Codó e o MA continuam sofrendo sem defensores públicos

Codó continua sem defensores públicos apesar do anúncio da Defensoria-geral do Estado, feito dia 15 de julho de 2011, numa sexta-feira, dando conta de que um Núcleo Regional seria construído aqui e em Carolina.

A notícia vinda de São Luís afirmava que em 60 dias tais núcleos estariam concluídos. Há três dias terminou este prazo. Os codoenses ainda não viram iniciadas estas obras. A situação piorou para quem precisa do Estado por não poder pagar os serviços de um advogado.

Domingos Reis que exercia, na Comarca, o trabalho de assistente judiciário (pago pelo Estado para defender os carentes) foi transferido para outra cidade e os cidadãos ficaram a ver navios. Os defenssores designados para Codó , Suzana Camillo Castello Branco e Hélcio Rodrigo Barros ainda não chegaram.

A situação é de caos em todo o Maranhão onde só existem 79 defensores públicos num universo de 217 municípios. O quadro se mantém estável desde 1994 quando foram abertas as primeiras vagas no Estado.

A Defensoria-geral anunciou concurso com provas que serão realizadas dia 11 de dezembro deste ano e inscrições a preço de R$ 170,00 de 23 de setembro a 12 de outubro. Mas serão apenas 4 vagas para provimento imediato, o resto formará cadastro de reserva.

Em síntese, o problema vai continuar.

Um comentário sobre “Codó e o MA continuam sofrendo sem defensores públicos”

Deixe um comentário