Codó registrou mais de 1.500 acidentes de trânsito em 2011 e o problema segue matando

Desde o ano passado, quando deixou de existir fiscalização, o trânsito de Codó se tornou um ambiente propício para acidentes.

Só em 2011, foram 1.561 registrados pelo serviço de atendimento do Hospital Geral Municipal, número este que encontra-se exposto no mural do DMTRANS.

Vando Oliveira, jovem autônomo, entrou para esta estatística em novembro quando foi atropelado por um motociclista que pilotava na contramão.

Quem tava mal era eu, quase desmaiei lá, corte assim perdi muito sangue (…) PRA TE RECUPERAR DEMOROU QUANTO TEMPO? Um mês e meio, mais ou menos”, respondeu ao blogdoacelio

MORTOS

Felizmente ele ficou entre os sobreviventes que guardam cicatrizes para o resto da vida. São estes que procuram a quarta delegacia regional para registrar a ocorrência que dá início à busca de direitos na Justiça (DPVAT). Segundo as atendentes, há dias em que até 8 pessoas aparecem com esta finalidade.

O número de mortes também ficou elevado. O serviço de saúde registrou 10 óbitos provocados por acidentes de trânsito no ano passado.

O ritmo de acidentes continua preocupante este ano. Já são 128 vítimas em quatro meses, com 4 mortes. A tristeza de dona Eva da Silva, moradora do povoado Bacabinha, vem de uma delas.

Ela teve três filhos envolvidos num acidente de motocicletas, um deles, Josuel Rodrigues da Silva, de 43 anos, quebrou o pescoço e veio à óbito na semana passada.

“Sinto demais deu ter perdido meu filho, lembro dele todinho …FATALIDADE MESMO? Grande”, lamentou-se a lavradora

DMTRANS INFORMA

O diretor do DMTRANS, Antonio Joaquim Carrias Costa, informou que ainda está trabalhando no projeto que possibilitará o retorno dos agentes de trânsito às ruas, o que deverá diminuir o número de acidentes.

Indagado sobre por que está demorando tanto – disse que a coleta de informações para a elaboração do projeto demanda tempo e é isso que o departamento está fazendo.

Novamente não deu prazo definido para que o projeto seja posto em prática.

Deixe uma resposta