Fale com Acélio

Foto divulgação

Formatos diferentes, cores, um mais tecnológico que o outro, do jeito que a estudante Francisca Santos e a maioria na idade dela adoram.

“Internet, televisão, fotos, rádio…IMPORTANTE QUE TENHA TUDO? É importante…E AQUELE SIMPLES? Ah! Não presta mais, tá fora de moda”, respondeu ao blog

Seja só pra curtir e falar com os amigos, seja para utilizá-lo como ferramenta de trabalho. Viver sem ele, é um verdadeiro tormento. O mototaxista Valmir disse que é assim que se sente quando fica sem seu celular.

“tô achando ruim, o cliente quer ligar pra gente e no momento não tá tendo celular, difícil”, afirmou

ATÉ NA ZONA RURAL

A mania do celular é tão forte que pode até ultrapassar as barreiras impostas pela capacidade de se captar um sinal. Para constatar isso saímos da cidade e fomos para a zona rural. A, exatamente, 17 kms da cidade onde, comprovadamente, não há operadora funcionando. Fomos saber – será que existem pessoas que não conseguem viver alguns minutinhos sem ele, o celular?.

Tem sim. Jonas Pedro, jovem estudante, não larga o dele por nada e não foi nada difícil encontrá-lo de celular na mão, mesmo sem sinal. Disse que ouve música, ver vídeos e quando entra em área com operadora, liga.

A comerciante do povoado KM17, Eldira Abreu, fez uma adaptação que mistura antena externa, chip do inseparável celular e telefone fixo. Tudo pra continuar conectada.

“É uma mistura, funcionou e graças à Deus tem dado certo (…) custou R$ 500,00”, informou

NOMOFOBIA

É um vício, segundo estudiosos do assunto, que agora tem até nome – Nomofobia. Quando ouviu a palavra o vendedor Luís Carlos Silva, disse “nunca vi falar nessa nova doença, queria saber o motivo que causa isso, né…”

Explicamos. O termo surgiu na Inglaterra e serve para identificar a doença de quem tem medo de ficar sem o celular. Na sequência desta explicação, Luís completou.

“Rapaz, pois eu tenho esta doença, viu (sorrindo) eu durmo com o celular, direto, é minha segunda costela, a primeira é a mulher e a segunda costela é o celular”, confessou

Igor, de 17 anos, também confessou à nossa reportagem – é um nomofóbico.

“fico escutando música, durmo aqui, quando vou acordar é mexendo de novo…DURANTE A NOITE? Até durante a noite…VOCÊ SE CONSIDERA UM VICIADO EM CELULAR? Rapaz eu me considero (sorrindo)”, afirmou

Para não correr o risco de ficar sem, os nomofóbicos usam até três celulares, mas a tecnologia já facilitou muito a vida de gente como Maurício Neto. Em vez de três aparelhos, o músico usa três chips num só.

“hoje é a melhor coisa que aconteceu pra mim, eu não posso ficar sem aparelho eu perco dinheiro”, disse

TRATAMENTO

Como a doença é relativamente nova, os estudos de como tratá-la ainda avançarão no campo da ciência e, até lá, os nomofóbicos terão que aprender que em muitos momentos da vida terão encarar o medo e, simplesmente, desligar.

A ESPOSA NÃO BRIGA? Só na hora em que a gente vai fazer o Love time aí tem que desligar (gargalhada)”, respondeu Mauricinho

Deixe um comentário

PUBLICIDADES

A CONVERSA É COM ACÉLIO TRINDADE

EDITAL

APP RAD MAIS

Dra. Nábia, PEDIATRA

FACULDADE IPEDE

REGIONAL TELECOM

Marque Consulta

FC MOTOS

LOJA PARAISO

PREPARATÓRIO PARA CONCURSO

FARMÁCIA DO TRABALHADOR

PANIFICADORA ALFA

OPTICA AGAPE

SUPERLAR

PHARMAJOY

BRILHO DO SOL

 

CAWEB FIBRA

MUNDO DOS PARAFUSOS

Av. SANTOS DUMONT
CONTATO: (99)98161-3612

PARAÍBA A MODA DA SUA VIDA

Venda de Imóveis Codó-MA

HOSPITAL SÃO PEDRO (HSP)

Óticas HP

CARTÃO NOROESTE

 

 

SEMANA RAD+

 

 

GABRIELA CONSTRUÇÕES

Imprima

Lojas Tropical

Mundo do Real

Cacau Show – Codó-MA

 

Reginaldo

Baronesa Janaína

SÔNIA VARIEDADES

RÁDIOS NET

EAD – Grátis

Categorias