da doação regular de sangue.

A ideia surgiu em 2011, quando as irmãs Debi Aronis e Diana Berezin lançaram o Movimento Eu Dou Sangue no estado de São Paulo, motivadas por um episódio familiar. No ano passado, a iniciativa foi promovida a Lei Estadual em São Paulo.

O sucesso da iniciativa é comprovado pelos números registrados durante os outros anos. Em 2017, o Movimento Eu Dou Sangue calculou, extraoficialmente, que houve aumento de 25% das doações no mês de junho, em relação a 2016.

Atendimento à imprensa – Ricardo Viveiros & Associados Oficina de Comunicação

SEMA participa de campanha de conscientização na Reserva Canaã

A Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Naturais (SEMA), participou, no dia 26 de maio, da campanha de conscientização na Reserva Canaã. O objetivo da ação foi orientar a comunidade local sobre o descarte correto dos resíduos sólidos.

A reserva, localizada às margens da Avenida Santos Dumont, possui 2.500 metros quadrados de extensão e um rio com cinco nascentes, entre eles o rio Jaguarema, afluente do Rio Anil.

“A Reserva Canaã é um importante refúgio natural que precisa ser preservado e pensando nisso estamos montando um calendário de ações em conjunto com a comunidade para que a educação ambiental possa ser desenvolvida continuamente dentro do local”, explicou a superintendente de Educação Ambiental da SEMA, Conceição Marques.

Para a representante da comunidade Edna Moreno, as ações de educação ambiental realizadas na reserva são essenciais para despertar na comunidade o cuidado que se deve ter com a natureza. “Nós temos uma reserva belíssima dentro do nosso bairro que infelizmente sofre com a poluição. Nesse sentido, durante a campanha convidamos todos os moradores da região para recolher seus lixos recicláveis e, assim, explicar para cada um como funciona a destinação correta do lixo”, destacou.

Durante toda a manhã, os moradores da região trouxeram resíduos como: papéis, caixas, garrafas plásticas, livros, entre outros. Todas as garrafas pets arrecadadas foram doadas para as Obras Sociais Lar de São José, onde serão utilizadas na fabricação de vassouras recicláveis.

Por  Priscila Abreu.

Ascom da SEMA

Acusado de estuprar criança de 5 anos em Aldeias Altas é preso em Codó

Foi preso em Codó, na casa em que morava há 12 anos, no bairro Codó Novo,  Márcio Brandão Campos, mais conhecido como  Mineiro.

Mineiro

A polícia o conduziu a 4ª Delegacia Regional  onde recebeu voz de prisão da delegada MARIA Tecla CUNHA porque existia contra ele um mandado em aberto desde  novembro de 2005, expedido pela justiça de Caxias.

“Violentado uma criança de 5 anos e, por conta disso foi expedido um mandado de prisão, foi cumprido e agora ele já está a disposição, inclusive,  da Justiça da Comarca de  Caxias ..ISSO ACONTECEU EM CAXIAS, ALDEIAS ALTAS…a Informação que temos é que isso teria acontecido na cidade de Aldeias Altas …REAGIU? Foi bem pacífico, se encontrava em casa, quando tomou conhecimento foi conduzido pra delegacia e aqui recebeu voz de prisão”, disse a delegada em entrevista a TV Mirante

COMO ACONTECEU

 Em maio de 2005, diz o processo judicial ao qual tivemos acesso, Mineiro foi acusado pelo Ministério Público de ter estuprado sua enteada de apenas 6 anos de idade no momento em que ela estava em um balneário da cidade de Aldeias Altas  onde morava com a mãe da garota.

Quando descoberto e questionado pela companheira disse apenas que a criança havia caído num toco e por isso sangrava. A Justiça recebeu a denúncia e a partir de então Mineiro fugiu de Caxias e só agora foi capturado.

Um documento mostra que foi por causa da fuga do chamado distrito da culpa, OU SEJA, município onde o crime foi praticado,  que a Justiça decretou a prisão preventiva.

Márcio Brandão Campos já foi levado para o presídio de Codó e agora aguarda transferência para CAXIAS onde voltará a ficar à disposição da Justiça respondendo pelo crime de estupro de vulnerável.

Veja a foto dos ganhadores do CODÓ FELIZ

VEJA A foto de todos os ganhadores da 55ª edição do CODÓ FELIZ.

Mercado Central de Codó já sofre os efeitos do desabastecimentos de frutas e verduras

O desânimo  abateu seu Gilberto Alves, em 30 anos de feira livre no chamado Mercado Central de Codó nunca tinha ficado sem o tomate e a cebola para vender.

 “Agora só Deus sabe, né, que tempo vai ter de novo….O SENHOR DENPENDE DISSO PRA SUSTENTA A FAMÍLIA? Com certeza, vai ficar um pouco difícil, né…QUANDO ESTA BANCA FICAR ZERADA MESMO, O QUE O SENHOR VAI FAZER? Vou pra casa, é o jeito, ou então fazer outra coisa, né’, responde

Feirantes estão indo embota mais cedo sem mercadoria

O QUE JÁ ACABOU?

As hortaliças também já estão sumindo das bancas porque veem de outro Estado e os transportadores já avisaram que nesta semana não virão, segundo dona Maria Helena da Silva que enumera tudo que já está deixando de vender.

“É pimentão, pepino, cheiro verde, alface, feijão verde, todo tipo de verdura, de hortaliça que vem de roça eu vendo…O PROBLEMA É QUE A PRODUÇÃO NÃO É DAQUI? É não…VEM DE ONDE? Tianguá…CEARÁ? Ceará’, disse

Por causa da falta de produtos muitas bancas estão ficando vazias mais cedo e por conta disso os feirantes também estão indo embora mais cedo e alguns já esta situação que você ver agora em algumas bancas melhore esta semana.

Seu Raimundo Nonato Ferreira fechou na metade do dia e a razão é evidente.

Mercado Central

 “Tá faltando o melão, a manga, batatinha, cenoura, o maracujá…TUDO ISSO SIGNIFICA PREJUÍZO? Prejuízo, é  prejuízo (…) amanhã eu saio mais cedo ainda porque não tem as  coisas, que é bem pouquinho…ISSO PREOCUPA O SENHOR? Rapaz preocupa demais, a gente vive é disso não vive de outra coisa’, frisou

SUBIU O PREÇO

Quem ainda tem produtos como tomate e cebola já está vendendo mais caro. Professor Gilberto Magalhães constatou a alta nos preços e não gostou.

 “O tomate tava de R$ 2,5 o quilo, agora a gente tá encontrando de R$ 5,00 e a cebola também aumentou de preço, né, de R$ 2,30 já está de R$ 3…QUER  DIZER, PRO CONSUMIDOR É MUITO RUIM? Com certeza, a oferta cai e o preço aumenta”

Sem previsão de abastecimento os consumidores seguem preocupados em Codó.

 “Rapaz é preocupante porque o pessoal não planta tudo só vem de fora e só vem caro e aí como é que vai ser isso agora? Seria bom se tivesse um lugar pra produzir na região do Codó ficava melhor pra todo mundo né”, disse o lavrador Antonio Domingos Carvalho Pereira