Depois de 5h de reunião professores decidem estudar proposta de reajuste do governo

Alenilton Jr e Gilberto Câmara

A reunião de portas fechadas para a imprensa na Promotoria de Justiça começou às 3h da tarde e só terminou às 8:20h da noite de quinta-feira, 17. A intermediação foi feita pelos promotores Alenilton Junior e Gilberto Câmara.

Pela Prefeitura estiveram o secretário de Educação, professor Jacinto Junior, o de governo, Ricardo Torres, a de administração, Délia Assem, e muitos outros assessores do primeiro escalão.

Pelo Sindicato dos Servidores estiveram a professora Vírginia, e os professores Antonio Celso Moreira (presidente do SINDSSERM), Marcelo e Rafael Araújo.

MAIS AUDIÊNCIAS PÚBLICAS

Para resolver todos os demais itens da pauta de reivindicações, de acordo com o promotor Alenilton Junior, serão feitas duas grandes audiências públicas nos dias 23 e 24 de março, uma delas no povoado Cajazeiras.

“Com relação a merenda, com relação à transporte, com relação a infraestrutura tanto das escolas da zona urbana, quanto da zona rural. Inclusive eu tive o compromisso ainda por parte do próprio sindicato de conseguir alguns documentos que sirvam como verdadeira radiografia da educação de Codó, ver todos os aspectos mesas, banheiros, carteiras, tudo que for necessário para que tenhamos uma educação de qualidade na cidade”, disse Dr. Alenilton

DINHEIRO

Na frente dos promotores

Todos os ouvidos pelo blog do Acélio disseram que o reajuste salarial foi a tônica da reunião. Os professores mantiveram o pedido de 21,70%, depois, segundo Jacinto Junior, reduziram para 15% e daí não saíram mais.

O governo manteve sua proposta de 7% apenas. Para o secretário de educação, a proposta de 21% dos educadores é inviável para Codó.

“É praticamente inviável, devido ao impacto financeiro, nós demonstramos aqui através de uma planilha de impacto financeiro em que o resíduo ficou muito pequeno, mas ainda levando em consideração a questão da Lei de Responsabilidade Fiscal que tem um limite prudencial que é uma margem de segurança para qualquer eventualidade a gente ter esta segurança para poder cumprir com o pagamento dos servidores do município de Codó”, disse Jacinto

GREVE?

O impasse continua. Na segunda-feira, 21, haverá o manifesto nas ruas e tudo que o governo propôs será discutido na praça Palmério Cantanhêde, a partir das 8h da manhã. É de lá que sairá o comando de greve, ou não. Vai depender do que a categoria decidir.

“Diante dessa pauta de argumentos nós pegamos uma cópia e iremos levar pra categoria no dia 21, na segunda-feira, nós iremos apresentar lá na praça da igreja de São Sebastião e esse vai ser justamente o dia do ato, do manifesto que nós iremos realizar, o manifesto ele continua e lá nós iremos apresentar para a apreciação da categoria, a categoria que vai deliberar”, garantiu Antonio Celso

5 comentários sobre “Depois de 5h de reunião professores decidem estudar proposta de reajuste do governo”

  1. Os promotores entraram na questão do matadouro público,levantaram a bandeira da educação,estabeleceu critério para a utilização de carros de som,defendeu os portadores de necessidades especiais e os moradores da lagoa da trizidela.Onde mesmo esse prefeito Zito tava?Ele se cala diante dos problemas.É difícil viver em uma cidade com um prefeito que não se apresenta para o povo.

  2. Vcs que têm a intenção de denegrir a imagem do prefeito vao sempre concordar entre si. O fato é que o Prefeito Zito faz o que é correto, ou seja, poder executivo trabalhando em conjunto com o judiciário. Não vejo nenhuma “aula” nisso, apenas os promotores estão fazendo o seu trabalho e o prefeito o dele. Antes não havia diálogo e agora temos um executivo aberto a negociações e pensando no bem comum. Nós é que saimos ganhando!

  3. Não tenho intenção de denigrir imagem do prefeito Zito,apenas explícito suas contradições e minhas decepções.Você, Marcos Paulo,esquece que o Zito,junto com seu grupo político,fizeram uma oposição implacavél contra o Biné.Foram quatro anos de massacre mostrando as maldades do Biné.Zito não chegou ao pode calado e nem distribuindo flores.Ele comandava um exército de críticos, e eu estava lá.Prometemos prestar conta,dos recursos públicos,em praça pública.Propagamos que iriamos combater o nepotismo,que iriamos criar o portal da transparência,que os secretários seriam técnicos,que seriamos inovadores no trato com a coisa pública,que as lícitações seriam divulgadas em nosso meio de comunicação.Que os codoenses teriam informações de todos os fornecedores da prefeitura,que iriamos nos anteciparmos aos problemas,que a merenda escolar não teria os enlatados, mas, verduras, frutas e carnes do Codó.Que iriamos,também,criar o cinturão verde, gerando renda e comida.Ademais,eu visitei mais de duas mil casas defendendo o nome do Zito e tenho a obrigação de me redimir com os codoenses que foram enganados.Agi como um sonhador, acreditando estar diante de um homem estraordinário em suas convicções.De um homem que chamaria para si os desafios de construir uma verdadeira nova Codó.Não fui um eleitor comum,eu participei da campanha com voracidade,portando,tenho o direito e o dever de manifestar-me.Se o Zito,durante a campanha,falasse aos codoenses que daria uma secretaria para o sobrinho e a filha ele seria eleito?Que iria intervir na eleição da Câmara a ponto de levar o Zaidan para sua base,ele seria eleito?Levanto apenas estas questões para clarear as mentes de muitos que só conseguem enxergar o óbvio.

Deixe uma resposta