TIMBIRAS – Bebeto Coêlho fala sobre novos tempos na Paulo Freire

O vice-diretor da Escola Paulo Freire, de Timbiras, Bebeto Coelho (Luís Alberto Coelho Silva), concedeu entrevista ao blogdoacelio elogiando a criação do Grêmio Estudantil.

Bebeto Coêlho

Bebeto Coêlho

Lembrou de seu tempo de estudante, quando valorizava os famosos Diretórios Acadêmicos, e falou da importância da participação dos grêmios nas escolas.

“Além de dá uma formação pra o aluno, uma formação política, o grêmio ele atua muito, é muito importante a atuação dela dentro da escola porque a escola não é feito apenas do diretor e do professor, ela tem que ser feita por todos os segmentos”, assentuou

Bebeto também falou sobre o ano difícil pelo qual passou a Paulo Freire que teve que enfrentar uma demorada reforma. Neste período, os alunos tiveram que estudar em locais emprestados.

“Foi um ano ruim porque nós tivemos que sair, ocupar outros prédios, queremos até agradecer às pessoas que nos alojaram, mas, de certa forma, a reforma foi muito boa. Encerrou, a gente já está com a nossa escola funcionando bem e eu acho que daqui pra frente a gente vai poder desenvolver bem as nossas atividades”

OUÇA A ENTREVISTA COMPLETA

Por Flávio Almeida Pereira – VIOLÊNCIA EM TIMBIRAS

O medo da PM em Timbiras já não intimida os assaltantes, já que os rigores da lei nunca lhes foram suficientes para inibir suas ações criminosas. Para você ter ideia de como anda o ritmo de impunidade, já tem assaltante que após o crime, passado a hora do flagrante, vai com a cara mais “lambida” do mundo, se apresentar na Delegacia, sem advogado, prestar depoimento e em seguida voltar para as ruas como se nada o pudesse atingir. Ou seja, os bandidos já tem plena compreensão de como funciona as leis, que neste sentido são extremamente falhas e acabam colaborando com a instabilidade social e com a criminalidade. O fato é que nos últimos tempos nunca se registrou tanto assalto em Timbiras, em plena luz do dia e no centro da cidade, como agora.

O que fazer então, além de rezar para não ser uma das vítimas? A resposta imediatista seria aumentar o efetivo militar e intensificar as rondas na cidade.  Isso, de certa forma, iria deixar os marginais afastados temporariamente e devolver aos cidadãos a sensação de segurança? Não.

A resposta definitiva não deve ser pensada no curto prazo. Trata-se de um processo complexo e demorado, que requer discussão, análises e empenho constante de toda a sociedade, em especial das autoridades. Trata-se se construir uma nova lógica social.

Não estamos aqui querendo espetacularizar a criminalidade,  apresentar as soluções num produto acabado,  e nem fazer negativas dos sistemas que compõe a política de segurança pública do Estado.

Entendemos que, ao contrário do que muitos pensam, a segurança pública não se resume a estes mecanismos precários – aliás, isto é uma imagem que precisa ser combatida, pois tende a retirar a responsabilidade das demais instituições, inclusive da família. A questão é que, em tempo algum, a sociedade, e muito menos o estado brasileiro, conseguiu emplacar efetivamente uma decente e saudável política de segurança pública, capaz de dar traquilidade aos seus cidadãos.

A lógica sempre foi punitiva! E a história tem mostrado que esta ideia não tem atendido às necessidades. As audiências públicas, das quais já participamos,  sobre esta temática, nunca tocaram realmente na ferida. As vezes mais parece uma reunião de compadres, comadres e afilhados.

É preciso se falar em construção da segurança pública superando o discurso de aplicação de medidas paliativas, como a mera construção de penitenciárias, mais policiais, leis mais rigorosas, redução da maioridade penal e até mesmo o discurso de incitação à vingança que diz  ” bandido bom é bandido morto”.

Estas temáticas abordadas superficialmente pela sociedade de nada servirá se não houver, funcionando devidamente,  o sistema de  saúde, de educação, de desenvolvimento social, de infraestrutura, de geração de renda, uma política econômica mais humana.

A criminalidade não reduzirá se a dignidade das pessoas se não for pensada a partir de uma política de geração de emprego e renda, de esporte e lazer para crianças e juventudes. A política de segurança pública também deve ser pensada a partir do combate à corrupção dos políticos.

Enquanto estes assuntos não forem tratados como devem,  com o devido comprometimento de toda a sociedade, jamais os índices de criminalidade reduzirão, ao contrário, possuem uma forte tendência de aumentar.

Fica a reflexão para os novos governantes eleitos que prometeram mundos e fundos na última campanha eleitoral.

Estamos aí para colaborar.

Por Flávio Almeida Pereira

Francisco Nagib se reúne e janta com 12 vereadores eleitos

Na noite de sábado (12) o prefeito eleito de Codó, Francisco Nagib, se reuniu com os vereadores eleitos que irão compor sua base em 2017 e com o prefeito de Codó Zito Rolim. Em jantar de confraternização, Nagib conversou com doze vereadores eleitos pertencentes ao seu grupo político.

Jantar com vereadores eleitos

Jantar com vereadores eleitos

De maneira informal, alguns assuntos foram levados à mesa de jantar, como a imprescindível união da base política que dará apoio a Nagib, bem como a adesão dos parlamentares ao seu projeto político.

Entre os parlamentares, ouviam-se alguns comentários sobre a sucessão da Mesa Diretora da Câmara e a eleição no Legislativo. No entanto, nenhuma declaração oficial foi dita a respeito.

FOTO de Nilton Messias

FOTO de Nilton Messias

Ascom

 

INCÊNDIOS – Nossa Guarda réa Municipal é uma guerreira

Nossos Guardas Municipais fazem o que podem quando são acionados para combater incêndios na cidade.guarda-1

Guarda Municipal apagando fogo no René Bayma

Guarda Municipal apagando fogo no René Bayma

Primeiro porque  estão quebrando um ‘galhão’ para o Estado que deveria montar a unidade do Corpo de Bombeiros, segundo porque fazem ‘das tripas o coração’ para dá o famoso primeiro combate sem medir esforços e vencendo obstáculos que nem deveriam existir como, por exemplo, o velho carro-pipa que nunca está disponível.

O caso do René Bayma gerou muitas críticas justamente porque a Guarda não tem disponível nem um ‘bujão’ de água para emergências como a citada.

Carro-pipa, maior problema

falta de carro-pipa, maior problema

Hora de aparelhar melhor a velha Guarda Municipal, os caras são bons, mas MATAR LEÃO COM PEIXEIRA 12 É COMPLICADO.

Escolas públicas maranhenses são premiadas por desempenho no Ideb e no Enem

Trinta escolas públicas do Maranhão com os melhores resultados obtidos no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) e no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2015 foram premiadas pelo ‘Educa Mais Maranhão’ na tarde desta sexta-feira (11), em solenidade realizada no Palácio Henrique de La Rocque. O governador Flávio Dino e o secretário de Educação, Felipe Camarão, entregaram para todas as escolas R$ 10 mil, um notebook e uma placa em reconhecimento ao bom desempenho nas avaliações educacionais.flavio

A solenidade teve início com a apresentação teatral dos alunos da Unidade Integrada Maria José Aragão, que transformaram em arte as ações do programa ‘Escola Digna’ e do ‘Educa Mais Maranhão’, que fazem parte dos amplos investimentos que o Governo do Estado tem feito no sistema educacional maranhense.

Sobre a premiação, o governador fez questão de destacar que o prêmio foi o mesmo para todas as escolas, independente das notas obtidas nos dois índices. “Nós premiamos também aqueles que mais melhoraram as suas notas. Indecentemente do patamar em que estão. Porque significa que eles estão caminhando na direção certa. E vejam, o prêmio é uma convenção que é divulgada pela lista. Mas o prêmio foi igual. Igual para todas as escolas. Porque todas têm o mesmo mérito”, sublinhou Flávio Dino.

O prêmio ‘Educa Mais Maranhão’ constitui-se como uma política de divulgação de boas experiências de gestão escolar e de incentivo ao aprimoramento de ações que possibilitam a troca de experiências entre gestores.

Do total de escolas, 20 são de Ensino Fundamental – de redes municipais, estadual e federal – que foram premiadas pelo resultado alcançado no Ideb. Dez destas escolas obtiveram o melhor Ideb entre as escolas públicas do Estado, em 2015, sendo cinco nas séries iniciais e cinco nas séries finais. Outras 10 escolas por serem as instituições de Ensino Fundamental que mais cresceram entre as escolas da Rede Pública.

Para o secretário Felipe Camarão, o momento de premiação pelo bom desempenho nas avaliações educacionais significa o reconhecimento ao esforço de cada um de dos alunos, alunas, professores, professoras e gestores das escolas que obtiveram esses resultados. “Significa também estimular para que isso continue sempre a acontecer. Que quem ganhou continuar com esse desempenho e quem não ganhou utilizar como exemplo”, enfatizou.

A condecoração foi cercada de festa e aplausos para os vencedores, que exibiam os prêmios com muito orgulho e gratidão. O aluno Marcos Augusto Mendes Barros, do Colégio Militar Tiradentes Unidade I, agradeceu premiação em nome de todos os estudantes presentes e parabenizou os colegas, docentes e gestores que contribuíram para o fortalecimento da educação. “Queria agradecer para todos que agem diretamente na educação do nosso estado. Obrigado por fazer essa mudança”, concluiu.

Por Rafael Arrais

Cícero de Sousa já está em clima de Natal

Cícero de Sousa, diretor do Sistema FC de Comunicação, já se prepara para executar suas ideias  de fim de ano. A mais esperada delas é o já tradicional NATAL DO FALA CODÓ, principal produto jornalístico da FCTV.

Cícero de SOUSA

Cícero de SOUSA

Por enquanto, a ornamentação já anda aparecendo em fotografias pelas redes sociais e logo a programação demonstrará seu planejamento.

Cícero de Sousa é organizado.

Veja lista dos codoenses contemplados pelo CNH JOVEM 2016

Lista dos codoenses que foram contemplados pelo programa CNH JOVEM 2016.listaLISTA DOS CODOENSES na CNH JOVEM

Maranhão é um dos 7 Estados que ainda estão com ‘CONTAS NO AZUL”

Um levantamento do site G1, da Globo,  aponta que ao menos 16 estados mais o DF cortaram investimentos nos últimos dois anos.

Além disso, 14 informaram que têm obras paradas ou atrasadas por falta de dinheiro.

E ainda há 8 estados com atrasos de salários de servidores e 16 que não pagaram em dia os fornecedores. A situação mais grave é a de 6 estados que não garantem que haverá caixa para pagar o 13º dos funcionários neste ano.

O MARANHÃO

No mapa que mostra a crise pelo país, o MARANHÃO é um dos 7 que ainda estão com suas contas NO AZUL e até aponta um superávit.

O G1 MA fez um levantamento mais próximo de nossa realidade e publicou:

“Apesar da crise econômica que se instalou no Brasil nos últimos meses, o governo do Maranhão afirma que as contas do estado estão em dia. O estado tem superávit primário de R$ 438 milhões no primeiro semestre deste ano, quase o mesmo valor registrado no mesmo período do ano passado, segundo dados do Siconfi/Tesouro. Mesmo assim, o estado foi um dos signatários de uma carta enviada ao governo federal em setembro relatando calamidade financeira e pedindo ajuda à União”, descreve

Também completou:

“Segundo a assessoria do governo, o estado não cortou investimentos ou atrasou salários este ano. O atraso em algumas obras no território maranhense foi decorrente de fatores jurídicos e também técnicos. O governo do Maranhão revela que há alguns atrasos no pagamento de fornecedores derivados do alto volume do restante a pagar que foi recebido da administração anterior”, escreveuresultado-primario-1semestre_corrigida_src

Sessenta empresas são intimadas por omitirem compras de 78 milhões em 2016

O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz), notificou 60 empresas que omitiram R$ 78 milhões em compras de mercadorias no período de janeiro a junho deste ano. O Imposto Sobre Circulação de Serviços e Mercadorias (ICMS) devido sobre essas operações totaliza R$ 4,2 milhões não recolhidos aos cofres do Estado. O valor foi cobrado por meio de Intimação Fiscal.

Das empresas autuadas, 26 estão cadastradas no regime normal de tributação do ICMS e 34 dos estabelecimentos estão enquadrados no regime do simples nacional. O débito do imposto foi identificado a partir do cruzamento de dados realizado pela unidade de Planejamento Fiscal, com apoio da unidade de Tecnologia da Informação da Sefaz.

A identificação decorreu da comprovação de que as empresas adquiriram mercadorias com emissão de Notas Fiscais Eletrônicas identificadas no Sistema Nacional de Emissão, mas não registraram as notas fiscais em sua declaração mensal (DIEF) e, consequentemente, omitiram as vendas subsequentes dessas mercadorias, sobre as quais incide o ICMS.

As intimações fiscais foram enviadas pelo Domicílio Tributário Eletrônico (DTE) das empresas, localizado na caixa de entrada de mensagens no sistema de autoatendimento Sefaznet, concedendo um prazo de 20 dias para a regularização. Até esse prazo, o contribuinte poderá pagar à vista o débito sem multa, apenas com os juros moratórios.

Segundo o secretário de Estado de Fazenda, Marcellus Ribeiro Alves, em caso de não regularização a intimação marcará o início do procedimento administrativo fiscal, sendo o débito lançado automaticamente por meio do Auto de Infração Fiscal Eletrônico (AINF), com a aplicação da multa de 50% sobre o valor do ICMS devido, totalizando R$ 6,3 milhões.

A infração apontada no lançamento fiscal indica que as empresas incorreram na falta de lançamento e pagamento de ICMS relativo à omissão de vendas, constatada pela falta de registro fiscal e contábil das notas fiscais de compras. A capitulação legal da infração consta dos artigos 30, 44, 48 e 68, incisos Ie II, parágrafo único da lei 7.799/2002, combinado com os Artigos 31, 60, 69 e 105 do RICMS, aprovado pelo Decreto 19.714/2003.

Fonte: Sefaz

Por  Fernando Resende

DESGRAÇA – Um PRESO no Brasil custa 13 vezes mais que um estudante

A constatação foi feita pela presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministra Cármen Lúcia, que participou nesta quinta-feira (10/11) do 4º Encontro do Pacto Integrador de Segurança Pública Interestadual e da 64ª Reunião do Colégio Nacional de Secretários de Segurança Pública (Consesp), em Goiânia (GO).

Ministra CARMEN LÚCIA

Ministra CARMEN LÚCIA

“Darcy Ribeiro fez em 1982 uma conferência dizendo que, se os governadores não construíssem escolas, em 20 anos faltaria dinheiro para construir presídios. O fato se cumpriu. Estamos aqui reunidos diante de uma situação urgente, de um descaso feito lá atrás”, lembrou a ministra.

No evento, Cármen Lúcia afirmou que a violência no país exige mudanças estruturantes e o esforço conjunto de governos e da União. “O crime não tem as teias do Estado, as exigências formais e por isso avança sempre. Por isso são necessárias mudanças estruturais. É necessária a união dos poderes executivos nacionais, dos poderes dos estados, e até mesmo dos municípios, para que possamos dar corpo a uma das maiores necessidades do cidadão, que é ter o direito de viver sem medo. Sem medo do outro, sem medo de andar na rua, sem medo de saber o que vai acontecer com seu filho”, disse.

Desde que assumiu a presidência do CNJ, a ministra tem visitado presídios para ver de perto as condições das unidades. Até o momento, Rio Grande do Norte e Distrito Federal receberam visitas de surpresa, e a ideia é inspecionar todos os Estados. “A cada nove minutos, uma pessoa é morta violentamente no Brasil. Nosso país registrou mais mortes em cinco anos do que a guerra da Síria. Estamos, conforme já disse o Supremo Tribunal Federal, em estado de coisas inconstitucionais. Eu falo que estamos em estado de guerra. Temos uma Constituição em vigor, instituição em funcionamento e cidadão reivindicando direitos. Precisamos superar vaidades de detentores de competências e, juntos, fazer alguma coisa”, ressaltou a ministra.

O encontro realizado em Goiânia contou com a presença do ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, que, na oportunidade, apresentou o Plano Nacional de Segurança Pública. A ação tem como principais metas reduzir os homicídios e os casos de violência contra a mulher, além de racionalizar o sistema penitenciário e a proteção das fronteiras.

*Com reportagem da Agência CNJ de Notícias