Lei dos Bombeiros Civis é uma anomalia jurídica sem precedentes na Câmara de Codó

A Lei Municipal dos Bombeiros Civis continua sendo o principal assunto entre aqueles que ficaram na ponta da faca (os produtores de eventos), os recém-formados bombeiros civis e, claro, entre a classe política de Codó que fez uma grande lambança jurídica.

Para agradar não se sabe à quem a Câmara aprovou algo ao revés do que se esperava tendo por base a Constituição Federal e acabou inovando demais. Com isso, em vez de ajudar vai terminar prejudicando os bombeiros (só os bombeiros porque se a lei  for executada como diz o comunicado que tem chegado aos produtores quem tá lascado são ‘os fazedor de festa’).

Ao aprovarem o art. 5º, da Lei Municipal nº 1.796/2017, capítulo III intitulado ‘DA CONTRATAÇÃO DOS BOMBEIROS CIVIS’,  os vereadores e o município de Codó tornaram a tal  contratação  OBRIGATÓRIA para eventos temporários.

Se há uma contratação obrigatória, obviamente que deve haver, por consequência, uma contraprestação pecuniária (em dinheiro) por parte do contratante, uma vez que a lei não fala em isenção, dispensa, imunidade, pendura aí meu amigão, fiado, etc…

QUE TRIBUTO É ESTE, MEURIMÃO?

Já que a lei partiu da Prefeitura e passou pela Câmara, que tipo de tributo é este que o cidadão (fazedor de festa) terá que pagar compulsoriamente (já que a contratação é obrigatória)?

O dinheiro que os bombeiros vão receber é um imposto, é uma taxa, é uma contribuição de melhoria? Será  uma tarifa?

É uma gorjeta, uma vaquinha? O que é, gente?

LEI COVARDE

O texto seco da lei acovardou-se ao apenas obrigar a contratação e ao estabelecer 4 critérios de número de bombeiros civis a serem contratados com base na lotação do evento sem tocar no valor a ser pago por isso.

 O sensato seria definir que tributação é esta (imposto, taxa ou contribuição de melhoria) e ter a coragem de definir logo:

1 – A hipótese de incidência (que poderia ser a realização do evento)

2 – Sujeito ativo (aquele iria cobrar o tributo)

3 – A base de cálculo

4 – A alíquota (valor a ser tirado do bolso dos ‘fazedor’ de festa)

Mas os nossos legisladores e quem enviou o projeto de lei esconderam-se atrás da cortina do art. 5º ( da Lei Municipal) deixando o serviço pela metade, pensando talvez que, assim, menos m… no ventilador seria melhor.

Além do mais criaram uma anomalia jurídica sem precedentes.

Veja só – criaram a obrigação de contratar, por consequência o dever do cidadão de pagar (já que não se fala em serviço gratuito) e entregaram a cobrança, de sabe-se lá o quê, à um ente particular de direito privado (Bombeiros Civis) que nada tem a ver com o Poder Público (Estado/Prefeitura/União).

Tudo isso sem falar uma vírgula no texto legal de delegar a chamada ‘capacidade tributária ativa à terceiros’.

ANGÚ COM FOGO NA CASA DOS BOMBEIROS

No mundo normal do Direito, o município tem poder de legislar sobre tributação, quer dizer, ele pode  criar lei a respeito. Mas ele cria a lei para ele mesmo executar ou, se quiser, pode delegar este poder de fiscalizar e cobrar para um terceiro.

Frise-se, só o poder  de fiscalizar e cobrar, o que significa dizer que ele (município) continua sendo o tributador e que, apenas, está dando à um terceiro o poder de ir lá e dizer – ei meufie, cadê o real do homi?

Se você se der ao luxo de ler a lei municipal dos Bombeiros Civis, de cabo à rabo, descobrirá, sem muita exegese,  que não existe uma palavra a respeito.

Em resumo o município de Codó acaba de parir uma lei criando uma tributação (ainda que por tabela e disfarçada) para parte de seus cidadãos (promoventes de festas), não disse que raios de tributação é esta, tornou-a obrigatória e deixou o cabresto tão frouxo de modo a permitir aos coitados dos Bombeiros Civis pensar que eles podem ser os cobradores desta tributação ‘malucona’.

Não tenho a menor dúvida de que esta lei municipal já nasceu morta e maluco é aquele que se meter a executá-la tal qual tenho visto entusiastas anunciarem (incluindo a Polícia Civil, a PM e o Corpo de Bombeiros Militares)

Deus Salve a América e a capacidade legislativa  de meus preocupados e sempre sábios vereadores.

Amém

Unidade do Viva de Codó realizou mais de 76 mil atendimentos

A cidadania da população de Codó vem sendo cada vez mais garantida desde a implantação do VIVA/Procon, em outubro de 2016. A unidade, que foi inaugurada pelo Governo do Maranhão, comemora um ano, com expressivo número de atendimentos realizados deste então. Segundo dados levantados pela coordenação da unidade, até setembro de 2017, já foram realizados mais de 76 mil atendimentos.

“A unidade do VIVA trouxe uma comodidade para o cidadão codoense que dependia da unidade móvel ou tinha que se deslocar para outra cidade, agora com a unidade permanente o cidadão tem mais conforto, economia financeira, de tempo e acessibilidade para tirar seus documentos e dentro da unidade tem vários serviços que ele pode estar buscando com mais facilidade”, disse.

O VIVA do município atende toda a região dos Cocais e conta com os serviços de emissão de 1ª e 2ª via de RG, inscrição e consulta no CPF, emissão de antecedentes criminais, Procon, Jucema, serviços das Secretarias Municipais de Saúde, Assistência Social e Segurança Alimentar Nutricional, e Finanças; SAAE; e serviços on-line como emissão de boletim de ocorrência, emissão de faturas e boletos, consultas (NIT, PIS/PASEP, Bolsa Família), inscrições em concursos, dentre outros.

O presidente do Procon/MA e do VIVA, Duarte Júnior, também comemora o aniversário e a marca atingida pela Unidade do VIVA em Codó. “Isto mostra que a Unidade atendeu a uma demanda necessária à população que deixou de ir a municípios vizinhos para ter este tipo de acesso enquanto cidadão, com direitos básicos como retirada de documentos. A nossa meta é continuar avançando nesta descentralização para fornecer ainda mais qualidade, comodidade e segurança aos vários municípios do Maranhão”, destacou Duarte.

O VIVA em Codó funciona na Rua Afonso Pena, s/n, e os cidadãos podem buscar atendimento de segunda à sexta-feira, das 8h às 18h.

SECAP/Por Aline Alencar

Trabalho do CREAS e Defensoria Pública contra as drogas em Codó

Entra em seu segundo dia o trabalho que está sendo feito em escolas da cidade, nos bairros São Francisco e Trizidela, pelo CREAS e pela Defensoria Pública de Codó sobre o combate ao uso de drogas.

Veja as explicações dadas pelo defensor público, Keoma Dourado, a respeito.

Nagib visita obras de recuperação de estrada vicinais na zona rural de Codó

Com a conquista de mais uma Moto-Niveladora junto ao Governo do Estado do Maranhão, a prefeitura de Codó avança com os serviços de recuperação de estradas vicinais. Em companhia do ex-prefeito Zito Rolim e do vereador Valdeck Frota, o prefeito Francisco Nagib visitou várias comunidades da região do Bacabal do Berílo. Comunidades como Bacaba, Pau Ferro, Bom Jesus do Clemente e Boa Esperança já estão sendo beneficiadas com terraplanagem e empiçarramento, realizando um sonho antigo dos moradores, que há mais de 20 anos aguardavam por uma estrada com melhores condições de tráfego.

A situação caótica da estrada foi levada ao conhecimento da gestão Mais Avanço Mais Conquistas através do vereador Valdeck Frota, que transformou a reivindicação dos moradores em indicação na câmara para que a estrada fosse feita. “Nosso papel é levar as demandas da população até o governo municipal e fazer com que essas demandas sejam atendidas. Essa importante parceria entre prefeitura e governo do estado está trazendo muitos benefícios para a população de nossa extensa zona rural”, comentou o vereador.

O ex-prefeito Zito Rolim, que durante sua gestão levou luz e água para a região, ficou feliz em saber que o prefeito Nagib vem investindo para o desenvolvimento das áreas rurais. “É muito satisfatório ver a continuidade de um trabalho que começamos e o empenho do prefeito Nagib em continuar atendendo bem a toda esta região”

Agora, com a estrada nova, os agricultores só pensam em cultivar e produzir, já que com a estrada restaurada eles vão poder escoar seus produtos a serem comercializados na cidade. Ao constatar em in loco todas as dificuldades de acesso que os moradores e crianças enfrentam para chegar a escola, o prefeito Nagib garantiu que não medirá esforços para melhorar dia-a-dia as condições de moradia do homem do campo.

Não iremos arar de trabalhar. Existem muitas localidades que estão precisando de melhorias em várias frentes e iremos chegar a todas elas, levando as benfeitorias às famílias codoenses”, garantiu o refeito.

Ascom – PMC

FAMEM se reúne hoje para tratar de EDUCAÇÃO

A Federação dos Municípios do Estado do Maranhão (FAMEM) realizará nesta terça-feira (26) encontro de trabalho para tratar de assuntos relacionados ao setor da educação nas cidades.

A reunião contará com as presenças de vários prefeitos e prefeitas e acontecerá, a partir das 16h, na sede da entidade municipalista, localizada no bairro do Calhau.

Também estará presente o procurador-geral de Justiça, Luiz Gonzaga Coelho.

De acordo com a pauta já definida, serão tratados os seguintes temas: organização, em parceria com o Ministério Público, de uma ampla audiência pública para tratar de problemas no setor educacional; e elaboração de uma proposta municipalista, para obtenção de recursos de emendas parlamentares, que será apresentada no dia 11 de outubro, em Brasília, aos deputados federais e senadores maranhenses.

Codó sem adversário definido avança para quartas de final do COPÃO BR DE SELEÇÕES

Foram conhecidos neste final de semana, as  equipe classificadas para a quarta fase, do Copão da BR de Seleções, competição que movimenta as principais equipes do interior do estado. As seleções de  Maracaçumé, Araguanã, Buriticupu, Bom Jesus das Selvas, Bela Vista, Turiaçu e  Codó, já garantiram sua vaga na quarta fase da competição.

Tudo teve início  no  sábado (23) com a realização de quatro jogos. Bom Jardim enfrentou Bela Vista no estádio Luís Gomes na cidade de Pio XII e empatou no tempo normal em 2×2, nas disputas por pênaltis Bela Vista venceu por 4×3, Codó encarou Igarapé Grande no estádio Rêne Bayma e venceu por 4×0, Araguanã enfrentou Santa Luzia do Paruá no estádio Mangueirão em Nova Olinda e empatou no tempo normal em 1×1 e nas disputas por pênalti venceu por 4×3 e Godofredo Viana encarou Maracaçumé no estádio Augustão em Carutapera e perdeu  por 3×1.

No domingo (24),  Monção enfrentou Bom Jesus das Selvas e perdeu por 1×0  no estádio Barbosão, Buriticupu enfrentou a Seleção de Viana no estádio Nicodemos  e venceu por 2×1 e Igarapé do Meio enfrentou Turiaçu no estádio Luís Gomes Cavalcante na cidade de Pio XII e perdeu por 6×3.

Após a realização destas partidas, os confrontos da próxima fase ficaram assim definidos:Maracaçumé enfrenta Araguanã, Buriticupu encara Bom Jesus das Selvas,Bela Vista enfrenta Turiaçu e Codó e ainda segue no aguardo seu adversário.

O Copão da BR de Seleções de 2017 é organizado pelo Departamento Autônomo de Futebol da Região do Alto Turi – DAFRAT.A competição conta com a participação das Seleções representando os municípios de Alto Alegre do Maranhão, Araguanã, Arari, Bernardo do Mearim, Boa Vista do Gurupi, Bela Vista do Maranhão, Bom Jardim, Bom Jesus da Selva, Buriticupu, Cajarí, Capinzal do Norte, Carutapera, Caxias, Centro Novo do Maranhão, Codó, Coroatá, Godofredo Viana, Governador Newton Bello, Igarapé Grande, Igarapé do Meio, Itapecuru Mirim, Lago Açu, Lago Verde, Maracaçumé, Maranhãozinho, Matinha, Miranda do Norte, Monção, Paulo Ramos, Pedreiras, Peritoró, Pio XII, Pindaré Mirim, Pirapemas, Presidente Médici, São Bento, São Luís Gonzaga, São Vicente de Ferrer, Santa Helena, Santa Inês, Santa Luzia do Paruá, Santa Luzia do Tide, Santo Antônio dos Lopes, Satubinha, Turiaçu, Viana, Vitoria do Mearim e Zé Doca.

Por Igor LEONARDO/Agência Maranhão Esportes

Veja quem ganhou premiação na 22ª extração do Codó Feliz

1º PRÊMIO – R$ 1.OOO,OO ( MIL REAIS )           

NOME: MARIA VIANA

Nº DA CARTELA: 07670-86

ENDEREÇO: POVODO AXIXÁ

BAIRRO: ZONA RURAL

CIDADE: CODO MA

VENDEDOR: FRANCIELE

 

2º PRÊMIO – R$ 1.OOO,OO ( MIL REAIS )

NOME: FRANCISCO DA SILVA

Nº DA CARTELA: 00904-04

ENDEREÇO: TRAVESSA NOVOLINDA Nº1026

BAIRRO: CODÓ NOVO

CIDADE: CODÓ MA

VENDEDOR: VALDECY

 

3º PRÊMIO – R$ 1.OOO,OO ( MIL REAIS )

 NOME: FRANCISCO MIRANDA RAFAEL

Nº DA CARTELA: 23086-34

ENDEREÇO: PÉ DE SERRA

BAIRRO: ZONA RURAL

CIDADE: CODÓ MA

VENDEDOR: ANA CARLA

 

4º PRÊMIO – UMA MOTO POP )

 NOME: PEDRO PEREIRA ALVES

Nº DA CARTELA: 08469-72

ENDEREÇO: RUA SÃO SEBASTIÃO Nº1898

BAIRRO: NOVA JERUSALEM

CIDADE: CODÓ MA

VENDEDOR: ALDINEIA

 

5º PRÊMIO – UMA FAN 125 0KM

 NOME: ISAIAS TEIXEIRA DOS SANTOS

Nº DA CARTELA: 21937-10

ENDEREÇO: RUA FRANCISCO BERNARDINO Nº 1513

BAIRRO: CODÓ NOVO

CIDADE: CODO MA

VENDEDOR: REGINA CELIA RIBEIRO

A partir de hoje Lei dos Bombeiros Civis ‘lasca’ com promotores de eventos

Um comunicado assinado pelo comandante dos Bombeiros Civis, Leandro Viana, que está sendo entregue, pessoalmente, em casas de shows e à produtores de eventos traz um alerta que já começou polêmico.

Comunicado entregue junto com duas leis aos produtores de eventos

A partir de hoje, 25/09/2017, quem for fazer festa em casas de shows, balneários, centros de exibições, parques de diversão ou de vaquejada terá que pedir a licença na delegacia e, logo em seguida, já passar na central dos BC’s, para dizer onde fica o evento e o horário de início e fim.

Se fosse só isso, não haveria qualquer polêmica. Ocorre que, em fazendo isso, o Corpo de Bombeiros fará uma visitinha ao local para tentar calcular quantas pessoas poderão participar daquela festa (ou outro evento) para, em cima deste cálculo, dizer quantos bombeiros civis terão que ser, obrigatoriamente, contratados.

O número mínimo é de 5 BC’s para eventos que reúnam até 1.000 pessoas.

Sobre isso o próprio comandante Leandro Viana, em entrevista ao programa Cidade Notícias, da FCFM, explicou.


“Quem contrata a festa passa pela licença da delegacia, após a licença da delegacia ele tem que ir no Bombeiro Civil, é obrigatório, pra quê? Para que ele possa dizer o local do evento, que horas vai começar e que horas vai terminar. Lá nós vamos calcular quantos bombeiros civis irá pegar no evento, ou seja, a gente trabalha com cálculos de metros quadrados, ou seja, tudo isso em prol do público que vai estar ali…Alberto Barros pergunta – MAS SE O CORPO DE BOMBEIROS, OS INTEGRANTES FOREM PAGOS, TEREM SEUS VENCIMENTOS OU PELA PREFEITURA OU PELO ESTADO, ENFIM, MESMO ASSIM O PRODUTOR DE EVENTO AINDA TERÁ QUE PAGAR ESTA TAXA? Exatamente, porque isso aí se chama eventos temporários. Nós temos um acordo com o prefeito Francisco Nagib pra janeiro (2018) nós vamos tá atuando para o município em caso de incêndio como nós estamos fazendo voluntariamente, mas aí já alçada do município pagar para que a gente possa lá apagar um fogo”


QUAL É A BASE DA COBRANÇA?

A fundamentação para esta cobrança está numa lei que pegou à todos de surpresa porque os vereadores, muito menos quem a enviou para a Câmara, não chamaram os produtores para debatê-la antes da aprovação.

Foi aprovada com o voto da maioria no dia 24 de agosto de 2017.

A Lei Municipal nº 1.796/17, descreve em seu art. 5º como deve ser feito o tal ‘cálculo de gente’ que agora deixou os produtores na ponta da faca.


Art. 5º – É obrigatória a contratação de Bombeiros Civis em eventos temporários, centros de exibição, shows, parques de diversão e assemelhados. O número de Bombeiros Civis deverá ser calculado de acordo com a quantidade máxima de pessoas prevista para o evento, observando, sempre, os seguintes critérios:

A – Locais com lotação de até 1.000 (mil) pessoas, o número de Bombeiros Civis deve ser de, no mínimo,  5 (cinco)

B – Locais com lotação entre 1.000 e 5 mil pessoas, o número de bombeiros civis de ser de, no mínimo, 10 (DEZ)

C – Locais com lotação entre 5 mil e 10 mil pessoas, o número de Bombeiros Civis deve ser de, no mínimo, 15.

D – Locais com lotação acima de 10 mil pessoas, acrescentar 1 bombeiro civil para cada grupo de 500 pessoas.


A INOVAÇÃO

Esta função de estar a noite toda numa festa (ou parques) e cobrar por isso é uma INOVAÇÃO bem distante do que preconiza a LEI FEDERAL dos Bombeiros Civis, a lei de nº 11.901/2009, que dispõe sobre a profissão do bombeiro civil.

A  Federal limita a profissão de Bombeiro Civil à atividade habitual REMUNERADA E EXCLUSIVA de prevenção e combate à incêndio COMO EMPREGADO CONTRATADO DIRETAMENTE POR EMPRESAS PRIVADAS OU PÚBLICAS, Sociedade de Economia Mista ou empresas especializadas em prestação de serviços de PREVENÇÃO E COMBATE À INCÊNDIO (esta definição está no art. 2º de Lei Federal 11.901/2009)

Os míseros 9 artigos da Lei Federal só falam disso e de como as funções são classificadas (nível básico, bombeiro Civil líder e bombeiro civil Mestre que deve ter formação em engenharia e especialização em combate à incêndio), o que é assegurado ao bombeiro quanDo contratado (uniforme, seguro de vida , adicional de periculosidade de 30% em cima do salário mensal), direito à reciclagem periódica, e só.

R$ 150,00 POR BOMBEIRO NA FESTA

A cobrança de produtores seria justa, a meu ver, se discutida com os tais, previamente, antes da obrigação da lei empurrada goela abaixo, por nossos responsáveis edis, na vida de quem já escapa na marra.

Um dos problemas tem como origem é o valor  ser cobrado.

Encontrei-me, no Procon,  com um dos responsáveis pelo clube dos Arrumadores. Claramente preocupado com a nova imposição ele nos afirmara que a cobrança gira em torno de R$ 150,00 por bombeiro civil presente numa festa, algo que inviabiliza totalmente qualquer lucro (quando tem lucro).

No clube dos Arrumadores, por festa é necessário contratar, no mínimo, 10 seguranças particulares que querem receber ao final.

Agora se do evento participarem até mil brincantes, a despesa tem que aumentar com mais 5 bombeiros (R$ 750,00), se tiver acima de mil pessoas a despesa terá que incorporar 10 seguranças e 10 bombeiros civis (R$ 1.500 só para BC’s), uma vez que um não faz o serviço do outro como deixou bem claro Leandro Viana na sua entrevista na FCFM.

Em outras palavras, adeus lucro.

Na entrevista, Leandro não falou de quanto cobrará por cada bombeiro na festa e, instigado por Alberto Barros, deixou no ar que usará de bom senso, referindo-se, tão somente, à hora da cobrança, não ao preço per capita bombeiro.


“Como é que eu vou cobrar pra um produtor de evento que ele faz um evento numa data, vamos supor final de mês que não tem um dinheiro que circule na cidade e ele coloca lá 400 ingressos e na hora ele só vende 30, como é que eu vou cobrar este cidadão, eu não tenho condição de pagar ele, ele não vai ter condição de me pagar, não vai ter condição de pagar a banda, entendeu? Muito menos a energia, ou seja, a gente tem o bom senso e a gente vai tá ali vendo, verificando. Agora, tem produtores de eventos que são uns certos picareta ,não tô dizendo todos, que fazem este tipo de coisa, recebem o dinheiro, ganha o dinheiro e não querem pagar os seguranças, não querem pagar os bombeiros e isso não vai acontecer no município de Codó”, disse


NO MATO SEM CACHORRO E AMEAÇADOS

O líder do Corpo de Bombeiros disse que Codó tem 80 casas de eventos.  Se todos começarem a se mobilizar contra esta lei, inclusive discutindo-a na Justiça, o borogodó tá feito.

Se ficarem calados vão ter que engolir o angú quente da  1.796/2017, pois seu Leandro já deixou claro que vai pra cima e ameaçou, na entrevista, chamar a PM (já que Corpo de Bombeiro Militar, também citado, não vai se ‘destabacá’ lá de Caxias pra fechar festa em Codó de madrugada) pra acabar com o evento daquele produtor que não contratar bombeiro civil a partir de hoje (25/09/2017).


“E eu deixo bem claro pra todos os donos de eventos e casas de shows que eu mesmo tÔ fazendo esse trabalho, pessoalmente, indo em cada local e explicando com a lei municipal e a lei federal que no ato que ele alugue o seu estabelecimento ele deixe bem claro que tem que ter o bombeiro civil, por quê? Porque tem muitos produtores de evento que vão alugar, não vão contratar o bombeiro civil e vai ter um prejuízo maior na festa, porque nós não temos o poder de prender ninguém, nem de fechar a festa mas a PM e os Bombeiros Militares têm e nós tamo juntos fazendo a parceria pra fiscalizar essas casas que estão fazendo esses, é….QUE NÃO CUMPRIREM…é que não cumprirem com essa lei, porque você sabe lei não se discute, lei se cumpre”, afirmou na FCFM


ESCADINHA DE RESPONSABILIDADES

Só pra encerrar, a meu ver houve uma escadinha de responsabilidades aí que acabou nas costas de nossos sofridos produtores.

Desempregados e sem perspectivas de ver cumprida uma promessa de campanha os bombeiros deram uma pressão grande no prefeito Francisco Nagib, este, por sua vez, atolado numa crise que está asfixiando seu governo com demissões e, futuramente, atraso de salários, teve ou aceitou a ‘brilhante’  ideia da lei enviada para nossos  super preocupados da Câmara, lá nossos edis  meteram o votuzão em plenário e selaram o destino de quem ficou do lado mas fraco da corda.

Enquanto tudo isso acontecia os coitados dos produtores de eventos estavam passando noites de sono pra tentar ganhar o pão nosso de cada dia.

agora, depois de mais uma noite de trabalho tiveram que acordar com uma lei que vai deixar a vida, já miserável, ainda mais complicada.

Deus Salve a AMÉRICA.

FUTEBOL: Marcelo Coelho prestigia antiga rivalidade esportiva no campo do CSU

Ontem, 24,  a manhã foi animada no campo do CSU, famosa e antiga área de futebol do bairro São Pedro.

Os irmãos radialistas, JJP (atualmente nas rádios Mirante e Cidade FM) e o narrador esportivo Fernando Santos, colocaram mais uma vez em campo uma rivalidade de quase duas décadas – jogaram Zumbi dos Palmares (de JJP) versus Tubarão (de Fernando).

“É uma história do bairro São  Pedro, Acélio, há muito tempo que a gente disputa esse jogo envolvendo Tubarão e Zumbi. É uma festa, realmente, maravilhosa que hoje JJP trouxe pra cá e o Marcelo (Coelho) veio prestigiar este evento, é algo, realmente, maravilhoso”, explicou Fernando Santos em entrevista ao blogdoacelio

Além da torcida que ficou à beira do campo, quem também prestigiou a partida foi o secretário de Estado do Meio Ambiente, Marcelo Coelho.

Ele lembrou dos tempos em que jogava bola por aqui, tempo em que existiam poucos campos. MARCELO também destacou a necessidade de termos um time no Campeonato Estadual de Futebol (primeira ou segunda divisão) .

“E a gente veio prestigiar porque a gente gosta do futebol , eu acho que Codó merece até ter um time pra representar no campeonato estadual. Acho que a gente tem que pensar nisso, trazer um Fabril, que é um time tradicional, um time do povão, ou o Nacional, botar um time, Codó merece porque Codó sempre teve bons atletas e eu acho que o esporte ele tem que ser prestigiado. As políticas, estaduais e municipais, elas têm que prestigiar o esporte, eu acho que daí muita coisa pode surgir pra o município”, disse

ACOMPANHE

Clayton Noleto garante à Júnior Oliveira que edital de licitação da MA-026 será publicado

O vereador codoense Junior Oliveiraesteve em São Luís e gravou um vídeo ao lado do secretário de Estado da Infraestrutura, Clayton Noleto.

A conversa, rápida, é sobre a obra na MA-020, do KM17, na zona rural de Codó, à Triângulo, zona rural de Dom Pedro. Noleto garantiu na gravação que conseguiu a dotação orçamentária da reforma e disse que o edital de licitação já está pronto para publicação, fase em que as empresas concorrem pelo direto de executar a obra orçada em mais de 60 milhões de reais.

ASSISTA