Fale com Acélio

O Ministério da Saúde vai premiar, pela primeira vez, o alto padrão de qualidade das Equipes de Atenção Básica (EAB) que integram a política Saúde Mais Perto de Você. A lista das equipes que foram avaliadas pelo Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB) consta da Portaria 2.626.

Para o Maranhão, serão destinados R$ 530 mil referente à avaliação de 108 equipes que aprimoraram o padrão de qualidade no atendimento à população. Serão beneficiados 21 municípios maranhenses (confira a lista dos municípios abaixo).

Em todo o país, serão repassados quase R$ 75 milhões referentes à certificação de 15.095 equipes de 3.532 municípios. Desde o ano passado, o Ministério da Saúde já repassou para o PMAQ R$ 534 milhões. Só para o Maranhão já foram destinados R$ 3,6 milhões.

“É a primeira vez que o Ministério da Saúde está repassando recursos com base na qualidade do atendimento na Atenção Básica. Agora, passamos a ter um padrão de qualidade nacional”, afirma o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

Também pela primeira vez, o Ministério da Saúde ouviu, pessoalmente, a opinião dos usuários sobre o atendimento prestado por Equipes de Atenção Básica. Foram entrevistados 55.951 mil usuários. No Maranhão, 445 usuários participaram da avaliação.

Equipes bem avaliadas em indicadores – como atendimento pré-natal, acompanhamento de doentes crônicos, tempo de espera por consulta e adequada atenção à saúde do idoso, entre outros – poderão receber até R$ 11 mil por mês.

No Maranhão as equipes que receberão recursos por terem se destacado na melhoria da qualidade do atendimento  foram as de:

MA  Açailândia –   12.400,00

MA  Amarante do Maranhão  – 10.500,00

MA  Araioses  – 7.800,00

MA  Bacabal  –  10.000,00

MA  Buriticupu –  5.100,00

MA  Buritirana  – 13.900,00

MA  Cidelândia  – 11.000,00

MA  Coelho Neto –  57.200,00

MA  Duque Bacelar – 32.700,00

MA  Estreito –  11.000,00

MA  Grajaú – 30.800,00

MA  Imperatriz – 86.000,00

MA  João Lisboa  – 13.200,00

MA  Loreto –  4.400,00

MA  Matões  – 22.000,00

MA  Montes Altos – 2.200,00

MA  Porto Franco – 8.800,00

MA  São João do Soter  – 39.600,00

MA  São Raimundo das Mangabeiras –  6.600,00

MA  São Roberto  – 2.200,00

MA  Timon –  143.000,00

Com informações da ASCOM/Ministério da SAÚDE

Um comentário sobre “SAÚDE:Equipes da Atenção Básica de Codó não se destacam e ficam fora do prêmio de qualidade”

  1. Conhecendo o Desconhecido

    1 – A Portaria nº 2.626 do Gabinete do Ministro da Saúde, de 19 de novembro de 2012, traz no seu Caput :
    “Autoriza o repasse de incentivo financeiro do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ_AB), denominado como Componente de Qualidade do Piso de Atenção Básica Variável”
    2 – A Portaria nº 2.626/2012 GM em nenhum momento fala em premiação, mas sim, em incentivo financeiro a forma de repasse VARIÁVEL (o município pode ou não interessar-se oportunamente pela programação disposta). Também significa adesão dos municípios que através de seus gestores pactuaram através de um termo de adesão.
    3 – Se fizermos uma retrospectiva ao disposto na Portaria nº 1.654/GM/MS, de 19 de julho de 2011, veremos que o Ministro da Saúde institui no Sistema Único de Saúde (SUS), O PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA e o INCENTIVO FINANCEIRO DO PMAQ-AB, denominado Componente de Qualidade do Piso da Atenção Básica Variável;
    4 – E o que é este PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA?
    é um Programa que procura induzir a instituição de processos que ampliem a capacidade das gestões federal, estaduais e municipais, além das Equipes de Atenção Básica, em ofertarem serviços que assegurem maior acesso e qualidade, de acordo com as necessidades concretas da população E não tão somente premiação aos heróis da matéria “SAÚDE: Equipes da Atenção Básica de Codó não se destacam e ficam fora do prêmio de qualidade”.
    O Programa busca induzir a ampliação do acesso e a melhoria da qualidade da atenção básica, com garantia de um padrão de qualidade comparável nacional, regional e localmente de maneira a permitir maior transparência e efetividade das ações governamentais direcionadas à Atenção Básica em Saúde em todo o Brasil.
    O PMAQ está organizado em quatro fases que se complementam e que conformam um ciclo continuo de melhoria do acesso e da qualidade da AB (Adesão e Contratualização; Desenvolvimento; Avaliação Externa; e Recontratualização).
    A primeira fase do PMAQ consiste na etapa formal de adesão ao Programa, mediante a contratualização de compromissos e indicadores a serem firmados entre as Equipes de Atenção Básica com os gestores municipais, e destes com o Ministério da Saúde num processo que envolve pactuação local, regional e estadual e a participação do controle social.
    A segunda fase do PMAQ consiste na etapa de desenvolvimento do conjunto de ações que serão empreendidas pelas Equipes de Atenção Básica, pelas gestões municipais e estaduais e pelo Ministério da Saúde, com o intuito de promover os movimentos de mudança da gestão, do cuidado e da gestão do cuidado que produzirão a melhoria do acesso e da qualidade da Atenção Básica. Esta fase está organizada em quatro dimensões (Autoavaliação; Monitoramento; Educação Permanente; e Apoio Institucional).
    A terceira fase do PMAQ consiste na avaliação externa que será a fase em que se realizará um conjunto de ações que averiguará as condições de acesso e de qualidade da totalidade de municípios e Equipes da Atenção Básica participantes do Programa.
    E, finalmente, a quarta fase do PMAQ é constituída por um processo de pactuação singular das equipes e dos municípios com o incremento de novos padrões e indicadores de qualidade, estimulando a institucionalização de um processo cíclico e sistemático a partir dos resultados alcançados pelos participantes do PMAQ.
    Os repasses financeiros dos municípios dispostos na Portaria nº 2.626/GM, referente ao incentivo tratado não significa que estes são os melhores serviços de saúde do Maranhão, e/ou os que deveriam estar no Pódio de Classificação, são na verdade os municípios que pactuaram para o PMAQ-AB.
    Açailândia R$ 12.400,00
    Amarante do Maranhão R$ 10.500,00
    Araioses R$ 7.800,00
    Bacabal – R$ 10.000,00
    Buriticupu – R$ 5.100,00
    Buritirana – R$ 13.900,00
    Cidelândia – R$ 11.000,00
    Coelho Neto – R$ 57.200,00
    Duque Bacelar – R$ 32.700,00
    Estreito – R$ 11.000,00
    Grajaú – R$ 30.800,00
    Imperatriz – R$ 86.000,00
    João Lisboa – R$ 13.200,00
    Loreto – R$ 4.400,00
    Matões – R$ 22.000,00
    Montes Altos – R$ 2.200,00
    Porto Franco – R$ 8.800,00
    São João do Soter – R$ 39.600,00
    São Raimundo das Mangabeiras – R$ 6.600,00
    São Roberto – R$ 2.200,00
    Timon – R$ 143.000,00

    Nestes casos porque uns municípios receberam mais recursos financeiros que outro? será critério populacional? Ou mais Equipes de Atenção Básica implantadas? Ou mérito do maior ou do melhor desempenho?

    Não! A resposta está nos Art. 13 e Art. 14 da Portaria nº 1.654 GM, que classifica o desvio-padrão

    Art. 13. Para a classificação de desempenho das equipes contratualizadas, realizada por meio do processo de certificação, cada Município ou o Distrito Federal será distribuído em diferentes estratos, definidos com base em critérios de equidade, e o desempenho de suas equipes será comparado à média e ao desvio-padrão do conjunto de equipes pertencentes ao mesmo estrato.

    Art. 14. Para fins da 1ª (primeira) classificação das equipes contratualizadas, por meio do processo de certificação, que definirá os valores a serem transferidos aos Municípios e ao Distrito Federal, a avaliação de desempenho considerará os seguintes critérios:
    I – INSATISFATÓRIO: quando o resultado alcançado for menor do que – 1 (menos um) desvio padrão da média do desempenho das equipes contratualizadas em seu estrato;
    II – REGULAR: quando o resultado alcançado for menor do que a média e maior ou igual a 1 (menos um) desvio padrão da média do desempenho das equipes em seu estrato;
    III – BOM: quando o resultado alcançado for maior do que a média e menor ou igual a +1 (mais um) desvio padrão da média do
    desempenho das equipes em seu estrato; e
    IV – ÓTIMO: quando o resultado alcançado for maior do que +1 (mais um) desvio padrão à média do desempenho das equipes em seu estrato.

    CONCLUSÃO:
    Por determinação do Gestor de Saúde municipal, Doutor Cláudio Ferreira Paz, a sua assessoria técnica foi orientada, a preparar o município na segunda gestão do Governo Zito Rolim (2013-2016), para pactuar ao PMAQ-AB, sem perder o foco das ações, programas e serviços existentes e os que fazem interface com a atenção básica. E a partir da implementação da Rede Mais Perto de Você – que se darão através de arranjos organizativos, tais como:

    – Construções de:
    Nove Unidades Básicas de Saúde e uma Academia de Saúde;

    – Implementações:
    Estratégia Saúde da Família de 24 para 49 Equipes;
    Estratégia de Saúde Bucal de 6 para 19 Equipes;
    Estratégia de Agentes Comunitários de Saúde de 278 para 336 ACS;
    Núcleo de Apoio à Saúde da Família de 1 para 3 Equipes;

Deixe um comentário

PUBLICIDADES

A CONVERSA É COM ACÉLIO TRINDADE

EDITAL

APP RAD MAIS

Dra. Nábia, PEDIATRA

FACULDADE IPEDE

REGIONAL TELECOM

Marque Consulta

FC MOTOS

LOJA PARAISO

PREPARATÓRIO PARA CONCURSO

FARMÁCIA DO TRABALHADOR

PANIFICADORA ALFA

OPTICA AGAPE

SUPERLAR

PHARMAJOY

BRILHO DO SOL

 

CAWEB FIBRA

MUNDO DOS PARAFUSOS

Av. SANTOS DUMONT
CONTATO: (99)98161-3612

PARAÍBA A MODA DA SUA VIDA

Venda de Imóveis Codó-MA

HOSPITAL SÃO PEDRO (HSP)

Óticas HP

CARTÃO NOROESTE

 

 

SEMANA RAD+

 

 

GABRIELA CONSTRUÇÕES

Imprima

Lojas Tropical

Mundo do Real

Cacau Show – Codó-MA

 

Reginaldo

Baronesa Janaína

SÔNIA VARIEDADES

RÁDIOS NET

EAD – Grátis

Categorias