Coroataense preso confessa que trocou cachaça e cigarros por 55 kg de maconha

Domingos Silva , tem 30 anos  e mora em Coroatá. Foi abordado por dois policiais militares quando estava entrando na cidade de Trizidela do Vale.  A prisão foi por acaso uma vez que a polícia de procurava por um assaltante de celulares naquela área.

Domingos Silva foi preso em Trizidela do Vale e levado para a delegacia de PEDREIRAS
Domingos Silva foi preso em Trizidela do Vale e levado para a delegacia de PEDREIRAS

O que chamou a atenção no caso de Domingos e de um comparsa de, que conseguiu fugir, foram dois grandes sacos que carregavam nas motos que usavam. Dentro estavam nada menos que 55 quilos de maconha.

Pedreiras, explicou à TV Mirante,  o comandante do 19º BPM, tenente-coronel Everaldo Moraes,  nem é rota de tráfico naquela região do Médio Mearim. O militar acha que os dois resolveram encurtar a viagem entre Arame e Coroatá e acabaram se dando mal.

“A gente não tem esse registro dessa passagem aqui, então eles resolveram encurtar esse caminho, passando por aqui , achando que não iriam ser interceptados. Infelizmente ou felizmente eles levaram azar, conseguiram ainda passar por alguns municípios mas aqui em Pedreiras eles não tiveram a mesma sorte”, disse

MACONHA POR CACHAÇA

Domingo prestou depoimento agora pela manhã e contou ao delegado Lucas Smith, que presidirá o inquérito, como ele e o comparsa adquiriram os 55 quilos de maconha numa aldeia indígena do município de Arame.

Eles não entregaram dinheiro e receberam a droga, explicou o delegado, foi uma troca por, entre outras coisas, cachaça.

 “O depoimento do conduzido é no sentido de que eles trocaram por munições, cachaça e cigarro esse foi a quantia, o valor pago aos índios, certo? Pela quantidade de drogas”

O companheiro de Domingos Silva, também de Coroatá e ainda não identificado, continua sendo procurado, agora pela polícia de várias cidades da região.

Deixe uma resposta