Empresário codoense flagrado com carga roubada já apresentou duas versões à polícia

O vídeo  abaixo, feito pela Polícia Civil,  mostra o momento em que os policiais encontraram a carga aqui em Codó que foi roubada no interior de Minas Gerais.

Num depósito  da Av. Santos Dumont  foram encontradas 4.052 caixas de café, avaliadas em cerca de R$ 400.000,00 segundo o delegado que preside o inquérito.

São 2.366 caixas de café da marca 3 Corações à vácuo e 1.686  caixas de café em pó.

ESTRATÉGIA POLICIAL

Foi a seguradora quem avisou a polícia dando conta de que a carga roubada, que está agora em caminhões no pátio da 4ª Delegacia Regional  após a apreensão, estaria em Codó.

Daí em diante os investigadores passaram a visitar o comércio se fazendo passar por compradores interessados numa quantidade maior de café. Encontraram o que procuravam no Armazém Chaves.

Empresário Antonio Luis Chaves

O dono do depósito é o empresário do ramo de distribuição Antonio Luis Silva Chaves. À polícia apresentou duas versões, na primeira disse que tinha comprado apenas 10 caixas de café e que já havia vendido 7 delas. Depois mudou a história.

 “E ele depois nos confessou que, realmente, tinha um café em determinado espaço no armazém dele, mas que ele teria alugado esse espaço pra uma determinada pessoa, só que ele não soube nos informar o nome, a procedência da pessoa para quem teria alugado por cerca de R$ 3.000,00 e que o café estaria lá”, explicou o delegado

CADEIA

O empresário foi preso em flagrante e será indiciado pela forma mais grave do crime de receptação, cuja pena em caso de condenação pode ser de 3 a 8 anos de cadeia,  porque o delegado ficou convencido de que Antonio Luis tinha a intenção de comercializar o café roubado em Minas Gerais.

 “Como a gente chegou a conclusão de que ele estaria vendendo o produto, nós estamos autuando na receptação qualificada, art. 180, § 1º do Codó Penal”, concluiu o delegado

10 comentários sobre “Empresário codoense flagrado com carga roubada já apresentou duas versões à polícia”

    1. Isso é uma grave acusação.A Polícia Civil e o Ministério Público tem como identificar o leitor de apelido “Eu sei” que faz a acusação para que aponte os nomes, pois não podemos deixar impune nem acusador se for falso o comentário e nem os acusados pelo o tal “Eu sei”.

      1. Então meu caro colega….o leitor tem de ser investigado e punido por fazer um comentário livre numa nação livre?
        Pelo que está escrito, ele apontou o nome de algum conhecido seu?
        Ele ou ela é o culpado pelas mazelas de Codó?
        Acredito piamente que os culpados devem ser investigados e todos os que expressarem seus comentários de maneira livre neste blog sério e livre são pessoas de bem.vc Jr ao contrário nem sabe ler e interpretar palavras. Volte pra escola.

Deixe uma resposta