PÁGINAS DE CODÓ (LXXII) – CLODOMIR TEIXEIRA MILLET

Escritor Carlos Gomes
Escritor Carlos Gomes

Médico e político. Filho de Naja José Millet e de Rosalina Teixeira Millet. Nasceu em Codó, a 17 de agosto de 1913, os seus estudos tiveram início na sua cidade natal, em seguida, na vizinha cidade de Coroatá, devido à mudança de seu pai para aquela cidade. O ginasial cursou no antigo Instituto Viveiros. Formou-se em medicina pela Faculdade da Bahia, em 1936.

Retornando ao Maranhão, deu início a sua carreira de médico, mas com o pensamento voltado às violências políticas praticadas pelo Estado-Novo. Com a volta ao Estado de Direito, em 1945, participou dos movimentos democráticos ocorridos no Maranhão. Aliando-se a Lino Machado ingressa no Partido Republicano.

No pleito de 1946 apoiou Lino Machado para governador, sendo eleito Sebastião Archer da Silva, na época Prefeito de Codó.

Foi convidado em 1949 pelo Governador de São Paulo, Ademar de Barros, para organizar no Maranhão o recém-fundado Partido Social Progressista. Estruturado o partido é escolhido como Presidente da nova agremiação, o ex-desembargador Luis Cortez da Silva. Clodomir Millet ficou no exercício da Secretaria Geral.

O Partido Social Progressista, coube comandar a luta contra o Vitorinismo instalado no Estado. É criado no Maranhão para as pugnas eleitorais, o Jornal do Povo, dirigido pelo jornalista Neiva Moreira, e para disputar o pleito eleitoral de 1950, lança a candidatura ao Palácio dos Leões de Saturnino Bello, como também, disputa uma cadeira de Deputado na Câmara Federal. É adepto ao retorno político de Getúlio à Presidência da Republica através das urnas, em 1950.

Conseguiu eleger-se Deputado Federal pelo PSP, no entanto, não aceitou a vitória obtida nas urnas pelo candidato ao Governo, Eugênio Barros, acusando o pleito de fraudulento, contestando-o via jurídica com a interposição de recursos dirigidos ao Tribunal competente.

A batalha jurídica contra a posse de Eugênio Barros foi longa, atraiu as atenções da imprensa nacional e estrangeira quando deflagrou a greve na Ilha de São Luis. Finalmente, Eugênio Barros toma posse por uma decisão do Superior Tribunal Eleitoral.

Fruto de tantas refregas políticas, Clodomir Millet torna-se um hábil perito eleitoral, conhecedor profundo do Código Eleitoral, interpretava-o com facilidade.

Nas eleições que se seguiram 1954 e 1958 saiu vitorioso nas urnas reelegendo-se para a Câmara de Deputados. Na legislatura: 1955-1959 representou o Maranhão na Câmara Federal com os seguintes deputados maranhenses: Hugo da Cunha Machado, Newton de Barros Bello, Lister segundo da Silveira Caldas, Cid Rojas Américo de Carvalho, Aluísio Fragoso de Lima Campos (falecido), substituído por Antonio Eusébio de Costa Rodrigues, Renato Bayma Archer da Silva, Antonio Jorge Dino, Benedito Freitas Diniz e Afonso da Silva Matos.

Senador da República, elegendo-se em 1966 pela aliança Renovadora Nacional. Ocupou no Senado Federal a Comissão de Orçamento, a Comissão de Valorização da Amazônia, membro das Comissões, de Finanças, do Polígono das Secas, de Relações Exteriores e exerceu a secretaria da Comissão Diretora do Senado, biênio 1971/1972, foi ainda presidente da Comissão de Assuntos Regionais (1973) e finalmente, membro do Diretório Nacional da ARENA.

Professor do Curso de Medicina da Universidade Federal do Maranhão e ao mesmo tempo, exerceu a presidência da Sociedade de Medicina e Cirurgia do Maranhão.

No governo do Presidente Jose Sarney – (1986), aceitou o convite para dirigir a empresa Usinas Nacionais de Açúcar, vinculada ao Ministério de Indústria, Comércio e Turismo. Permaneceu à frente desta estatal até o seu falecimento, ocorrido em 16 de janeiro de 1988, na cidade do Rio de Janeiro.

Na sua cidade natal, é homenageado merecidamente, com um colégio que leva o seu nome, localizado no bairro São Francisco.

O ilustre filho de Codó,é patrono da Comenda Municipal, Lei nº 1319, que condecora políticos codoenses ou não codoenses.

 Codó – MA, 12 de maio de 2014.                                                             Prof. Carlos Gomes.

 Sócio Fundador da Associação Cultural Codoense “Antonio Almeida Oliveira”.

 Transcrito do Livro Codoenses & Não Codoenses, inédito.

2 comentários sobre “PÁGINAS DE CODÓ (LXXII) – CLODOMIR TEIXEIRA MILLET”

  1. Olá! Sou funcionária de uma escola em Brejo Maranhão cujo nome é Senador Clodomir Millet. Estamos fazendo o levantamento da biografia de Clodomir e precisamos de uma fotografia dele e não encontramos nenhuma nas pesquisas no Google. Alguém de codó poderia nos ajudar?

Deixe um comentário