Juízes de Codó elogiam Semana da Conciliação

O juiz de Direito, Holídice Catanhêde Barros, titular da 2ª Vara, Comarca de Codó, falou com entusiasmo sobre a realização da Semana da Conciliação, iniciada na última segunda-feira (24) que está terminando nesta sexta-feira (28).

Sobre a importância do evento, que acontece simultaneamente em todo o país coordenado pelo Conselho Nacional de Justiça – CNJ – Dr. Holídice Barros destacou que no acordo as partes cedem um pouco, mas acabam ganhando no ato de compor a sua vontade dentro da resolução de cada litígio.

Dr. Holídice Barros preside audiência de conciliação
Dr. Holídice Barros preside audiência de conciliação

“Que tem uma grande importância para os jurisdicionados (cidadãos) e para o Poder Judiciário, nosso grande papel, nossa grande função é de entregar a sentença e permitir a paz social, fazer com que as partes cheguem à um acordo e que elas possam sair daqui satisfeitas com o restante do processo”

“Quando se julga um processo você tem um vencedor e um vencido, no acordo as partes cedem um pouco, perdem de um lado, mas ganham também na medida em que elas podem compor a sua vontade e chegar à um resultado que seja de interesse de ambas”, concluiu

PERCENTUAL DE ACORDOS

Sobre o índice de acordos durante a semana, o juiz arriscou um percentual, uma vez que ainda não estava fechada a estatística, que ficou entre 30 e 40% das audiências, isso dependendo da natureza da ação.

“Nós tivemos um percentual aqui de 30 à 40%, de acordo com o tipo e natureza das ações. Em regras as ações de natureza de família, da Vara da Família elas têm um percentual de acordo maior do que as ações cíveis. Ações de natureza privada entre partes, entre vizinhos, por exemplo, também tem um índice de conciliação maior, mas quando nós temos, por xemplo, grandes instituições, grandes empresas, bancos, a tendência é que esse índice de acordo seja reduzido”, afirmou

NO JUIZADO ESPECIAL

No Juizado Especial a juíza titular, Dra. Gisele Ribeiro Rondon, também elogiou a iniciativa do CNJ. Na opinião da magistrada não há melhor medida em se tratando de disputa judicial.

Dra. Gisele Rondon trabalhou com sentenças em banca
Dra. Gisele Rondon trabalhou com sentenças em banca

A conciliação é sempre a melhor medida porque ambas as partes buscam uma solução e ajudam o desfecho da lide”, frisou

Durante esta semana 119 audiências fizeram parte da pauta do Juizado Especial de Codó. Também foram realizadas algumas da área criminal.

Assim como na Justiça Comum, os acordos não foram muitos, mas cerca de 90% das causas já saíram sentenciadas.

“Interessante, as partes são difíceis de chegarem à um acordo, mas o interessante é que mesmo não chegando à uma acordo em audiência os processos estão saindo sentenciados”, afirmou a juíza

Deixe uma resposta