Secretaria de Saúde de Codó tenta justiificar porquê não está na lista estadual dos municípios com 70% de vacinados contra o CORONAVÍRUS

Em nota enviada ao jornalista Max Márcio da FCTV, que por sua vez enviou ao blogdoacelio, a Secretaria de Saúde justifica-se por não aparecer na lista dos municípios do Maranhão que já alcançaram 70% de pessoas imunizadas com as duas doses da vacina.

A realidade de Codó quanto a isso é  lastimável, só  temos 37,37% dos 123.368 habitantes completamente imunizados. Abaixo a íntegra da nota:

NOTA À IMPRENSA

A Prefeitura de Codó através da Secretaria de Saúde informa que o Vacinômetro da prefeitura é baseado em dados e informações do sistema federal devacinação COVID-19.

E neste sistema, os dados são relacionados à populaçãoque tomou as seguintes doses: d1, d2 e dose única, ou seja, o percentual é relacionado ao total de doses aplicadas.

Já a relação do governo do Estado, dos municípios que vacinaram 70%, está levando em consideração apenas a população que já completou o esquema vacinal COMPLETO, ou seja, tomou as duas doses da vacina contra a COVID-19.

A Secretaria Municipal de Saúde de Codó (SEMUS), vem buscando alternativas para atingir o maior quantitativo de codoenses vacinados. A vacinação contra a Covid-19 segue disponível de segunda a sábado (No Centro de Vacinação na rua César Brandão), aplicando a primeira, segunda ou terceira dose das vacinas.

O município conta também com funcionamento de cinco salas de vacinação em Unidades Básicas de Saúde ( na zona urbana), de segunda a sexta-feira, até às 17h.

São elas: UBS Miguel Zaidan ( Bairro São Sebastião), UBS Sebastião Reis( Bairro Codó Novo), UBS Nossa Senhora de Fátima ( Vila Camilo), UBS Maria Ferreira ( Bairro São Francisco) e UBS Borborema ( Bairro Santo Antônio).

Já na zona rural, contamos com nove salas de vacinação, com o objetivo de facilitar o acesso à vacina por todos os codoenses.

Além dessa descentralização dos pontos de vacinação, a SEMUS já realizou arrastões e também já entrou em contato com a Secretaria de Educação e Escolas Particulares, para a equipe de vacinação estar indo até o local vacinar crianças e adolescentes de 12 a 17 anos, que ainda não tomou ou não completouo esquema vacinal.

E aproveitar a oportunidade também, para vacinar os profissionais da educação de 18 anos ou mais, que por alguma razão, não puderam estar tomando a vacina no tempo adequado a seu grupo prioritário.

Para garantir a eficácia da ação imunizante, é necessário completar o esquema vacinal, conforme descrito na bula das vacinas.

A SEMUS relembra e chama à população codoense para se atentar aos prazos e garantir seu esquema vacinalcompleto.

Aproveitamos para pedir o apoio da Imprensa para que leve essa mensagem de conscientização da importância da Imunização para nossa população diariamente seus veículos de comunicação.

SAÚDE COM R$ 21.699.132,74 – Caso de criança de 2 anos que morreu sob suspeita de atendimento inadequado sugere intervenção URGENTE no HGM

Na última sexta-feira, 09/07/21, a jornalista Ramyria Santiago esteve no HGM e dentro do Morgue entrevistou uma mãe identificada apenas pelo primeiro nome “ISNAELE”, de 21 anos de idade.

Ela chorava ao lado de um filho de apenas 2 anos morto, seu terceiro filho. A criança morava com sua genitora  na rua Rio de Janeiro, no bairro São Francisco.

Isnaele contou que levou o filho na quarta-feira, dia 07 de julho. Naquela ocasião, o menino teria sido levado para a área interna do Pronto-Socorro e recebido apenas uma injeção. Sob o argumento de que a criança nada tinha, foi enviada para casa.

Na sexta-feira, reclamando-se de dor na barriga a criança deu nova entrada pela manhã, foi quando morreu. A mãe sustenta que se tivesse tido atendimento mais humanizado o menino teria sobrevivido.

“Nós vimo aqui quarta-feira, 07/07, meu filho aqui com essa dor de barriga, aí nós viemo, falamos com o médico e o médico falou aqui que não era nada, pegou botaram ele lá pra dentro tomou uma injeção e mandaram nós ir pra casa, aí eu fui pra casa porque falou que não era nada, eu não sou, não estudei pra isso, não sei (…)

(…) aí ele pegou e  disse  -mãe tô com minha barriga doendo, hoje (09/07) de manhã, aí eu peguei paracetamol pra ele, porque o médico falou olha se tiver doendo a barriga dá o Paracetamol pra ele, peguei dei o Paracetamol pra ele. Tava tomando café quando meu filho começou sair negócio preto da bota dele (…) a mulher falou que o intestino dele tava tampado, não tava comendo nada e nem descendo nada, disse que foi pro pulmão e pro coração, só soube dizer isso”, disse na entrevista

Ela revela que não sabe o nome do médico que a atendeu, nem quarta, nem na sexta quando da morte. Mas ela diz à repórter que nem tocaram na criança. A mãe de Isnaele, tentando consolá-la, disse que os médicos, por causa da pandemia, estão evitando pegar nas crianças, mas ela discorda pois o caso do filho dela nada tinha a ver com Coronavírus, ele só reclamava de dor de barriga.

“Nem pegaram nele, eu contei pra minha mãe – mãe não pegaram nem no Carlos, minha irmã, ela aqui disse, não por causa dessa doença eles não tão pegando nas crianças, meu filho não tava com essa doença não, meu filho tava reclamando de dor na barriga”, diz chorando

Depois ela afirma que não passaram remédio para o garoto, além da ‘injeção’.  O paracetamol foi dado por conta dela, mãe.

NOTA DO  HGM

O diretor do Hospital Geral Municipal publicou uma nota sobre este fato em seu rede social, onde escreveu:

DIREÇÃO DO HGM PRESTA ESCLARECIMENTO SOBRE A MORTE DE UMA CRIANÇA EM CODÓ

Desde o início da gestão do Dr. Zé Francisco, a saúde sempre foi o carro-chefe  de sua gestão não somente por ser médico, mas por entender a necessidade de uma saúde de qualidade, sobretudo neste período de pandemia. Ocorre que alguns usam da fragilidade das pessoas em meio a um momento de dor, desrespeitando, inclusive, a intimidade e a inviolabilidade da criança, expondo de forma desumana os familiares da vítima.

Outrossim, vale lembrar que odas pessoas que chegam  ao Hospital Geral, independentemente de suas convicções políticas, partidárias, religiosas e étnicas, são tratadas com a mais célere responsabilidade por profissionais comprometidos em cuidar do povo codoense.

O caso da criança que veio a óbito consternou a todos, mas blogueiros cogitaram que houve negligência por parte da equipe médica.

É de nada uma falta de respeito e compromisso com a verdade, tanto que assim que a criança deu entrada no hospital diversos profissionais, dentre eles: Dr. Ivan Bruno, Dr. Vitor (ambos médicos do Pronto-Socorro), Dra. Nábia, que é pediatra, Dr. Duailibe, além de enfermeiros, prestaram de imediato atendimento como recomendam as diretrizes médicas.

Destaca-se ainda o fato que a criança já chegou no hospital semimorta, totalmente desacordada, óbvio que não se sabe o porquê da demora em deslocar a criança até o hospital.

Segundo o que veicula no blog (da Ramyria) que a mãe teria automedicado o filho por conta própria para diminuir a dor no estômago, sendo que ela não sabia a causa das dores, o que por si só já é grave vez que apenas os profissionais médicos podem receitar medicamentos.

É óbvio que todos ali se consternaram com a morte da criança de apenas dois anos uma vez que seu dever é salvar vidas, mas aquilo que estava nas condições, e até além, foram feitas”

 

MUITO DINHEIRO, POUCO SERVIÇO

Uma visita ao site do FUNDO NACIONAL DE SAÚDE hoje mostra que Codó já recebeu de janeiro a 10 de julho de 2021, só para investir na pasta da saúde, exatamente R$ 21.699.132,74.

Destes, R$ 9.899.232,01 foram só para ATENÇÃO DE MÉDIA E ALTA COMPLEXIDADE AMBULATORIAL E HOSPITALAR (ou seja, para o HGM).

Diante de tais números, incontestáveis, é inevitável a questão: Tá faltando gestão eficiente?

A pergunta parece óbvia, mas é extremamente necessária uma vez que costuma-se culpar a falta de recursos, argumento que de perante R$ 21 milhões já enviados aos cofres do governo Cidade de Todos seria vergonhoso o governo do médico Zé Francisco usar.

Paralelo à questão, é necessário questionar também a atuação do Conselho de Saúde, do próprio Ministério Público que já disse que não se pauta em notícias de blogs (acho que deveria a partir delas tomar certas atitudes, porque pode e tem dever institucional sobre isso) e dos vereadores, principalmente destes.

É preciso formar uma comissão para ver o que há, de verdade, dentro do HGM que, claramente, tem enfrentado sérios problemas.

No início deste mês um cidadão codoense só conseguiu fazer uma simples cirurgia de braço quebrado 30 dias depois de dar entrada no hospital. Quando o blogdoacelio denunciou o caso, 3 dias depois apareceram com uma desculpa de que falta ‘UMA PLACA’, a tal placa apareceu e a cirurgia foi feita.

Agora a denúncia desta senhora que, de certo, deve ser apurada mais a fundo.

Isso é papel do Conselho Municipal de Saúde, do Ministério Público e dos Vereadores de Codó.

Após denúncia do blogdoacelio, cidadão codoense passa por cirurgia no dia em que completou 30 dias de braço quebrado no HGM

Exatamente no dia em que completou 30 dias esperando por uma cirurgia de braço quebrado dentro do Hospital Geral Municipal, o codoense Gilmar Costa Nascimento, que esteve por todo este tempo no quarto 23, leito 11, sofrendo e abandonado, foi, finalmente, operado.

A denúncia chegou ao blogdoacelio dia 1º de Julho quando obtivemos a promessa do diretor, Emílio Matos, a promessa de que naquele mesmo dia a cirurgia seria feita, mas não ocorreu. Por volta das 14h, Gilmar saiu do jejum de novo, algo que se tornou rotineiro na vida dele dentro de 30 dias (o entra e sai do jejum para ir pro centro cirúrgico).

No dia seguinte, o prefeito, diante da repercussão negativa do caso, foi pessoalmente conhecer Gilmar. Deste encontro, saiu uma nota divulgada pela direção do hospital em grupos de whatsApp. Ela fazia duas promessas – fazia aqui ou transferia:

“o prefeito veio a público esclarecer que o paciente não corre risco de amputação de nenhum membro, vez que o hospital está tomando todas as medidas cabíveis.

Ocorre que há uma dificuldade do fornecedor em relação as placas do Gilmar, mas o prefeito afirma ainda que, caso a transferência não ocorra até amanhã, o paciente será operado em Codó, sob os cuidados de um dos melhores ortopedistas da região”, dizia a nota

O DESAFIO DO BLOGDOACELIO

Era uma resposta atrapalhada ao desafio feito pelo jornalsita Acélio Trindade que, em vídeo, disse que Zé Francisco e a direção do HGM só tinham duas opções:

1 – fazia a cirurgia do rapaz

2 – ou assumia que era incompetente para gerir R$ 18 MILHÕES em 6 meses (verba que já recebeu só pra cuidar da saúde de Codó).

O governo escolheu a primeira opção para não sair da situação mais queimado do que ficou.

PASMEM

No sábado, 03/07, (DATA EM QUE COMPLETOU 30 DIAS DE BRAÇO QUEBRADO), Gilmar foi levado para o centro cirúrgico e operado.

Num vídeo publicado depois, o diretor Emílio Matos disse ser pisoteado, às vezes, por uma imprensa que ele chamou de irresponsável.

“Nós somos, às vezes marginalizados, explorados, pisoteados por uma imprensa que é irresponsável, não conhece os problemas do hospital e falam de qualquer jeito, mas o mal por si se destrói , nós estamos aqui pra atender a população de Codó e vamos continuar atendendo”, disse ao repórter Jair Ribeiro

Acho que foi infeliz o diretor nesta frase.

O HGM deixa um pobre cidadão 30 dias agonizando de dor, dia e noite, com mão inchada esperando uma simples cirurgia de braço quebrado e irresponsável é a imprensa que denuncia?

Creio que ninguém, livre da doença do poder, entenda que, nesta situação, seja a imprensa a irresponsável.

Aliás sem ela, sabe-se lá quantos meses mais este cidadão passaria jogado na enfermaria do HGM.

E quantos outros ‘gilmares’ estão nas enfermarias esperando um familiar de coragem denunciar o abandono? a falta de placas, anestésicos, luvas, panos (lápis de campo) no centro cirúrgico?

Logo descobriremos.

VEJA A FOTO E CHORE: HGM cancelou de novo cirurgia de braço quebrado que amanhã completará 1 mês de espera (família teme perda do braço)

Sem dar nenhuma explicação para a família a direção do HGM mandou mais uma vez acabar com o jejum de Gilmar Costa Nascimento que está  no quarto 23, leito 11, com braço  quebrado.

Amanhã, 3 de julho, ele vai completar 1 mês  que sofre internado a espera desta operação que nem o Papa sabe porque cargas d’água nunca é  realizada.

Ontem, 01/07, levei  o caso ao diretor Emílio Matos às  8h30min da manhã, às  10h06min  ele respondeu:

“A cirurgia dele será  feita hoje”.

A informação foi dada também aos familiares que ficaram animados, no entanto às  14h50min, de quinta-feira, 01/07/21, veio a mesma decepção vivida há 29 dias consecutivos  – mandaram que saísse do jejum, pois, de novo, a  cirurgia não seria feita.

A irmã nos mandou o comunicado e uma foto que corta o coração  (de quem tem coração).

A mão do paciente inchada, sabe-se lá que tipo de dor este homem vem sofrendo todas as noites e infindáveis dias debaixo da irresponsabilidade de um governo que prometeu acabar com este tipo de sofrimento em 90 dias.

“Acelio esse é a situação da mão do irmão… infelizmente mais uma vez já foi descartada a possibilidade de realizarem a cirurgia hoje (sem nenhuma explicação) apenas mandaram sair do jejum.”escreveu a familiar

Se este governo não tem competência para ajudar um cidadão desse, que tenha o mínimo  de decência para com a família pra dizer o motivo dessa maldade sem tamanho.

Se não tem material pra fazer a cirurgia, se tiver faltando pano no centro cirúrgico, que o transfira, mas não deixe este filho de Codó  perder o braço, apodrecer, pegar uma infecção.

Prefeito assuma as rédeas deste HGM, o senhor é  médico (ou deixou de ser quanto sentou na cadeira de prefeito? )

Se compadeça com esta foto.

Codoense com braço quebrado completa 1 mês esperando uma cirurgia dentro do HGM

A irmã  de Gilmar da Costa Nascimento fez contato com o blogdoacelio  para informar que neste dia 03 de julho   completará um mês que ele quebrou o braço e ainda não foi feito nada. Disse que o ferimento está apenas coberto apenas com uma atadadura

Gilmar, desde então, está internado no quarto 23, leito 11 do HGM aguardando a cirurgia ortopédica no braço.

Veja abaixo o relato:

“No dia 03/06/2021 aconteceu um acidente de moto aí em Codó com meu irmão,no mesmo momento foi levado ao hospital hgm e realizaram um raio x e foi constatado que tinha quebrado o braço ( mais é bem visível) mandaram ele pra casa pois era feriadão…

retornamos novamente na segunda-feira seguinte e desde então todos os dias ele recebe a promessa dizendo que vão realizar a cirurgia mais até agora nada aconteceu…e estamos desesperados com medo dele perde o braço, já vai fazer um mês …

não sabemos a quem mais pedir ajuda..

já falamos com o diretor do hospital, vereador e nada foi resolvido somente promessa para o dia seguinte que nunca chega…

ficamos sabendo por fontes seguras que lá não tem manterial cirúrgico.o desespero é tremendo pois no mês passado perdemos um amigo querido aí no hgm na mesma situação (estava com o braço quebrado e pela demora no atendimento acabou pegando covid e veio a óbito no próprio hospital) um descaso com o ser humano total. ..!”

POSIÇÃO DA DIREÇÃO DO HGM

Enviamos o relato desesperado ao diretor Emílio Matos na manhã de quinta-feira, 01 de julho.

O diretor visualizou a mensagem no mesmo instante, às  08h32min, de 01/07/2021.

Desde então, o blogdoacelio aguarda uma resposta.

Ás 10h06min, Emílio respondeu: “A cirurgia vai ser feita hoje”

Esperamos que sim, porque a irmã também disse que quase todo dia o deixam de jejum e depois comunicam que não dá pra fazer.

Ontem mesmo ocorreu, segundo ela  o rapaz ficou até 17h em jejum.

SEM PREVISÃO: Lavrador de perna quebrada espera material pra cirurgia no HGM desde o dia 10 de junho

Está denúncia foi feita na noite de ontem, 17/06, pela comadre do lavrador que sofreu acidente dia 10 de junho e, desde entao, espera material para fazer cirurgia ortopédica no Hospital Geral Municipal.

Nem previsão há.

Veja abaixo o relato da denunciante enviada ao blogdoacelio:

“Boa noite acelio este rapaz ai dá foto é meu compadre, morra na zona rural de Codó e quinta-feira dia 10/06 teve um acidente de moto e quebrou a perna, precisa fazer uma cirurgia no *HGM* porém não tem Material para ser feita a cirurgia, ele está internado no HGM correndo risco de contrair Covid.

Nos ajude a resolver está situação pois a esposa dele está acompanhando ele e as crianças estão na zona rural sozinhos alguns até menor de idade

Ele se chama Raimundo Camelo de Andrade está na enfermaria 27 leito 14

Ele é meu compadre. sou madrinha do filho dele

Acelio e tenho respaudo para tudo que estou dizendo, foi o próprio médico que disse que não tem material

Fui falar com o diretor hoje ele me perguntou se eu não sei a situação do HGM”, escreveu com segurança

Direção do hospital ainda não se manifestou a respeito.

HAJA IRRESPONSABILDIADE: A última vez em que Governo do médico Zé Francisco atualizou o número de mortos e doentes de Covid-19 foi 14 de maio

O governo do médico Zé Francisco tem sido irresponsável no trato com o combate à Covid-19. Além de ter se embaraçado na Secretaria de Saúde perdendo a gestão do médico Mário Braga e, desde então, nunca mais se achado nesta pasta o prefeito tem se comportado como um ser negligente diante da situação.

Ou é tática para manter a população completamente alienada de nossa realidade ou só maldade mesmo.

No enfrentamento à pandemia, uma das principais armas, onde o governo é sério e preocupado, é a informação diária, oficial.

O governo Cidade de Todos adotou a tática da escuridão e dentro dela colocou um caldeirão da morte, liberando festas que não pode controlar (a exemplo do que se  viu ontem, 22, com dezenas de jovens sem máscara na praça de São Sebastião).

11 DIAS DE IRRESPONSABILIDADE

Neste domingo, às 14h43min, 23/05/21, em busca de dados atualizados sobre a COVID-19, fui ao site da prefeitura www.codo.ma.gov.br .

Deparei com algo de extrema irresponsabilidade governamental. A última atualização data do dia 14 de maio, às 19h, quando tínhamos 161 mortos por Coronavírus,  ou seja, já são 11 dias em que ninguém se lembra de como a doença vem matando ou mesmo se ela foi completamente eliminada do município como parece querer o prefeito médico que pensemos.

Onde vamos parar?

Pelo visto, se assim continuar um médico no comando da nossa Codó, muitos de nós vamos parar dentro de um caixão (sem direito a enterro).

UTI NA BERLINDA – Conselho Municipal de Saúde quer presença até de promotor de Justiça em reunião desta quarta-feira

Na próxima quarta-feira, 9h9dha manhã, no prédio da Câmara Municipal de Codó, ocorrerá mais uma reunião do Conselho Municipal de Saúde.

Numa mensagem enviada ao blogdoacelio, um conselheiro, que não identificou-se, alertou para a importância desta reunião e sugeriu a participação do atual secretário de Saúde, do próximo (do governo de Dr. ZÉ FRANCISCO) e até  do promotor de Justiça da área da saúde.

“Espero que o sec de saúde e o diretores do hgm e a equipe de transição do novo governo esteja presente na reunião do Conselho de Saúde de quarta-feira pois temos muitos assuntos importantíssimos sobre a saúde de Codó também. Muito importante a presença do promotor. Também.

Reunião do Conselho de saúde será quarta feira na Câmara de vereadores as 9 horas da manhã”, escreveu o conselheiro.

UTI NA BERLINDA

Uma das preocupações atuais do Conselho é com a UTI após 31/12/2020.

Por enquanto ela está sendo bancada pelo governo de Flávio Dino que será oposição à Dr. Zé Francisco.

Como não há garantia de recurso Federal para pagar as despesas, os conselheiros já estão quase certos do fechamento dos 10 leitos conseguidos por Francisco Nagib.

Mulher vai ao posto de saúde em Codó e é avisada que só terá ginecologista em 2021

Um codoense, que preferiu ter sua identidade resguardada, enviou-me uma mensagem ontem, 27/10, denunciando que a esposa precisou de consulta ginecológica.

Foi ao posto do bairro São Pedro, área de onde mora o casal, é lá, naquela unidade de saúde,  a mulher foi informada que o município só terá ginecologista em 2021, algo inaceitável e ridículo.

“Acelio Boa noite. Minha esposa na sexta-feira foi ao posto médico aqui do B. S. Pedro, próximo a penitenciária, precisando de um encaminhamento para um ginecologista, mas o pessoal do posto falou que só haverá ginecologista disponível em 2021.

or favor lhe pesso, veja o que está acontecendo, pois uma pessoa doente hoje não pode esperar até o ano que vem não. Agradeço!”, escreveu o denunciante

Aguardando resposta da Secretaria Municipal de Saúde.

UTI a ser inaugurada nesta quinta-feira, 22, custará cerca de MEIO MILHÃO DE REAIS por mês

O prefeito de Codó, Francisco Nagib, depois de receber o aval do governador Flávio Dino, que vai ajudar no custeio dos leitos, marcou para dia 22 de outubro a inauguração da UTI.

O   custo mensal ficará na casa de MEIO MILHÃO DE REAIS, valor impossível de ser suportado apenas prefeitura, daí a importância da parceria com o Estado, conforme ouvi da Secretaria Municipal de Saúde.