POPULAÇÃO PEDE SOCORRO: Falta de atendimento no HGM está levando UPA para a UTI

Ontem à noite, 18, tivemos a triste oportunidade de vivenciar o drama da maioria dos codoenses que precisa utilizar o serviço público de saúde de emergência em Codó.

UPA de Codó

Com minha filha, de 3 anos, apresentando tosse excessiva, a ponto de vomitar, levei-a ao Hospital Geral Municipal. Parecia, praticamente, deserto, bem diferente do que tínhamos antes da UPA. Tinha apenas um médico de plantão, e não era pediatra.

Logo fui aconselhado, na recepção, a procurar a UPA onde lá estariam dois pediatras. Segui o conselho que está sendo dado à maioria, horrível, por sinal, uma vez que a distância entre as duas unidades de emergência é enorme. Imagine alguém que chega de bicicleta, por exemplo, ou mesmo a pé em busca de socorro médico no HGM.

NA UPA

Ao chegar na UPA, tive uma ótima primeira impressão. Tudo limpo, duas recepções onde as atendentes sorriem e dão boa noite (uma diferença do HGM onde você só ouve – QUÊ QUE ELA TEM?, ressalte-se que esta pergunta vem sempre de alguém mal humorado).

Na primeira, a temperatura da criança é medida e o nome dela é solicitado. Na segunda recepção, o paciente, após dá a identidade e endereço completo, é orientado a aguardar outra chamada – a que vai analisar sua CLASSIFICAÇÃO DE RISCO.

Na classificação de risco, uma enfermeira pergunta o que a criança tem, educadamente, e manda você esperar o nome de quem vai ser consultado aparecer num computador de chamada instalado na frente dos bancos de espera.

Tudo muito lindo e organizado até aí, lembrei até do nível de humanidade das clínicas particulares de Teresina (devo admitir).

DECEPÇÃO

Mas logo percebi que o HGM está adoecendo a UPA. Chega gente demais, a todo hora, e perguntado descobri que a maioria dizia a mesma coisa “ESTOU VINDO DO HGM”, como eu. O inchaço trava o atendimento.

No meu caso, cheguei por volta das 8h50 da noite e só pude sair, atendido, depois das 22h15min. Mais de uma hora de espera.

DO HGM PARA UPA

O município abandonou, praticamente, o serviço de emergência. A reclamação é geral na cidade e eu presenciei isso. Um erro grosseiro da Secretaria Municipal de Saúde uma vez que a UPA chegou para auxiliar e não para absorver toda a carga, mas está absorvendo. Enquanto isso, o governo municipal ainda não apresentou justificativas plausíveis para a queda, brutal, do atendimento do Hospital Geral. Precisa responder – para onde está indo o dinheiro antes aplicado?

Tanto é verdade, a absolvição da demanda, que a UPA está fazendo coisas fora do normal para não mandar de volta casos que chegam enviados do HGM.

Atente bem. Como a UPA não pode atender casos de menor gravidade, como era o da minha filha, por exemplo, os médicos, com dó de quem já veio de longe e pegou um super chá de cadeira, fazem anotações que o programa de computador, criado pelo Governo Federal específico para as UPAs, aceita.

Exemplo, quem foi atendido por tosse seca, vai aparecer com uma dispneia, por exemplo, que é mais grave e o programa aceita.

Culpa de quem? Da falta de Atendimento de Emergência, adequado, no HGM que, repito, está adoecendo a Unidade de Pronto Atendimento.

FALTA PEDIATRA

A UPA também tem um problema que precisa ser corrigido pela Secretaria Estadual de Saúde. Existem apenas dois médicos pediatras que atendem de segunda a quarta, pela informação que obtive in loco, tem dia que só à noite.

No demais dias, encontraremos clínicos gerais fazendo atendimento como se pediatras fossem (literalmente nos consultórios de pediatria).

Isso pode ser constatado facilmente, infelizmente alguém na sua casa precisa adoecer.

Deixe uma resposta