POLICIAL MILITAR DE CAXIAS SALVA CRIANÇA JÁ SEM RESPIRAÇÃO  VÍTIMA DE AFOGAMENTO 

HERÓIS DA VIDA REAL

POLICIAL MILITAR DO 2° BPM SALVA CRIANÇA JÁ SEM RESPIRAÇÃO  VÍTIMA DE AFOGAMENTO

Na tarde de sábado, 29,  uma criança, (1 ano e 8 meses), foi trazida para o Pelotão da PM no Povoado Brejinho.

De acordo com a família, a criança sofreu um afogamento em uma piscina e quando chegou estava desacorda.

Prontamente a guarnição recebeu a criança nos braços e percebeu que ela também não respirava.

Com a habilidade e presteza típicos dos profissionais mais qualificados, o policial militar conseguiu realizar a desobstrução das vias aéreas da criança com a manobra de heimilich e esta voltou a respirar.

Após esse procedimento encaminhou a criança ao hospital infantil de Caxias.

ASSECOM/2° BPM

Equatorial Energia renegociará dívidas de consumidores de Caxias durante Feirão

Nos dias 5 e 6 de dezembro, a Equatorial Maranhão realiza a negociação de dívidas dos consumidores de Caxias durante o Feirão Limpa Nome, que acontecerá no Caxias Shopping. Os descontos poderão chegar até 90%.

O feirão oferecerá aos clientes que possuem dívidas com a Companhia, a oportunidade negociar seus débitos com condições especiais, proporcionando aos clientes a ficarem em dia.

O Feirão Limpa Nome tem o apoio da Câmara dos Dirigentes Lojistas de Caxias, Sindicato dos Lojistas do Comércio do Estado do Maranhão, Sebrae e Secretaria Municipal da Indústria e Comércio de Caxias.

Por Priscila Florêncio

CAXIAS – Prefeito, vice e secretária de Saúde são alvo de ação do Ministério Público

Em virtude de irregularidades na celebração de convênio entre a Prefeitura de Caxias e a Faculdade Vale do Itapecuru (FAI) de Caxias, o Ministério Público do Maranhão ajuizou Ação Civil Pública por improbidade administrativa contra o prefeito Fábio Gentil, o vice-prefeito Paulo Marinho Júnior e a secretária municipal de Saúde, Maria do Socorro Coutinho de Mello.

O procedimento surgiu após representação ao MP da vereadora Thais Coutinho Barros, em março de 2017, que indicou que o convênio teria o objetivo de permitir o estágio dos estudantes do curso de Odontologia da faculdade. No entanto, o estabelecimento de ensino, além de não possuir o referido curso naquele momento, não apresentava regularidade fiscal.

Diante da irregularidade, o titular da 1ª Promotoria de Justiça de Caxias, Francisco de Assis da Silva Júnior, requereu a condenação dos acionados pela prática de improbidade administrativa, com a imposição, dentre outras penalidades, da perda da função pública, suspensão dos direitos políticos de três a cinco anos, pagamento de multa civil de até cem vezes o valor da remuneração percebida pelo agente e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, pelo prazo de três anos.

O promotor de justiça também pediu a nulidade do convênio por violação aos preceitos legais.

FUNDAMENTOS

Em suas defesas, os gestores alegaram que não haveria necessidade de procedimento licitatório para a celebração do convênio, cujo objetivo seria oferecer campo de estágio aos estudantes em unidades de saúde do Município de Caxias.

Como fundamento para a ação, o membro do Ministério Público observa que, embora seja dispensável a licitação no caso e que o convênio poderia ser fundamentado em interesse público, todas as demais etapas procedimentais são obrigatórias. “A repulsa dos agentes envolvidos em não obedecer princípios e regramentos mínimos previstos apontam que a facilidade tem nítido interesse pessoal só alcançado por conta da ligação política entre o prefeito e vice-prefeito”, argumenta.

O convênio foi realizado sem obedecer ao procedimento de dispensa licitatória. “O contrato indica que houve um ajuste pessoal, quase informal (exceto pelo contrato), sem observância à legislação pertinente”, acrescenta.

Redação: CCOM-MPMA

CAXIAS – MPMA aciona ex-prefeito e outras 10 pessoas por improbidade administrativa

Irregularidades em um processo licitatório para locação de veículos compactadores de lixo, realizado em 2013 pela Prefeitura de Caxias levou o Ministério Público do Maranhão a ingressar, na última segunda-feira, 4, com uma Ação Civil Pública (ACP) por improbidade administrativa contra o ex-prefeito Leonardo Barroso Coutinho (conhecido como Léo Coutinho) e outras 10 pessoas, além de duas empresas.

Foram acionados Ironaldo José Bezerra de Alencar (ex-secretário municipal de Relação Institucional), Gilbran Karlil Costa Silva, Nariane Rejane de Oliveira Sampaio Silva, Pedro de Sousa Primo (ex-secretário municipal de Administração), Edilson Ribeiro Fernandes (ex-secretário municipal de Limpeza Pública), Gilmar Lira de Sousa e Maria da Graça Santos.

Também figuram na ACP Antônio José Sousa Paiva, Francisco Sousa da Silva (pregoeiro do Município à época), Filomena Raimunda Santos e as empresas GKNR Construções e Projetos e Empresa Pilotis.

A GKNR Construções e Projetos foi contratada para a locação de veículos compactadores de lixo para a Prefeitura de Caxias em 2013. A empresa, no entanto, não possuía nenhum veículo em seu patrimônio e sequer funcionava no local indicado como sede. Os caminhões foram adquiridos após a licitação por pessoas do município (inclusive servidores municipais) e alugados à empresa, que os colocaria à disposição do serviço de limpeza.

De acordo com os depoimentos colhidos pela 1ª Promotoria de Justiça de Caxias, a maioria dos veículos foi adquirida na loja Shopping Car, de propriedade do então secretário Ironaldo de Alencar.

Ouvido pelo Ministério Público, Gilbran Karlil Silva confirmou que todos os veículos utilizados seriam sublocados, pagando mensalmente R$ 9.200,00 aos proprietários pelos veículos e profissionais que atuavam no serviço (motorista e responsáveis pela coleta nas ruas).

O empresário afirmou, ainda, que tomou conhecimento sobre a licitação em fevereiro de 2013, por meio da imprensa. A informação, no entanto, é questionada pela Promotoria. Além da GKNR Construções e Projetos, Gilbran Karlil é sócio da MLP Construções e Empreendimentos Ltda., empresa que apresentou consulta de preços para embasar a licitação em 22 de novembro de 2012. “Estranhamente, os valores apresentados naquela consulta foram o dobro dos valores apresentados pela empresa vencedora do certame”, apontou, na Ação, o promotor de justiça Francisco de Assis da Silva Júnior.

O membro do Ministério Público aponta outros indícios de fraude. Um deles é o fato de que, ao ser questionado a respeito, o secretário municipal de Limpeza Pública, Edilson Fernandes, não tinha qualquer controle sobre os veículos, apesar de o contrato tratar da “locação de veículos e máquinas pesadas para serviços de limpeza pública na cidade de Caxias-MA, no exercício 2013”.

Também questionado a respeito da relação dos veículos e garagem deles, o secretário de Administração, Pedro Primo, encaminhou ofício ao gerente da empresa, solicitando as informações. “Embora o contrato tratasse de locação de veículos, os mesmos não eram colocados à disposição do Município de Caxias, não existindo qualquer controle por parte da Administração Pública”, explicou Francisco de Assis da Silva Júnior.

PARECER

A Assessoria Técnica da Procuradoria Geral de Justiça analisou o procedimento licitatório encaminhado pela Prefeitura de Caxias, encontrando uma série de irregularidades como o fato do processo não estar devidamente autuado, protocolado e numerado e de que a autorização para a realização da licitação não consta do processo.

Também não está inserida a justificativa para contratação e o termo de referência não traz os elementos necessários para a avaliação de custo pela administração municipal, como orçamento detalhado, preços praticados no mercado, estratégia de cumprimento e prazo de execução do contrato.

Não constam no edital os requisitos de qualificação técnica, o que facilitaria a contratação de qualquer empresa, e prova de inscrição no cadastro de contribuintes estadual e municipal. Também não há previsão de compensação financeira e penalização por eventuais atrasos ou de descontos por eventuais antecipações.

Outra questão é que na ata de sessão pública, no mapa de apuração e na classificação das propostas está apenas a assinatura do responsável pela empresa vencedora, não constando a dos representantes das duas outras empresas que estariam presentes, a Tendas Construções e Empreendimentos Ltda ME e Plaina Construções e Serviços Ltda ME.

“Todos os indícios apontam para uma montagem do procedimento licitatório após o início das investigações do Ministério Público, de forma que são os detalhes que apontam toda a trama ímproba dos réus”, avaliou o autor da ação.

Na avaliação da 1ª Promotoria de Justiça de Caxias, as irregularidades, inclusive após o procedimento licitatório, na execução do contrato, só poderiam acontecer com o auxílio de agentes públicos. Todos sabiam, por exemplo, da sublocação de veículos, prática proibida pela Lei de Licitações (8.666/93).

Os comprovantes de pagamento (só encaminhados ao MPMA após a mudança de gestão municipal) mostram outras desconformidades. Não constam, por exemplo, informações precisas sobre o cumprimento do contrato, como a identificação dos veículos. O boletim de medição é assinado pela própria empresa, apenas com uma tabela com o quantitativo.

“Fica evidente que todo contrato de locação de veículo foi fraudado para permitir a contratação da empresa ré, e que o objeto nunca foi efetivamente cumprido da forma contratada. O que resta ainda mais evidente é que a empresa contratada funcionava apenas como uma intermediária do dinheiro público para fins não previstos em lei”, observou Francisco de Assis Silva Júnior.

Apesar das irregularidades, das quais a Administração Municipal tinha conhecimento, o secretário municipal de Limpeza Pública solicitou a prorrogação do contrato, por meio de um aditivo assinado em 27 de dezembro de 2013.

LIMINAR

O Ministério Público do Maranhão requer que a Justiça determine, em medida liminar, a indisponibilidade dos bens de todos os envolvidos até o montante de R$ 5.443.400,00. Ao final do processo, foi pedida nulidade do procedimento licitatório e do contrato assinado com a GKNR Construções e Projetos e a condenação dos réus por improbidade administrativa e ao pagamento de dano moral coletivo em valor não inferior a R$ 5 milhões.

Se condenados por improbidade administrativa, os citados na Ação estarão sujeitos à perda a função pública, suspensão dos direitos políticos, pagamento de multa, ressarcimento integral do dano e proibição de contratar ou receber benefícios do Poder Público, mesmo que por meio de empresa da qual sejam sócios majoritários.

Redação: Rodrigo Freitas (CCOM-MPMA)

Prefeito de Caxias investe cerca de R$ 3 milhões em medicamentos para a população

Ontem, 31, o prefeito de Caxias, Fábio Gentil, gravou um vídeo mostrando a chegada de caminhões carregados de medicamentos para a saúde pública do município.

Na legenda distribuída com os vídeos nas redes sociais por sua assessoria de comunicação dizia que foram investidos algo em torno de R$ 3 milhões com a ajuda de deputados que foram votados naquela cidade.

VÍDEO – Famosos convidam para a super festa dos 196 anos de Caxias

Dia 3 de agosto, a partir das 22h, no Parque da Cidade, Caxias vai festejar seus 196 de emancipação política em grande estilo.

Grandes artistas estarão realizando shows musicias dia 3, entre eles LÉO MAGALHÃES que já gravou vídeo convidando as pessoas para o evento.


E o ex-ASA DE ÁGUIA, Durval Lelys que já preparou os grandes hits de sua ex-banda da Bahia.

Turma Recursal de Caxias suspende julgamento e manda tirar da pauta todos os processos sobre empréstimos consignados

O juiz Anderson Sobral, presidente da Turma Recursal Cível e Criminal com sede em Caxias, editou Portaria determinando a suspensão da sessão de julgamentos do órgão colegiado designada para esta quinta-feira (28). A portaria está disponível na sessão de “Notícias”.

A Portaria também determina a suspensão de todos os processos relacionados ao IRDR Nº 53983/2016 – que determinou a prorrogação da suspensão dos processos que tratam sobre empréstimos consignados. O documento determina ainda a retirada de pauta de julgamento desses processos nas próximas sessões, quando se enquadrarem nessa situação.

Assessoria de Comunicação

Corregedoria Geral da Justiça do Maranhão