Escola da Sororoca fará culminância do projeto Higiene é Saúde

Profa. Seleane

Já está definido para o dia 1º de dezembro a culminância do projeto Higiene é Saúde, da Escola Municipal José Domingues Araújo, localizada no povoado Sororoca, a cerca de 30kms da sede do município.

O projeto foi idealizado pela professora Seleane Santos, auxiliada pela professora Auracélia e envolveu, durante dois meses, 50 alunos.

De acordo com informações de Seleane, ao blogdoacelio, o governo Cuidando de Nossa Gente vai disponibilizar sua estrutura móvel de saúde para Sororoca viabilizando dentistas, consultas médicas, testes rápidos de HIV e muitos outros serviços. Toda a movimentação deve começar a partir das 9h da manhã.

Radialista organiza I Baile dos Empresários codoenses

Silvestre Néres

O radialista, Silvestre Néres, está organizando o I Baile dos Empresários de Codó. A festa será realizada na Associação Atlética Banco do Brasil – AABB – e já está marcada para o dia 3 de dezembro de 2011.

O clima será familiar e os convidados irão curtir uma noite especial em mesas que já estão sendo vendidas.

“Será uma festa VIP, uma forma de homenagearmos estes que são responsáveis pelo progresso dessa parte econômica do nosso município. Nós estamos fazendo o convite pessoalmente e confirmando as presenças. Não haverá cobrança de porta, como numa festa convencional, é de convite mesmo”, explicou Silvestre

O radialista já definiu a atração musical. Farão shows no I Baile dos Empresários Alex Brasil e o grupo Relíquia Musical.

“Isto é uma ideia nova que pretendo manter anualmente a partir desta primeira experiência”, disse

SÓ de “AZUZIN”: Ministério Público investiga contrato de mais de MEIO MILHÃO da Ação Social com funerária codoense

Por essa ninguém esperava (nem os que já planejam bater as botas até o fim do ano)

Caixão de luxo

Foi aberto no final do mês de outubro (dia 24) um procedimento administrativo do Ministério Público Estadual para investigar um contrato celebrado entre a Prefeitura Municipal de Codó e uma funerária da cidade com um valor que chama atenção até dos mortos.

Debaixo da proteção do termo “destinadas à pessoas carentes”, o governo Cuidando de Nossa Gente fechou com a funerária um contrato “zin réi” de Nº 20110391, de nada menos que R$ 582.800,00, como reza o texto “destinado à aquisição de urnas funerárias”. Em síntese, são mais de meio milhão de reais só para comprar caixão. Já pensou quantos caixões essa grana toda rende?

A representação de Nº 573/2011, foi protocolada, pedindo uma investigação sobre o milionário caso dos caixões, pelo presidente do Sindicato dos Trabalhadores, na Indústria da Construção Civil, Cal e Gesso de Codó, senhor Francisco Emílio Matos Filho.

Tirando o interesse do ex-vereador, Emílio Matos, ao pedir a investigação do Ministério Público, por ser este um adversário político do atual prefeito, existe mesmo muita coisa a se indagar neste caso do além vida.

4 MESES PARA MEIO MILHÃO DE CAIXÕES

A vigência do contrato é espantosa: de 5 de agosto de 2011 a 30 de dezembro de 2011. Não sei se entendi bem, mas parece que em 4 meses, apenas, alguém terá que justificar mais de meio milhão de reais em caixões. E se não morrer tanta gente assim, como é que fica, a funerária devolve o dinheiro depois do fim do prazo contratual?

O contratante é o Fundo Municipal de Assistência Social. Preservaremos aqui o nome do proprietário da funerária contratada (o nome dela não aparece) até o resultado do procedimento administrativo do Ministério Público, caso o PREGÃO que deu origem ao contrato tenha sido feito sem qualquer vício, não há porque citá-lo.

DESAFIO DOS MORTOS

Os leitores do blogdoacelio podem até enviar contratos maiores dos governos de Biné ou de Ricardo Archer, Antonio Joaquim ou Zé Inácio, mas eu duvido que na história recente deste município algum prefeito tenha se preocupado tanto em doar paletó de madeira para que desce à terra dos pés juntos.

Nada contra, não são poucos os casos de pessoas que morrem sem ter um caixão para ir para o descanso eterno, porém, mais de meio milhão de reais só para comprar urnas funerárias por um período de quatro meses, é coisa de outro mundo mesmo.

Obra da ponte sobre o Codozinho está a todo vapor

O blogdoacelio esteve ontem, 16, na obra de construção da ponte sobre o Rio Codozinho. Em conversa com o mestre de obra , Florisvaldo Cardoso, ficamos sabendo que a primeira fase está a pleno vapor.

No momento quatro pilares estão sendo construídos. Eles são a base principal de sustentação da nova ponte. De acordo com o mestre de obra, depois de levantados, mesmo dentro de água, em dois ou no máximo três dias o concreto já está pronto para o início da próxima fase.

“Terminou os pilares a gente vai partir para a travessa, a laje, outra parte”, disse

Abaixo veja o vídeo mostrando como está hoje a construção da ponte (também disponível no www.youtube.com/blogodoacelio )

Diretor do Saae fala no A Voz do Povo sobre o problema da água no 17

O diretor do Saae, Paulinho Maclaren, falou na manhã de ontem, 16, ao programa A Voz do Povo, da Rádio Mirante AM de Codó, sobre o sofrimento dos moradores do 17 que veem enfrentando pedras nos rins por causa da água fornecida pelo Saae, problema denunciado pela TV Mirante e depois pelo blogdoacelio.

Provocado pelo radialista, Daniel Sousa, Maclaren falou da falta de recursos e citou valores que, segundo ele, corresponderiam á solução do caso – perfuração de um novo poço de maior profundidade ou a compra de um dessalinizador.

“Mas a gente não tá conseguindo recurso, Daniel e população de Codó. Perfurar um poço com uma vazão maior ali é o que já falei pra você, na faixa de 1 milhão de reais a 800 mil, conseguir esse dessalinizador, eu tô viabilizando, eu tô conseguindo junto com o Dr. Farias, vendo como é que é essa manutenção, se é cabível a gente comprar esse aparelho vai sair numa faixa de uns R$ 200,00, só o aparelho¸ fora a montagem, fora a manutenção, então não é fácil”, disse

PEDRA, SOU LEIGO NISSO”

O diretor disse não ter conhecimento técnico para afirmar que os moradores sofrem ou não com pedra nos rins, mas confessou ter ciência da possibilidade dado à grande concentração de calcário que existe na água do 17.

“Dizer, esse problema de pedra nos rins, de pedra renal eu sou leigo nisso, mas pelo índice de calcário que a água tem, nós sabemos disso, né. É um problema crônico que já vem se arrastando desde quando perfuraram os poços do 17 e eu tenho consciência disso né”, afirmou

“TÔ TENTANDO”

Depois usou o discurso que lembra os governos que também não deram a menor solução para a água com calcário do Distrito que possui mais de 5 mil moradores. Nem Biné, nem Ricardo solucionaram o caso. Agora, pelo que disse o diretor, a situação também não é favorável, mas ele deixou a esperança, dizendo “EU TÔ TENTANDO”.

“Ainda não me manifestei sobre, em relação ao 17, Daniel, porque eu ainda não tenho solução para o 17. Não adianta eu pegar e dizer que eu vou resolver o problema do 17, um problema que vinha se arrastando a 18, a 20 anos, então eu não posso resolver um problema que se arrasta a dezoito, vinte anos agora, mas eu tô tentando. Junto aí, nós estamos buscando uma maneira, é um projeto, como eu já falei, do prefeito Zito, uma preocupação não só com o 17, mas, praticamente, toda aquela região cheia de calcário”, concluiu

Zito Rolim receberá homenagem por ser um dos 100 melhores gestores do Brasil

César, Roseana e Zito

O prefeito Zito Rolim já está em Brasília –DF, para ser homenageado por estar entre os 100 melhores gestores municipais do Brasil. A espécie de premiação, segundo informou por telefone ao blogdoacelio, será feita em um auditório do Senado Federal, na manhã desta quinta-feira, 17.

“Vai ser no Senado Federal, com presença, possivelmente, da presidenta Dilma Roussef”, disse

O município de Codó, pelo que explicou, rapidamente, teria passado por uma análise de Ministérios e da própria Controladoria Geral da União que descobriu que ele hoje adquiriu capacidade de sobrevivência, o que significa, em síntese, que possui meios próprios de receita funcionando e não depende apenas dos recursos do Governo Federal, daí o motivo da premiação.

“O critério foi avaliação de todo recurso aplicado (…) significa dizer que o município hoje é sustentável. Ele não sobrevive exclusivamente apenas da receita da União (…) os critérios são avaliados pelos Ministérios, CGU (Controladoria Geral da União), foi feito pesquisa”, disse

A solenidade dos 100 municípios sustentáveis do Brasil, entre os quais Codó, está marcada para começar às 8h da manhã, desta quinta-feira.

Campeonato Codoense inicia 6ª rodada com saldo de 65 gols e R$ 28.854,00 de renda

Sport Junior e Nacional não saíram do 1 a 1, na noite de feriadão da Proclamação da República, no René Bayma, quando 260 torcedores compareceram ao Estádio e geraram uma renda de R$ 780,00.

Com o jogo de ontem, 15, a classificação até amanhã, segundo a agendinha do cronista Léo Costa, da rádio Mirante AM, quando jogam pela sexta rodada do Campeonato Codoense, Fabril e Pirassununga, FICOU ASSIM:

1º MAESTRA – 13 Pontos (saldo de 9 gols)

2º JUVENTUDE – 10 pts (saldo de 4 gols)

3º SPORT JUNIOR – 9 pts (saldo de 6 gols)

4º NACIONAL – 8 pts (saldo de 2 pontos)

5º FABRIL – 8 pts (saldo de 1 gol)

6º PIRASSUNUNGA – 6 pontos (saldo negativo de 3 gols)

7º CRUZEIRO – 4 pts (saldo negativo de 70

8º SÃO FRANCISCO – 0 ponto ( saldo negativo 12 gols)

DETALHES DA AGENDINHA DO LÉO COSTA

Até agora já ocorreram 21 jogos pelo Campeonato Codoense 2011. A rede já balançou 65 vezes, e a média de gols por partida chega a 3,09.

Destes 24 foram marcados no primeiro tempo, 41 gols no segundo tempo das partidas. Cartões vermelhos 12.

9.618 torcedores já assistiram aos jogos do Campeonato, dando uma renda total de R$ 28.854,00

Moradores do Km 17 sofrem com pedras nos rins por causa de água fornecida pelo Saae

Morador mostra água da cidade

Nos potes da casa dos lavradores do Km 17 é possível ver o pó que sai das torneiras quando este ainda não se acumulou no fundo do recipiente. Fora delas (torneiras), por onde escorre a água, seu Zezito, o lavrador José Severino dos Santos, nos mostrou a formação de uma casca dura que acaba envolvendo os canos. A mesma que também fica na parte interna dos filtros e dos potes depois de um 1 dia água acumulada.

Segundo os moradores já foi constatado que isto seria resultado da grande concentração de um minério que serve como matéria-prima para fazer cimento, o calcário que vem do poço artesiano que abastece a comunidade.

“Resultado da água não é de outra coisa não, e aí não é só dessa não pode descer qualquer uma casa dessa aí, qualquer uma é assim (…) nos rins não fica daquele jeito não fica é pior”, reclamou indignado

PEDRA NOS RINS

A maior conseqüência da ingestão diária da água do povoado 17, localizado numa região de solo rico em calcário, aparece na saúde dos rins de seus moradores. No distrito, onde moram mais de 5 mil codoenses, existem pessoas que já se submeteram à cirurgias para a retirada de cálculos renais (pedra nos rins). Situação que obriga muita gente a buscar alternativas.

O problema é tão sério que, aqueles que podem, estão bebendo água da cidade que fica a 17 quilômetros do Distrito.

Jânio Anilson carrega água da cidade

Depois de ter a esposa internada com problemas renais, seu Jânio Anilson Saldanha resolveu encarar a despesa todos os dias e mostra a água que vai buscar no centro urbano. Ele pega num posto de combustíveis, mas muita gente paga pelo direito de encher seu reservatório.

“R$ 2,00…SE JUNTAR AO COMBUSTÍVEL? Vai muito, dá um preço que não era pra ser gasto, esse dinheiro, isso é uma coisa que era pra ter uma água de qualidade boa aqui, né…E ISSO É DE AGORA? Faz tempo viu…O SR, POR EXEMPLO? Tou há 4 anos”, disse

ENFRENTANDO AS PEDRAS

A situação financeira de Antonio Carlos da Silva, lavrador, não permite que ele compre na cidade, por conta disso ele e a família se vêem na obrigação de consumirem a água, da qual todos reclamam.

Indignado com a falta de solução para o problema ele mostrou ao blogdoacelio as contas que paga com atraso e muito insatisfeito.

“R$ 14, 86, uma de R$ 12,00 e outra de R$ 12, 95 (…) e a água não presta, salobra, gosto de cimento, botar numa vazia quando dá com 24h pode tirar que a fazia ta rocha, fica o pó do material…E O SR. NÃO PODE COMPRAR NA CIDADE? Não posso, eu não posso, 6 meninos pra dá de comer e pagar R$ 5,00 pra dá num botijão de 20 litros de água pra vir pra cá?”, indagou

SAAE RESPONDE

Conversamos com o diretor do Serviço Autônonomo de ÁGUA e Esgoto de Codó, Paulo Paiva Brito (Paulinho Maclaren) . Ele não quis gravar entrevista, mas informou que o Saae está estudando uma forma de comprar para o povoado um dessalinizador, cujo valor chega ao mínimo de R$ 115.514,00.

Brito não estipulou prazo para a concretização da compra alegando que a autarquia municipal passa por dificuldades financeiras, mas garantiu que não deixará os moradores do KM 17 sem solução de seus problemas.

Timbirenses sofrem com falta de água potável no Horta

Raimundo mostra reservatório

O Horta está entre os mais populosos bairros de Timbiras e todas as famílias que moram nele enfrentam o mesmo problema – falta de água. Durante o dia não adianta tentar conseguir, da torneira não sai sequer um pingo, o que sujeita os moradores à uma vida cheia de limites.

Banhar a vontade, impossível – idosos, crianças, ninguém pode. Afazeres domésticos como lavar roupa, as mulheres só o fazem na madrugada. Há quem viva no bairro há 8, dez anos, sempre com a mesma dificuldade.

A CONTA CHEGA

Maria Edilva dos Santos Oliveira, dona de casa, sabe bem o que é viver no horta. Para sua maior indignação diz que a conta de água vem com uma regularidade invejável. A dela custa R$ 13,00.

“tem dia que passa aqui de 5, dez dias, uma semana sem água. A gente tem que correr atrás de água nos poços…NEM DE MADRUGADA? De jeito nenhum (…) Tá caro, pra quem não vem água o dia todo, ta muito caro, tinha que vir pelo menos umas 4 horas da tarde porque tem a luta da casa, lavar roupa, banhar menino”, apelou

POÇO NO QUINTAL

Quando nem de madrugada a torneira jorra, o jeito é apelar para o vizinho que possui um poço no quintal. Dona Anora da Cunha é uma dessas pessoas que ajudam a vizinhança fornecendo o que a companhia responsável não consegue com a regularidade necessária. Ela gastou dinheiro para escapar do problema e não se arrependeu.

“todo foi R$ 750,00…VIVE TRANQUILA? Graças à Deus…E AINDA AJUDA AS PESSOAS? Ajudo…Não é todo tempo, mas tem ano, isso é desde que eu cheguei, passa o mês, mais um mês e 15 dias, o povo todo na agonia carregando água de longe”, explicou ao blog

NINGUÉM APARECE

O lavrador, Raimundo Nonato dos Santos Cunha, revelou que os moradores já se reuniram e convocaram a direção da Caema no município para ao menos ouvirem qualquer esclarecimento a respeito da falta de água. Ninguém apareceu.

“A gente chamou o gerente da Caema, que é nosso amigo César, a gente fez a reunião bem aqui na escola José Maria Alvim, a gente reuniu toda a população do bairro Horta e ele não apareceu pra nos falar o que tava faltando lá na bomba, falar porque a água não vinha. Então a gente ficou muito revoltado com isso”, reclamou

CAEMA FALA

Caema Timbiras

Estivemos no escritório da CAEMA em Timbiras. O responsável, interino, encarregado de sistema, José Airton Tavares de Carvalho Junior , explicou que o problema no Horta tem a ver com a insuficiência no abastecimento, algo que piora quando todas as 4.400 ligações usam o sistema. (Outros bairros também enfrentam a falta, a exemplo do Mutirão e Vila 70).

Airton disse que falta recursos para investimentos na melhoria, mas a Companhia já tem planos para acabar com o problema. Não deu prazo para isso ocorrer.

Testemunhas de Jeová pregam palavras de esperança na zona rural de Codó

Testemunhas de Jeová codoenses

Estiveram durante o feriado de 15 de novembro na região da Bacabinha as Testemunhas de Jeová codoenses. A equipe do blogdoacelio encontrou o trabalho de pregação entrando de casa em casa e conversou com um dos integrantes do Salão do Reino.

José Bento explicou que a pregação é um mandamento da Bíblia.

“Nós estamos cumprindo a obra que Jesus Cristo nos comissionou, a mensagem de Deus para os povos de todas as partes. Nós tivemos a felicidade de estarmos visitando Bacabinha, Mirindiba e adjacências para poder contactar a mensagem”, disse

TRABALHO SÉRIO

É comum vermos Testemunhas de Jeová nas ruas levando a mensagem á todas as pessoas. Eles enfrentam portas na cara, tratos nem um pouco educados por parte de muitos que se recusam a recebe-los, mas nunca desistem. A missão é executada com a mesma dedicação na cidade e no interior do município.

“A gente está tirando os feriados para visitar a zona rural. Durante a semana a gente trabalha na zona urbana, Na zona rural a gente faz também nos finais de semana exatamente para dar a todos o privilégio de ouvir a mensagem de Deus”, explicou Bento

MENSAGEM DE ESPERANÇA

Testemunhas de Jeová na Bacabinha

A mensagem, tipicamente, de esperança, segundo José Bento. Visa acalentar os corações e trazer a certeza, dada por Jeová Deus, de que os humanos possuem um refúgio e que não estão sozinhos neste mundo atribulado.

”É uma mensagem que visa trazer esperança para as pessoas, trazer esperança com relação ao futuro. Nós sabemos que vivemos num mundo um tanto atribulado e as pessoas ficam as vezes sem saber nem o que fazer. A mensagem da Bíblia ela consola as pessoas com relação aos fatos da vida real e ter perspectiva de vida com relação ao futuro. Levar para elas a garantia, da parte de Deus, de que nós não estamos abandonados, temos que viver para Deus porque Ele, no tempo devido, irá nos dá a devida recompensa”, concluiu