Prefeito Zito fala sobre a tradição do 7 de setembro

Zito no desfile

O prefeito Zito Rolim falou ao blog do Acélio sobre o primeiro dia de desfile. O tema desenvolvido por 18 escolas da rede municipal, do infantil ao sexto ano do ensino fundamental, foi o mesmo da Campanha da Fraternidade da Igreja Católica.

A preservação do meio ambiente foi o foco principal dos subtemas apresentados. Zito que assistiu à toda a apresentação em frente à prefeitura se disse satisfeito e surpreso com a criatividade das escolas.

“Nós observamos no início dessa festividade foi um sucesso, aonde a participação dessas crianças demonstrou o grau de satisfação de cada uma delas de estar participando dessa grande festa, tentando a sua criatividade, e a cada ano tem nos surpreendido. Hoje mesmo a apresentação daqueles cavalos reciclados de Peti enfim são muitas coisas que a cada ano tem acontecido”, disse

TRADIÇÃO

Desfile 2011

Até o final de seu governo destacou que pretende manter a tradição do 7 de setembro.

“O que sempre estamos falando é que a cada ano nós estamos procurando ampliar muito mais para que esta festa não seja apenas uma festa com a participação dos alunos, das crianças, mas também de toda a sociedade codoense de todos nós patriotas que não podemos esquecer um só momento dessa festa”, afirmou

21 escolas desfilarão à partir das 7h da manhã. O palanque das autoridades já está montado em frente ao centro cultural. A concentração será no mangueirinha.

Diário Oficial publica que Prefeitura de Codó vai pagar R$ 2.631.244,57 só de material de expediente

O blog do jornalista Luís Cardoso, da capital maranhense, fez uma publicação nesta terça-feira, 6, falando dos recursos da Prefeitura de Codó usados para pagar empresas que fornecem material de expediente.

Ele fala de uma publicação do Diário Oficial do Estado do Maranhão, que realmente foi feita no dia 1º de setembro, como verificou o blogdoacelio, onde aparecem os nomes de três empresas que fornecem tais materiais. Duas delas já tiveram seus nomes revelados pela imprensa política local por terem ligações com familiares de dois vereadores.

O blogdoacelio vai preservar o nome das empresas até que consigamos ouvir seus representantes sobre assunto. Outro motivo é que não conseguir abrir o link na internet que leva à postagem do Diário do Estado.

Vamos nos ater ao valor divulgado por Luís Cardoso, segundo o próprio, baseado na publicação do Diário de 1º de setembro.

Juntas, elas vão faturar R$ 2.631.244,57, partindo da soma dos números do diário. Como a postagem só se restringe à isso, algumas perguntas ficam no ar. Coisas do tipo: O valor corresponde à quanto tempo de fornecimento, meses, 1 ano?

Quanto cabe à cada uma das empresas? Tudo isso será pago em quantas vezes?

Por enquanto só uma certeza, nisso tudo. É muita grana.

Vem aí Chaveirinho – o candidato do humor

Célio Bambolê "Chaveirinho"

“A política de Codó pode ter na eleição de 2012 o seu próprio Tiririca”. A frase é de Célio Bambolê, nosso querido Chaveirinho que está decidido em lançar-se candidato ano que vem usando uma arma pouco explorada na cidade – o humor.

Chaveirinho tem enorme facilidade de imitar personalidades locais como Biné Figueiredo, Bita do Barão de Guaré e até a ex-primeira-dama, Eliane. Valendo-se desta prerrogativa e com a autorização daqueles que serão imitados, Chaveirinho pretende fazer seus 30 segundos de fama dentro dos programas eleitorais para vereador.

Sempre com suas propostas e muito humor. Ninguém sabe qual será a reação do público, mas é, exatamente, isso que ele quer descobrir. Nós também. Boa sorte ao nosso pré-candidato do humor

Das Cinzas: JACARÉ chama Antonio Joaquim de fraco e diz que Ricardo lhe abandonou

Getúlio Zaidan "Jacaré"

O ex-vereador, Getúlio Zaidan, popular Jacaré, esteve na segunda-feira, 4, no programa Codó Agora, de Jeroan Almada, onde teceu críticas ao posicionamento do ex-prefeito Antonio Joaquim no caso Mamãe Neyde.

Taxou o ex-deputado de fraco pelo fato de estar mostrando problemas internos da maternidade. Na opinião de Jacaré, se existe um contrato, então que o proprietário se valha deste instrumento para cobrar o que não estiver de acordo, no seu final, ou seja, no entender do entrevistado não precisa estar mostrando isso na televisão como se não houvesse outra solução.

“Foi feito uma vistoria tudo estava funcionando, então você tem que receber funcionando, entre na Justiça. Se você tá falando a verdade você não tem que tá se preocupando, porque acordo é acordo, negócio feito, negócio feito”, disse

TÚNEL DO TEMPO

Jacaré lembrou o ano de 2000 quando, a pedido de Ricardo Archer (prefeito da época) largou seu partido para tentar eleger Araújo Neto. 1 ano depois teria sido ofendido por Neto que teria perguntado qual era o seu preço, na ocasião teria respondido que homem não se vende:

“Você devia ter sensibilidade porque eu sai do meu partido e 5h da tarde filiei noutro para eleger seu filho sem custar uma xícara de café, em menos de um ano seu filho tava perguntando quanto era meu preço, eu digo – tá me chamando de ladrão? Porque o homem que se vende ele é bandido, o cabra não me compra, o cabra me conquista”, afirmou

ABANDONADO POR RICARDO

O ex-vereador, também viajou no tempo e disse aos telespectadores da TV Cidade que fora abandonado por Ricardo Archer depois de ter-lhe sido fiel a custo zero. Ainda assim, para dar exemplo a Antonio Joaquim, afirmou que, por questões éticas não anda falando mal dos Archer.

“Seu Ricardo Archer foi um prefeito que eu fiz tudo pra ele de graça e ele me abandonou e eu não ando falando dele, é a ética. Política também tem que ter ética, muitos não teem, mas tudo é na sua hora e no momento certo”, garantiu

A VERDADE

Finalizando o assunto, pediu desculpas à Antonio Joaquim, dizendo que só estava falando a verdade.

“Eu queria aqui dizer ao ex-deputado Antonio Joaquim que me desculpe se eu to lhe agravando, mas eu to falando a verdade e o povo precisa saber da verdade”, concluiu

Vereadores denunciam abandono do Clube dos Motoristas e de outras áreas do São Francisco

Os vereadores João de Deus e Hidemberg Oliveira usaram a tribuna da Câmara na noite de ontem, 5, para denunciar o estado de abandono de algumas áreas e entidades que já tiveram grande valor para os codoenses.

Um dos exemplos disso, trazido a baila por João, foi o clube dos Motoristas. O prédio foi completamente depredado. As paredes foram derrubadas, todo o telhado levado por vândalos e o muro está desaparecendo aos poucos. Apoiado num reclame do taxista Carequinha, João disse ser contra o estado em que se encontra aquela área e lamentou.

“Eu sou contra que aquela área fique ali abandonada daquele jeito, agora se não for tomada providência, por parte da associação (dos motoristas), que o município retome e dê o destino correto, não deixe aquela área estar sendo usada como ela está sendo usada. É lamentável”, disse

APOIO

Na visão do parlamentar, áreas como a do clube dos Motoristas precisam de revitalização do poder público. Atualmente servem apenas para aumentar a falta de segurança. O presidente da Câmara se ofereceu para auxiliar, no que for possível, para que a entidade retome suas atividades.

“A violência vem pela falta de iluminação pública e pelos terrenos baldios, locais escondidos, construções acabadas ou abandonadas. Então eu quero fazer este apelo e eu queria Carequinha discutir, conversa amanhã com o Manoel das Graças, se ele precisar de apoio para reativar aquilo ali, o que a gente puder fazer a gente tem interesse, agora não é justo que o município deixe aquela área, daquela forma, é preciso tomar uma atitude”, assegurou

CLUBE DO NACIONAL

O vereador Hildemberg Oliveira destacou outros locais como o clube do Nacional, no parque Eldorado. Oliveira lembrou que várias outras áreas foram doadas, no bairro São Francisco, mas nenhuma delas obteve a destinação que lhe fora prometida.

O resultado disso é mais terreno baldio servindo para atividades marginais.

“Foi doada também uma área para a Pestalozzi acho que nunca fizeram também nada para a Pestalozzi, a exemplo disso tem outras áreas no bairro São Francisco que foram doadas à entidades filantrópicas que hoje estão se acabando”, afirmou

II Parada Cívico-Militar começa nesta terça em Codó

Hoje tem desfile da Semana da Pátria em Codó. A terça-feira é para escolas da Educação Infantil e Ensino Fundamental Menor, até a quarta série. (Concentração no Mangueirinha, descendo para passar em frente ao Centro de Cultura, seguindo para rua Afonso Pena até o Bradesco, depois em direção à Popular Comércio e subindo a 28 de julho para chegar a Prefeitura, onde estarão as autoridades).

Amanhã, quarta-feira, acontece a II Parada Cívico-Militar Codoense onde desfilarão alunos de 5ª à 9º ano do Ensino Fundamental, rede particular de ensino, PM, Guarda Municipal, agentes de trânsito e programas sociais do governo como PETI, Conviver e Projovem. De acordo com o secretário, Augusto Serra, até algumas empresas estão se preparando para participar do desfile.

Sobre o por que da divisão, Augusto explicou no Jornal dos Cocais (TV Codó).

“Na verdade estão previstos em torno de 12 a 15 mil alunos, isso para desfilar todo mundo precisaríamos de todo um dia para dar conta de uma demanda dessa e aí tem a questão de ter muita criança envolvida e, em algum momento, idosos também”, explicou o secretário de Cultura e Igualdade Racial.

OAB pede fim de doação de empresas a candidatos políticos

O Conselho Federal da OAB ajuizou uma ação no STF (Supremo Tribunal Federal) para proibir o financiamento de campanha política por pessoa jurídica. A Adin 4.650 pede a inconstitucionalidade de dispositivos da Lei 9.504/97, que estabelece as regras das eleições.

A Adin, com pedido de medida cautelar, quer suspender até o julgamento definitivo da ação o artigo 24 da Lei 9.504/97, na parte em que autoriza a doação por pessoas jurídicas a campanhas eleitorais, bem como do artigo 81, caput e parágrafo 1º do da mesma lei.

A ação pede também a suspensão do artigo 31, na parte em que autoriza a realização de doações por pessoas jurídicas a partidos políticos; bem como a eficácia das expressões “ou pessoa jurídica”, constante no artigo 38, inciso III, da mesma lei, e “e jurídicas”, inserida no artigo 39, caput e parágrafo 5º da lei das eleições.

Para a OAB, os dispositivos da legislação eleitoral violam os princípios constitucionais da igualdade e da proporcionalidade. A entidade alega que eles são incompatíveis com os princípios democráticos e republicanos que regem a Nação brasileira.

Na Adin, a Ordem propõe também um prazo de 24 meses como transição para que não ocorra “uma lacuna jurídica”. Nesse período, o Congresso seria instado a aprovar uma legislação de com revisão no sistema vigente de financiamento das campanhas.

“O STF instaria o Parlamento a definir estes limites em patamares que não comprometessem em excesso a igualdade no processo eleitoral. Caso o Congresso Nacional não disciplinasse a questão no referido prazo, caberia ao TSE fazê-lo provisoriamente, até o advento da nova legislação de regência da questão”, propõe o Conselho Federal da OAB.

Dependência econômica

Segundo a entidade, o financiamento privado uma forma de incentivo à corrupção, ao tráfico de influência e supremacia do poder econômico sobre o político. Na ação, a OAB afirma que “a experiência tem demonstrado que grande parte do dinheiro investido nas campanhas é depois subtraída dos cofres públicos”.

Ao justificar a Adin, aprovada pela unanimidade do Conselho Federal da OAB, o presidente da entidade, Ophir Cavalcante, defendeu a necessidade de se colocar um ponto final “à dinâmica do processo eleitoral que torna a política extremamente dependente do poder econômico, o que se configura nefasto para o funcionamento da democracia”.

Para ele, a declaração da inconstitucionalidade de dispositivos que favorecem a influência do poder econômico na política, o país estaria também dando um passo fundamental no combate à corrupção.

Número do processo: Adin 4.650

Major Xavier fala sobre prisão de cabo da PM em blitz de trânsito

Major Xavier

O domingo foi de problemas internos dentro da Nona Companhia Independente. Um cabo da Polícia Militar foi parado numa blitz de trânsito na noite de ontem, 4, no cruzamento da rua Marcos Rocha com a Av. Cristóvão Colombo, por volta das 18h45.

De acordo com informações do comando, prestadas ao repórter Sena Freitas, o policial, cujo nome foi preservado, estava com sintomas de embriaguez e desrespeitou a oficial que estava no comando da operação de trânsito, no caso a tenente Francilene Gonçalves.

Major Xavier revelou quais foram os crimes cometidos pelo cabo.

“A princípio a infração originou-se de uma infração de trânsito e se reverteu na prática de crime militar, capitulado no Código Penal Militar, nós tivemos aí desobediência, desacato, agressão contra superior de serviço todos esses são crimes especificamente militares, são praticados de militares contra militares e isso ensejou a voz de prisão e a lavratura do auto de prisão em flagrante”, explicou o Major

Como a Nona Companhia Independente não tem carceragem para detenção de seus presos militares, provavelmente, o policial preso na blitz de trânsito ficará a disposição da Justiça Militar no prédio do Batalhão da PM em Caxias.

Polícia investiga sequestro relâmpago ocorrido em Codó

O delegado Zilmar Santana está investigando um seqüestro relâmpago ocorrido por volta das 9h da manhã desta segunda-feira, 5, no centro da cidade.

A vítima é uma mulher, cuja identidade está sendo mantida em sigilo para que o trabalho policial não seja prejudicado. Ela teria sido abordada ao sair da agência do Banco do Brasil.

Pelo relato dela à Policia, os bandidos a teriam colocado dentro de um carro e levado para a região do Sabiazal. Lá tomaram todos os seus pertences, inclusive o dinheiro que ela havia sacado no banco. O valor não foi revelado.

Enquanto o crime ocorria, um dos ladrões ameaça estuprá-la. A vítima em depoimento disse que só não foi violentada sexualmente porque o outro bandido pediu para que isso não fosse feito.

A mulher foi deixada no local e os bandidos tomaram rumo ignorado. Uma viatura da polícia civil, com ela dentro, está fazendo rondas na cidade no intuito de identificar os bandidos.

STF inocenta Antonio Joaquim, mas vereadores, com medo, não divulgam

Íntegra do documento

O ex-deputado federal, Antonio Joaquim Araújo Filho, enviou ao blog do Acélio, cópia do Diário da Justiça, datado de 24 de junho de 1997, onde o Supremo Tribunal Federal o inocenta e manda arquivar o caso onde ele aparecia como praticante dos crimes de PECULATO ( art. 312 do Código Penal) e EMPREGO IRREGULAR DE VERBAS OU RENDAS PÚBLICAS (art. 315, do CP).

O ex-deputado justifica que tomou a iniciativa de publicar na imprensa a decisão do STF por causa das constantes acusações de dois vereadores da Câmara de Codó, cujo nome não citou, que insistem em tocar no assunto de quando Dr. Antonio foi secretário de saúde do Estado, mas segundo o comunicado, tais edis não tiveram a hombridade de ler a decisão final da Corte Suprema até agora.

Antonio Joaquim afirma que enviou o mesmo documento para a Câmara no dia 3 de agosto de 2011 e nenhum dos parlamentares que o acusam, debochadamente, o leu.

ENTENDA O CASO

Em 13 de outubro de 1994, o Ministério Público do Estado do Maranhão ofereceu denúncia contra o então deputado federal Antonio Joaquim por ter ele infringido o disposto nos artigos 312 e 315 do Código Penal. Tais infrações teriam ocorrido no mês de maio de 1993.

Art. 312 é crime de PECULATO: quer dizer – “Apropriar-se o funcionário público de dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel, público ou particular, de que tem a posse em razão do cargo, ou desviá-lo, em proveito próprio ou alheio.

Art. 315 é crime de EMPREGO IRREGULAR DE VERBAS OU RENDAS PÚBLICAS, quer dizer: Dar às verbas ou rendas públicas aplicação diversa da estabelecida em lei.

Por ter foro privilegiado, na época, Antonio Joaquim foi defendido pelo Procurador-Geral da República, Geraldo Brindeiro, que demonstrou que não havia provas da participação do então deputado nos crimes denunciados pelo MPE/MA. Abaixo, trecho da defesa:

Antonio Joaquim

“É que, conforme demonstrado nos autos, dos atos referentes à compra do mencionado material não participou o ex-secretário de saúde. Ele apenas encaminhou os pedidos ao setor responsável pelas aquisições, desconhecendo, portanto, o procedimento que seria adotado. Ante o exposto, afastado o envolvimento do Parlamentar, Antonio Joaquim Araújo Filho, nos fatos narrados na peça acusatória apresentada ao Tribunal de Justiça do Maranhão, o Ministério Público Federal, por determinação de Vossa Excelência requer:

  • O arquivamento do presente procedimento no que diz respeito ao deputado federa Antonio Joaquim Araújo Filho.

O ministro do STF, Ilmar Galvão, seguindo reiteradas decisões (jurisprudência da Corte), acolhendo pedido do Ministério Público Federal, mandou arquivar o processo.

“Deste modo, na trilha do pronunciamento do Ministério Público Federal, determino (…) o arquivamento deste inquérito em relação ao deputado federal Antonio Joaquim Araújo Filho”, escreveu o ministro relator Ilmar Galvão, em 16 de junho de 1997.