FISCALIZAÇÃO: Empresa explica construção das casas, mas presidente da comissão não sai satisfeito

Empresa explica as fases

Os vereadores Antonio Saruê, Leonel Filho, Chiquinho do Saae e Expedito Carneiro, estiveram ontem, 30, na Trizidela no canteiro de obras do minha Casa, Minha Vida para averiguar o andamento da construção de mais de mil casas.

AS DENÚNCIAS

O presidente da Comissão de Infraestrutura da Câmara, Saruê, falou ao blogdoacelio sobre as denúncias que levaram os parlamentares até o local. Segundo ele, havia muita reclamação dando conta da utilização de material de baixa qualidade e problemas no alicerce das casas.

“A fundura do baldrame não tinha e, realmente, não tem, mas ele (sócio-gestor) tá dizendo pra gente que é outra forma de trabalho que eles estão fazendo, é a laje em cima, que é o concreto em cima, no lugar do baldrame tem a laje de concreto”, disse

Foto: Cândido Sousa

O presidente também reclamou do espaço que pode ser notado entre um tijolo e outro nas paredes já erguidas. Na opinião de Saruê, trata-se de uma tentativa de economia no número de tijolos e até do material usado entre eles, que é o cimento.

“Na emenda dos tijolos, são falhados. Digamos assim, se uma casa for pegar 10 mil tijolos, poderia pegar 8, sete e eu to reclamando ao chefe das casas e ele diz que não – quando ele chamuscar cobre esses buracos, agora eu to achando isso inseguro”, alertou o presidente da comissão

A EMPRESA REBATEU

Quem atendeu aos vereadores, que foram acompanhados dos secretários de Planejamento, Pauly Maran, e de Infraestrutura do município, engenheiro Márcio Esmero, foi o sócio-gestor da Amourim Coutinho, Maciel Neto.

Ele explicou todas as fases de construção e disse que o processo hoje utilizado, além de mais tecnológico, é mais seguro. Por causa do terreno arenoso, a empresa está fazendo um piso profundo e totalmente de concreto que inclui uma malha de ferro, diferente de processos antigos que usavam o ‘radiê’ para levantar e amarrar as paredes.

“A laje que é colocada, no piso é uma laje, como vocês observaram e filmaram, existe no piso uma malha de ferro e ‘concretada’ com cimento e brita, então não existe esta questão de dizer que o material utilizado é de péssima qualidade”, disse

TIJOLOS

Por Cândido Sousa

Sobre os tijolos a explicação foi a dada à Saruê – que a diferença desaparecerá com o reboco. Quanto à isso, o presidente da comissão de infraestrutura insistiu dizendo que o morador não poderá sequer confiar na armação de uma rede na parede para dormir, se os tijolos continuarem da forma que estão.

NÃO HÁ O QUE TEMER

Maciel Neto garantiu que tudo está como planejado e se algo estivesse errado, como sugerem as denúncias, a Caixa Econômica Federal já havia embargado a obra.

“Quem fiscaliza isso aqui é a Prefeitura e um órgão altamente sério que é da Caixa Econômica Federal, todo mundo sabe que é o órgão mais sério que existe neste país em termos de fiscalização de obras (…) se tivesse alguma coisa de péssima qualidade aqui, a obra já teria sido embargada pela Caixa Econômica Federal”, finalizou

Deixe uma resposta