Ricardo Archer relembra época de grandes expulsões de lavradores por causa de investimentos da SUDENE

A entrevista de Ricardo Archer ao programa Confidencial deste Sábado, 5, ainda vai dar muito o que falar no meio político. O ex-prefeito demonstrou respeito para com o grupo de Francisco Nagib e Marcelo Rocha também não foi besta de triscar no assunto, pois a reação de Archer poderia ser desagradável.

Mas, enfim, entrevistado e entrevistador mantiveram o bom senso, até porque estavam dentro da casa alheia, digo na FCTV.

“SEMPRE ASSENTAMOS AS PESSOAS’

Mas os demais políticos não tiveram a mesma sorte. Por exemplo, quando Rocha tocou no assunto Corredor da Folia com muro no meio, o ex-prefeito fez uma viagem no tempo para explicar que só reagiu daquela forma porque a Prefeitura, que tem condições, tentou tomar o que era dele.

“Nós sempre assentamos as pessoas independente de qualquer posição, agora o que eu não posso aceitar é que pessoas que têm condições tentem tomar o que é nosso, aí nós vamos partir pra briga e foi o que aconteceu, a Prefeitura tentou tomar conta de uma praça que é nossa’, afirmou

LAVRADORES EXPULSOS

Para provar que sempre esteve do lado das pessoas pobres doando terra para se morar e não tomando como seus opositores tentaram passar para a sociedade, Archer lembrou do tempo em que o Codó Novo, terra da Manufatureira da família dele, surgiu.

Foi um povoamento forçado pelo êxodo rural provocado por expulsões em massa de lavradores do campo, na época dos grandes investimentos da SUDENE em Codó, sobretudo na década de 1980.

“Nenhum cidadão fez o que eu fiz. A população foi expulsa do interior desde a época da Sudene. Nós sempre apoiamos os mais carentes, os mais necessitados, principalmente na explosão da Sudene aonde várias e várias pessoas foram expulsas, lugarejos inteiros do interior aqui de Codó as pessoas foram postas pra fora…TEVE ISSO AQUI? Teve, dos campos de arroz, dos campos da Sudene e tudo”, revelou

‘NUNCA COBREI

Ricardo Archer reforçou seu argumento dizendo que fez o povoamento sem cobrar nada de ninguém, mesmo sabendo que muitos não simpatizam com ele politicamente. O que ele não aceita é apenas que ricos tentem tomar o que é dele

“E naquela época, 1980, 1982 por aí assim nós estávamos colocando as pessoas no Codó Novo, é bem aqui pertinho, São Sebastião. Eu nunca cobrei, tem pessoas ali no Codó Novo que não votam em mim. Na época da campanha de Cristina, passamos em vários lugares lá e o pessoal não votava, quando o Ricardo (filho) foi candidato nós fomos à vários lugares no Codó Novo, no Santo Antonio e as pessoas falavam”, concluiu

Como ele não disse quem expulsou tanta gente assim, eu também vou ficar na minha.

Mas a pergunta fica no ar – quem expulsou lavradores por causa de investimentos da Sudene em Codó?

Deixe uma resposta