Fale com Acélio

O Brasil é o país com o maior número de casos de dengue no mundo em  2023. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o país registrou 2,9 milhões de casos entre janeiro e dezembro.  Os dados, divulgados na última sexta-feira (22), mostram um aumento recorde no número de casos na América do Sul.

Nas últimas quatro décadas, os registros passaram de 1,5 milhão entre 1980 e 1989 para 17,5 milhões entre 2010 e 2019. A OMS avalia o cenário como de risco elevado a nível mundial, devido ao crescente risco de transmissão e ao aumento de casos e mortes.

“Desde o início de 2023, a transmissão contínua, combinada com um aumento inesperado nos casos de dengue, resultou num máximo histórico de mais de cinco milhões de casos e em mais cinco mil mortes relacionadas com a dengue notificadas em mais de 80 países/territórios e cinco regiões da OMS.” O levantamento aponta ainda relatos, desde 2010, de casos autóctones — originário da própria região — em diversos países. Croácia, França, Israel, Itália, Portugal e Espanha são alguns deles.

Dentre os principais fatores que contribuem com os números alarmantes, estão o aumento das temperaturas causado por fenômenos climáticos e a fragilidade dos sistemas de saúde após a pandemia de Covid-19. A infectologista Joana D’Arc ressalta a importância de monitorar a prevenção à doença durante todo o ano para evitar a proliferação do mosquito transmissor — aedes aegypti — que também é responsável pela transmissão de outras doenças como a Zika e a Chikungunya.

“É um trabalho ininterrupto, porque se eu faço toda a coleta adequada dos resíduos, a fiscalização na época de seca, se fiscalizar os terrenos onde tem a possibilidade de proliferação do vetor, se as medidas de vigilância funcionam na seca, na chuva, a gente não vai ter dengue, então esse monitoramento é permanente”, pontua.

Dengue: o perigo que pode estar ao redor
Municípios e Distrito Federal devem usar recursos destinados ao combate à Covid-19 até 31 de dezembro

Sintomas

Febre alta; dor de barriga; vômitos frequentes; agitação; sonolência; manchas vermelhas; sangramentos; e pressão baixa são alguns dos possíveis sintomas da doença. Casos em que o Ministério da Saúde recomenda procurar um médico. A pedagoga Luana Muller, de 25 anos, teve dengue em maio de 2023.
“Eu fiquei, basicamente, uns cinco dias tendo febre, dor no corpo e dor nos olhos. Tinha muita dor de cabeça, não conseguia ficar acordada, dormia o tempo inteiro. Fui ao hospital, fui diagnosticada”, conta.

Como forma de prevenção, as autoridades de saúde ressaltam a necessidade de eliminar locais de acúmulo de água parada para impedir a reprodução do vetor da doença. Além disso, é aconselhável utilizar repelentes e instalar telas em portas e janelas para proteger-se das picadas do mosquito.

Vacina

Na última quinta-feira (21), o Ministério da Saúde incorporou a vacina contra a dengue no Sistema Único de Saúde (SUS). De acordo com a pasta, o Brasil é o primeiro país do mundo a oferecer o imunizante no sistema público. A fabricante da vacina estima entregar mais de 5 milhões de doses entre fevereiro e novembro de 2024. O esquema vacinal de duas doses deve ser inicialmente aplicado em regiões com maior incidência de casos. Segundo o Ministério, as definições das estratégias de aplicação devem ser definidas nas primeiras semanas do ano

Fonte: Brasil 61

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

PUBLICIDADES

A CONVERSA É COM ACÉLIO TRINDADE

APP RAD MAIS

Dra. Nábia, PEDIATRA

JÉSSICA COUTINHO

IMPULSO CRED

REGIONAL TELECOM

Marque Consulta

FC MOTOS

LOJA PARAISO

FARMÁCIA DO TRABALHADOR

PANIFICADORA ALFA

OPTICA AGAPE

SUPERLAR

BRILHO DO SOL

 

CAWEB FIBRA

PARAÍBA A MODA DA SUA VIDA

Venda de Imóveis Codó-MA

HOSPITAL SÃO PEDRO (HSP)

Óticas HP

CARTÃO NOROESTE

 

 

SEMANA RAD+

GABRIELA CONSTRUÇÕES

Imprima

Lojas Tropical

 

Mundo do Real

Reginaldo

Baronesa Janaína

RÁDIOS NET

EAD – Grátis

Categorias