“Sem lixeiro, centro da cidade tá um lixo” reclama população

No centro comercial, por onde passam milhares de pessoas todos os dias, há muito lixo, quem trafega por na área, como o aposentado Pedro Rodrigues de Assis, reclama. Só é assim na opinião dele porque falta algo que uma cidade do por te Codó já deveria ter.

Porque o certo era em cada esquina ter uma lixeira pra você jogar até ponta de cigarro deve ter o lugar pra você jogar…O SENHOR ENCONTRA ISSO EM CODÓ? Não”, responeu

COLETA para LOJISTAS

Lixo dos lojistas

Na porta das lojas caixas e sacos são usados para conter o lixo e aguardar a coleta. Até contra esta há reclamação, como nos revelou esta comerciária, Maria de Fátima Araújo.

O incômodo é muito grande porque quando você pega o lixo você não tem lugar pra botar, geralmente a gente recolhe no finalzinho da tarde, coloca na porta da rua, mas o carro do lixo só passa uma vez por semana”, reclamou

A falta de opção deixa um centro comercial sujo – sacos plásticos, copos descartáveis, papelão pelas calçadas. Quando chove tudo isso se junta o resultado é péssimo segundo o chaveiro Edinando Viana da Silva

“Rapaz, imagina quando chove, junta tudo aí, bagunça tudo, o lixo desce entra nos lugares ali, precisa ver no mercado quando enche de água, só se tu ver”, denunciou

SEM HÁBITO

Só existe uma praça, a Naby Salem, com cestos – dois pra ser mais exato. Eles enchem rápido e o hábito de jogar tudo no chão já se fez mais forte. Encontramos papel, embalagens de biscoito, copos com resto de comida.

Papel higiênico, copo descartável tudo eles jogam aí, papel, casca de banana, as vezes saem do restaurante popular e jogam casca de banana bem aqui no meio da praça”, afirmou o vendedor Láercio Silva

EXEMPLOS BONS

A espera de coleta

No meio de tanto lixo, dois bons exemplos de atitude. Dona Maria das Dores Soares Filha, lavradora, usa sacolinhas para levar o lixo que produz na rua para casa.

“Quando eu ando com minhas crianças eu ando com uma sacola…pra não sujar a cidade porque menino você sabe quando ver uma coisinha quer comer”, disse

Seu José da Silva vende picolé e para colaborar com a limpeza da cidade usa um cestinho no próprio carro que empurra pela cidade.

“porque eu acho feio se jogar no chão, ta sujando a rua. Se a pessoa tiver cuidado dá menos trabalho para o pessoal”, frisou

PREFEITURA

O secretário de Patrimônio Público, Manoel Ximenes, nos informou que entrará em contato com o prefeito para falar sobre esta necessidade. Logo terá algo a dizer sobre a instalação de cestos para recolhimento de lixo no centro comercial de Codó.

Deixe uma resposta