VÍDEO: Acidente envolvendo cidadão de Coroatá deixa um morto na BR-316

Durante toda a manhã desta segunda-feira, 15,  o corpo da vítima identificada como Wisley de Sousa, de apenas 23 anos, ficou preso às ferragens  de um Classic Branco, placa MA-SÃO LUÍS, OXT – 5269, até a chegada da Polícia Rodoviária Federal, às 11h06min,  que autorizou a retirada aos bombeiros que foram atender a ocorrência.

Wisley de Sousa

Tudo indica que o jovem  tenha errado ao fazer uma ultrapassagem, na altura do povoado Riacho Seco que fica às margens da BR-316, na zona rural de Codó.

Testemunhas  do povoado contam que o motorista que morreu na hora  tentou fazer uma ultrapassagem e acabou  encontrando um veículo que vinha na mão certa no sentido Teresina, uma pick up Ranger, placa MA-COROATA OXL – 2272.

Seu Carlos Alberto Gomes da Silva  viu o momento do acidente que aconteceu por volta das 7h30min da manhã.

“Ele ia no  fundo da carreta e quando ele entrou pra fazer ultrapassagem, fechada, aí a caminhonete tava vindo e eles bateram de frente (…) imprudência né porque o cara entrar pra fazer ultrapassagem  no lugar que não pode fazer ultrapassagem acho que é pra acontecer um acidente, né”, disse o lavrador

Uma equipe do SAMU também esteve no local.

 “e do ponto de vista de procedimento nosso não havia mais o que fazer já que a vítima já se encontrava em óbito. As outras duas pela avaliação da equipe, que inicialmente veio socorrer, foram apenas escoriações leves, são pacientes que estão fora de risco iminente de vida, só um óbito mesmo no local”, explicou-nos o médico Sérgio Cavalcante.

A caminhonete  que bateu de frente com o carro da vítima também ficou inutilizada dado à violência do impacto. Dentro dela estavam o motorista João Marques da Costa Filho que mora em Coroatá, mas se deslocava de Peritoró à Teresina e um passageiro, Fábio Alves Mendes. Ambos escaparam ilesos.

Sobreviventes Fábio e João Marques da Costa Filho

O corpo de Wisley de Sousa está no Hospital Geral Municipal de Codó aguardando identificação dos familiares. O hospital não sabe em que cidade a vítima morava.

Deixe uma resposta