EFEITO BOLSONARO – Falta de dinheiro deixa estudantes do IFMA sem alimentação em Codó

Na estrada que liga o Campus do IFMA à cidade de Codó encontramos já próximo do meio dia, na última sexta-feira, 3,  muitos alunos de moto indo pra casa. Motivo? Não tem mais alimentação pra todo mundo.

 “É ruim pra gente ter que tá se locomovendo, não tem mais tempo de nada…ANTES TINHA ALIMENTAÇÃO, COMO ERA? A gente tinha aula, tinha alimentação a gente descansava e retornarva às aulas…E AGORA? Agora a gente tem que ir em casa, voltar pra poder retornar a aula de novo”, reclamou a estudante Jaiciane Lira da Silva

Além de atrapalhar no desempenho dos estudos, tem mais gasto com . gasolina destacou Anderson Bulhões que ia de carona numa motocicleta.

“Atrapalha  um pouco porque tem essa questão da locomoção, né, tem aluno trazendo alimentos de casa, no nosso caso a gente tá tendo que voltar, gastar dinheiro com gasolina”, frisou

Se escolher usar o transporte escolar é preciso gastar agora, com as quatro viagens, R$ 10 e não mais a metade disso como antes, o excedente (R$ 5 a mais) não será ressarcido aos alunos porque não estão previstos no orçamento da instituição.

PAIS VÃO BUSCAR FILHOS OU LEVAM ALMOÇO

Seu FRANCISCO

Porque ficou mais caro as idas e vindas ao campus é que  seu Antonio Francisco Sousa tá indo pegar o filho no Instituto Federal do Maranhão desde que o problema começou na última quinta-feira (2).

 “Com certeza, ainda mais na crise que a gente tá hoje, né com certeza vai pesar um pouco…POR ISSO O SENHOR VINDO BUSCA-LO? Com certeza, muito melhor….ME EXPLICA…porque os R$ 10 que eu vou pagar eu boto de combustível na minha moto, fica melhor pra mim…AÍ O SENHOR VEM BUSCAR PRA ALMOÇAR? E volto a tarde pra deixar e venho à tarde buscar de novo”, respondeu

Por causa da falta de alimentos  muitos pais estão se obrigando a ir ao Campus, por volta do meio dia, levar a alimentação dos filhos. Nós encontramos duas mães com duas quentinhas a serem entregues para duas estudantes no momento desta reportagem.

DESINFORMAÇÃO

Encontramos alunos que não sabiam o que realmente levou à fala de alimentação no Campus.

“Antigamente quando a verba acabava aqui na instituição eles pegavam alimentos emprestado lá do campo Monte Castelo em São Luís e agora acho que a reserva deles lá está pouca, agora tamo esperando…E ATÉ QUANDO ISSO VAI, VOCÊS SABEM? Não, a gente não sabe ainda”, disse Lídia Amália Assunção Moreira.

OUVIMOS A DIREÇÃO DO CAMPUS

Nós ouvimos o diretor interino professor Jandherson Silva, uma vez que professor Wady está de licença paternidade.

Ele explicou que as empresas fornecedoras de alimentos estão há 4 meses sem receber pagamento porque a verba que o Campus tem recebido do Governo Federal é insuficiente. Há a informação, confirmada, de que mal tem dado para pagar a conta de energia elétrica.

“Como o recurso que tem chegado até a Instituição tem sido insuficiente para cumprir todas as notas autorizadas pelo Governo para empenho então as empresas resolveram suspender a entrega de gêneros alimentícios até hoje”

DE 1.200 REFEIÇÕES DIA PARA 37

Refeitório do IFMA

Antes da suspensão, este refeitório servia até 1.200 refeições por dia. Na atualidade, só 37 alunos estão se alimentando aqui porque são de outros municípios, os chamados residentes. Encontramos também os de Timbiras se alimentando no refeitório, mas levando a própria comida.

A expectativa é a de que uma outra empresa que já passou por licitação e ainda não tem problemas como pagamento comece a fornecer alimentos esta semana.

“Eu deixo um aviso de antemão a todos os nossos alunos, a todos os nossos servidores que A instituição tem tomado todas as providências para que a situação ela seja resolvida o quanto antes em questão do retorno do refeitório, estamos trabalho, estamos buscando esse retorno”, afirmou o diretor

Se nada mudar há o risco da nova empresa também ficar sem receber, como as outras.

19 comentários sobre “EFEITO BOLSONARO – Falta de dinheiro deixa estudantes do IFMA sem alimentação em Codó”

  1. É o “MITO” mostrando para q veio, isso é só o começo!! vai voltar ao tempo da ditadura, onde só os filhos de rico poderiam ir a escola. Vejam bem, as universidades e institutos federais com os recursos que vinham não conseguiam se manter, e com a redução em mais de 30% ? Quem sai ganhando? as faculdades particulares!! na cabeça do “MITO” filho de pobre não pode fazer faculdade.
    OBS: QUERO DIZER PARA OS BOLSOMINIOS DE PLANTÃO QUE NÃO TENHO PARTIDO, MEU PARTIDO É O BRASIL!! na cabeça dos BOLSOMINIOS quem não está do lado do “MITO” é ptista. #PAZ

  2. Reportagem tendenciosa, pensamento torto e maldade.

    1 – Se o IFMA servia 1.200 e sofreu um corte de 30% o número de refeições diminue para 840 e não para 37 refeições.
    2 – Ser gestor é administrar recursos escassos e mudanças bruscas. O gestor deve agasalhar os cortes, tirando os excessos, (reduzindo a conta de luz, diárias, combustível, promoção de eventos, atividades nas férias) e não cortar os benefícios dos alunos. quem tem que comer em casa são professores e servidores, que têm carro e são remunerados com vale alimentação, não os alunos.

    1. Concordo plenamente. O corte de verbas foi uma medida tomada recentemente como eles podem alegar esse corte das refeições ao atual governo

  3. desafio alguém encontrar o diretor no Campus,sempre está viajando fica a dica para o diretor e os outros ligados a Direção viajarem menos, pois não é justo o campus está passando por uma situação tão critica e funcionários fazendo “turismo”.

    1. Tem gente que não saber o que se passa e fica lando merda sou aluno, não defendo ninguém mais as viagem não são turismo pós muitas vezes o diretor viaja em seu carro, não sei quem é você mais o que a bosta do governo cortou é nosso por direito, você já se perguntou porque não corta as regalias dos deputado, senador, secretários e ministros entre outros a merda do presidente e seu filho ganhou 33,78 mil só por uma mudança fica a dica seu bosta.

  4. Aposto que se trocarem Diretores e Reitores de Institutos e Universidades Federais tudo vai ser bem resolvido brevemente. Vão continuar as mordomias, viagens, passeios, eventos, olimpíadas, jogos, grande matriz reitoria, manda prestarem todas as contas e todos baterem ponto eletrônico que o dinheiro voltará logo

  5. Reportagem tendenciosa e ideológica , por que não culpar a roubalheira sistemática que foi implantada no país nos últimos anos? Culpar um governo que está a apenas 120 dias no poder é no mínimo ser incoerente.

  6. A falta de alimentação não é devido a falta de verba e sim a do Conselho Tutelar que proibiu os alunos que na sua maioria das vezes estudavam e na sua aula prática produziam a alimentação do IFMA.

  7. Se os fornecedores deixaram de atender ao IFMA porque estão a QUATRO MESES sem receber, então com certeza o problema é anterior ao Bolsonaro. Então qual a lógica desse “efeito Bolsonaro”?

  8. Caro leitores a matéria realmente é tendenciosa e falta investigação, o corte na verba é anunciado pro segundo semestre, desde o inicio do ano o restaurante do IFMA funciona precariamente então nada tem haver com a causa apontada pela matéria, é preciso que se investigue pois acredito que tem muito a ser esclarecido.

  9. Não estou entendendo está matéria meu amigo. A contigencia será para o segundo semestre do ano.o Ifma Codó já não recebe a 4 meses.
    Confusão de informação é essa?

  10. Já fui aluno do IFMA e sei como funciona ali dentro. Gasta muito com besteira, com eventos bestas, tempo de Dilma passou quase um mês se comida, tempo de Termer uns 15 dias. Lá tem dinheiro pra viagens técnicas que não serve de nada aliás serve sim nós passava as viagens técnicas todo mundo morto de bebo. Essas viagens só pra distrair ninguém faz nada. AgroBalsas só putaria e professor querendo pegar as alunas

  11. Pedro, o governo atual não está fazendo o repasse necessário para o Instituto arcar com as despesas. E se tem quatro meses que os fornecedores não recebem, são quatro meses que esse repasse está defasado. E se eu não estiver errada, Bolsonaro está a quatro meses e pouco no poder. E Júlio César, aluno nunca preparou alimentação no refeitório. Quem realmente conhece o setor, sabe que são funcionários contratados e treinados para tal função. E, por fim, Constantino, as 37 refeições que estão sendo ofertadas são para alunos residentes, ou seja alunos que são de outras cidades e moram na instituição. Então, geralmente quando o estoque de gêneros alimentícios fica muito baixo, tenta-se garantir ao menos a alimentação desses alunos para que eles não percam o período letivo. Seria irresponsável fornecer pra 840 e mais adiante não ter condições nem de atender aos residentes. E acredite, quando a situação está nesse extremo, significa que todas as medidas cabíveis já foram pensadas e executadas.

Deixe um comentário