Fale com Acélio

Dra. STela Braga

A maioria das convenções de Codó está marcada para o dia 30 de junho, prazo final dado pela Justiça para que os partidos oficializem seus candidatos. Além da data, os locais também já foram definidos e todos esperam lotá-los com seus convencionais.

Enquanto os partidos se preparam para o grande dia, a Justiça Eleitoral aqui de Codó já saiu na frente lembrando regras, baseadas na lei eleitoral, que visam coibir os excessos e evitar crimes eleitorais já a partir do dia 30 de junho.

ESTÁ PROIBIDO

A juíza da 69ª Zona Eleitoral, Stela Pereira Muniz Braga, já enviou ofício aos partidos e proibiu, entre outras coisas, o uso de apresentações folclóricas, distribuição de bebida alcóolica e até de camisetas e bonés com as cores do partido e seu respectivo número.

As camisetas e bonés não estão previstas como material de propaganda permitido nas convenções, sobretudo porque elas vão representar brinde para beneficiário, para o próprio candidato e isso é vedado por lei, o que seria possível é haver a fixação de faixas, de bandeirolas, chamando os convencionais para a convenção, mas dentro ali do ambiente não é permitido o uso de camisetas”, explicou a juiza

FISCALIZAÇÃO RÍGIDA

E engana-se quem ache que ela não vai fiscalizar no dia. Ao blog revelou que oficiais de Justiça estarão por toda parte nas convenções.

“Nós encaminhamos ofício circular e informamos que estaremos fiscalizando todas as convenções através dos oficiais de Justiça, vamos verificar se eles estão obedecendo ou não os regramentos da lei eleitoral”, garantiu a magistrada

OPINIÃO DO ELEITOR

Acostumados a ficarem um pouco mais livres no dia da convenção muitos eleitores codoenses se dividiram ao opinarem sobre as regras. Alguns apoiaram as recomendações, outros nem tanto. O lavrador, Manoel Cruz, disse que o cidadão merecida ganhar ao menos bonés e camisas, já que depois de eleitos os políticos não dão mais nada.

Já que a pessoa não ganha outra coisa devia ganhar ao menos uma camisa de um candidato, mas se eles proibiram que há de fazer?”, questionou

O técnico de enfermagem, Raimundo Nonato Silva, foi a favor da proibição da cachaça.

“Sem cachaça, porque você sabe onde tem bebida tem muitos problemas, as pessoas se estressam, as pessoas chegam ao ponto de fazer coisas que não devem por efeito da própria bebida”, argumentou

RADICAL

Já o vigilante Fernando Macêdo acha que a juíza exagerou na recomendação aos partidos. Na opinião dele é um direito do eleitor manifestar suas paixões partidárias, desde que de maneira pacífica e ordeira.

“Se a pessoa gosta de um partido tem o direito de se manifestar, pra mim é uma coisa, se a juíza fez isso aí se precipitou porque todo mundo tem direito de se manifestar, se a gente gosta, desde que seja um manifesto sem bagunça, é claro”, disse

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

PUBLICIDADES

A CONVERSA É COM ACÉLIO TRINDADE

APP RAD MAIS

Dra. Nábia, PEDIATRA

QUINCAS BORBA – VESTIBULARES

Medicina Integrada – Pedro Augusto

REGIONAL TELECOM

Marque Consulta

FC MOTOS

LOJA PARAISO

FARMÁCIA DO TRABALHADOR

PANIFICADORA ALFA

OPTICA AGAPE

SUPERLAR

PHARMAJOY

BRILHO DO SOL

 

CAWEB FIBRA

PARAÍBA A MODA DA SUA VIDA

 

Venda de Imóveis Codó-MA

HOSPITAL SÃO PEDRO (HSP)

Óticas HP

CARTÃO NOROESTE

 

 

SEMANA RAD+

 

 

GABRIELA CONSTRUÇÕES

Imprima

Lojas Tropical

Mundo do Real

Reginaldo

Baronesa Janaína

RÁDIOS NET

EAD – Grátis

Categorias