Crianças da zona rural de Timbiras estão sem transporte escolar desde 13 de setembro

Destacamos aqui  quando uma Van Escolar saiu da estrada por falta de freio no dia 13 de setembro. À época havia alunos da comunidade de FEBRU, zona rural de Timbiras, dentro. Ninguém se machucou, mas este episódio deixou um problema que até nunca foi resolvido.

Os moradores  nos contaram que desde o acidente os estudantes  de FEBRU passaram ater um problema – ficaram sem transporte escolar. As vezes é preciso ir a pé até a escola, quem menos anda para chegar à sua escola na cidade enfrente dois km para ir de mais 2  para voltar.

Antonio Pedro Brito de Moura, de 12 anos,  nos contou que existe a alternativa da bicicleta E QUE em solidariedade ao amigo que não tem uma, ele vai a pé.

“Por causa que eu gosto de ir mais ele de pé….AGORA O RETORNO É RUIM, COMO QUE É? É muito ruim por causa que a gente vem no sol quente…MUITO FORTE O SOL? É”, respondeu

SOFRIMENTO

Dona Maria do Socorro  da Rocha tem 6 netos e filhos nesta situação. Nem todo dia estão conseguindo ir a  escola.

 “Essa semana mesmo eles só foram três dias…POR QUE NÃO FORAM OS OUTROS DIAS? É porque a  moto tava sem gasolina (…) pior é eles andar de pé porque eles saem daqui 5 horas da manhã, quando dá 11h30 eles veem de lá pra cá no sol mais monstro do mundo desses”, sustentou a lavradora

A falta de combustível por causa da falta de recursos financeiros  também tem prejudicado os dois filhos de seus Antonio Rocha. Reclama que até agora a prefeitura de Timbiras nada fez a respeito.

“A gente  se sente mal por isso…E A PREFEITURA NÃO DIZ NADA? Nada, nada, nada…O QUE O SENHOR GOSTARIA QUE FOSSE FEITO? Que viesse um veículo novo, uma van, né, um Õnibus  escolar né (…)NEM TODO DIA VOCÊS PODEM LEVAR E TRAZER? Não pode porque nós somos baixa renda, num sabe? Só uma moto pra ir todo mundo, esse tanto de gente”

Crisnanda Rafaela Rodrigues, com dois filhos sendo levados de moto pela pai dela à cidade, revelou que representantes da prefeitura chegaram a ir a Febrú, fizeram uma promessa que nunca foi cumprida.

“Na verdade a comunidade fez uma reunião pra se unir pra ver o que  poderia fazer, mas aí eles vieram, Anteciparam e vieram aqui e fizeram um acordo pra esperar uma semana, pra eles resolveram esse problema, mas esta semana não chegou…JÁ SE PASSARAM MAIS DE  3 SEMANAS? Muito mais, acho que mais de 4 semanas, vai fazer, o quê? Acho que uns dois meses se não me engano”, afirmou

O QUE DIZ O SECRETÁRIO

Nós ouvimos o secretário de Educação Raimundo Silva. Disse que estão com dificuldades para atender as exigências do Ministério Público para aquela rota que é de apenas 5 km. Revelou quais os critérios exigidos pela Promotoria de Justiça, área da Educação.

“Critérios que seja transporte novo, com menos de 8 anos de uso e que tenha, esteja tudo em dia e que seja dirigida por um motorista habilitado com categoria D. Um motorista habilitado categoria D cobra, no mínimo, R$ 1.500,00, a rota ali são R$ 2.000, a rota de 5 km, né, então essa tem sido uma dificuldade, que não justifica a falta de transporte, nós estamos buscando uma saída”, disse

Professor Raimundinho, como é conhecido, esclareceu que para quem tem o transporte escolar que atende a tais critérios fora da cidade não compensa vir a Timbiras por causa do tamanho da rota.

“Nós estamos  a procura de um transporte pra alugar e nas condições que o Ministério Público quer, nós não estamos encontrando, quer não é, realmente, a lei, a gente não tá encontrando, mas a qualquer momento que a gente encontrar um aqui, porque aquela rota, aí vem a pergunta – por que não, ninguém quer transportar criança? quer, mas aquela rota ali é apenas 5 km, então a pessoa daqui só dava pra um timbirense, certo?, é mais fácil, como aqui não tem esse transporte pra vir de fora aí as despesas não compensam  muito, essa é a nossa dificuldade, mas nós estamos atrás, assim que tiver um transporte que sirva a gente tá colocando ali”, afirmou

Um comentário sobre “Crianças da zona rural de Timbiras estão sem transporte escolar desde 13 de setembro”

Deixe uma resposta