Codoenses reclamam da bagunça que virou o ato de estacionar no centro da cidade

Estacionar no centro de Codó continua muito difícil. Existe a sinalização, mas ela é ignorada, principalmente na rua Afonso Pena. A primeira dificuldade que isso cria é a falta de espaço. As motos tomam as vagas dos carros e o contrário disso também ocorre.

No dia-a-dia, um condutor ou motorista fica reclamando do outro e todos perdem paciência e tempo para estacionar.

“É moto toma o lugar dos carros…DEMORA QUANTO TEMPO PRA ACHAR UM LUGAR? uns 15 a 20 minutos”, reclamou o motorista Raimundo Martins

SEM FISCALIZAÇÃO

Como não existe fiscalização de trânsito, cada um ocupa o espaço que consegue como bem entende. Se estar irregular ou não pouco importa, pois não há punição. Para o funcionário público, Darlan Paz, falta colaboração entre as pessoas.

“O fluxo de moto em Codó cresceu muito e a população insiste em não colaborar na questão do estacionamento, acho que é uma questão educativa isso”, justificou

BAGUNÇA

Em relação à estacionamento o problema vai além da falta de espaço. As vezes aquele que consegue a vaga é quem se torna o problema.

Flagramos o caso do ônibus coletivo de determina empresa tentando fazer o giro obrigatório em frente às lojas Sampaio e Noroeste para sair passando em frente à Prefeitura. O motorista, José Milton Pereira da Silva, foi obirgado a causar, mais uma vez, congestionamento no centro porque alguém deixou o carro parado no lugar errado. Ele estava muito irritado, cobrando providências.

“Sem dúvida nenhuma meu amigo aqui não tem condições ou o cara fiscaliza ou libera logo pra todo mundo, Deus por si, todo mundo fazer do jeito que puder, isso aqui é uma esculhambação”, reclamou

Em razão de estacionamentos errados ficar parado no centro é muito comum, sobretudo nos horários de maior movimentação. O empresário Gessielton Alves, também reclamou

“É muito complicado andar nesse horário de pico…muito tempo, agora tenho que e pegar a criança na escola e ela já está lá com uns 15 minutos esperando”, disse com ar de indignação

Deixe uma resposta