‘Operação Gualterio’ prende 14 suspeitos e cumpre 40 mandados de busca e apreensão

Prisão de 14 pessoas e mais de 40 mandados de busca e apreensão verificados e cumpridos foram o resultado da operação realizada pelas polícias Civil e Militar, na madrugada desta sexta-feira (8). Intitulada de ‘Gualterio’, a ação mobilizou 400 policiais para o combate a organizações criminosas na Região Metropolitana de São Luís.

O delegado titular da Superintendência de Polícia Civil da Capital (SPCC), Armando Pacheco, avaliou como positiva a operação. “Tivemos um resultado dentro do esperado e perigosos agentes do crime estão, agora, fora de circulação. Atribuímos o sucesso da ação ao planejamento que tem garantido significativo índice de resolutividade dos casos. Vamos manter essa estratégia para impedir a criminalidade”, disse.

Nesta etapa foram alvo da ação o município de São José de Ribamar e os bairros Cidade Olímpica, Maiobão, Jardim Tropical, Recanto dos Pássaros, Vila Janaína, Santa Efigênia, Cidade Operária, Vila Brasil, João de Deus, Santo Antônio, São Bernardo, Coroadinho (Morro do Zé Bombom), Turu (Santa Rosa e Jardim Eldorado), Divineia, Vila Matões e Vila Alonso Costa – em São Luís.

Todos os presos, segundo o delegado, são integrantes de grupo criminoso que age na Grande Ilha. Os detidos foram autuados por porte ilegal de arma de fogo, tráfico de drogas, formação de quadrilha, crime organizado, entre outros. A polícia averigua a origem das armas, drogas e outros materiais apreendidos. A operação contou com 170 policiais civis, sendo 31 delegados e cerca de 200 militares que se revezaram nas buscas nos bairros desta primeira etapa.

O superintendente da SPCC pontua que a atuação integrada das forças de segurança pública tem sido muito importante e se repetiu em outras operações. “O relacionamento entre as polícias no Maranhão é excelente e essa parceria será mantida e estendida a outras ações, tendo como foco a garantia da segurança ao cidadão”, enfatizou Pacheco.

A operação foi batizada de ‘Gualterio’ em alusão à Filippo Antônio Gualterio, senador italiano do século XVII. Foi ele que, pela primeira vez verificou e mencionou o início de organizações criminosas. Diante desta verificação, ele formulou uma lei, em 1851, reprimindo a conduta com características de máfia e crime organizado.

Mega operação

As investigações iniciaram há cerca de dois meses e se apoiaram nos inquéritos instaurados nas delegacias dessas áreas vistoriadas. O ponto de partida do trabalho policial foram os ataques a ônibus, ocorridos em maio. “Naquela ocasião fizemos mapeamento das áreas e identificação dos envolvidos. Com esse trabalho mais intensivo pretendemos diminuir o poder de ação e desarticular as quadrilhas”, reiterou Armando Pacheco.

Participaram da operação ‘Gualterio’ equipes das Delegacias Especiais da Cidade Operária, Cidade Olímpica, do Maiobão e da cidade de São José de Ribamar; e delegacias do Turu, São Cristóvão, Coroadinho e Parque Vitória. Da Polícia Militar atuaram o Comando de Policiamento de Área Metropolitano (CPAM) I, II e III.

Redução de índices

O trabalho e a integração das Polícias Civil e Militar estão resultando em prejuízos para a população e maior segurança para os cidadãos maranhenses. Como resultado desse trabalho, os primeiros seis meses de 2016 seguiram a tendência do mesmo período do ano anterior e registraram diminuição de 18% no número de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI) na Região Metropolitana de São Luís, segundo dados da Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP). Se confrontados com o ano de 2014, os números são ainda mais expressivos, já que o comparativo do primeiro semestre entre os dois anos apresenta queda de 20%.

“A escala na prática de delitos é decrescente. Vem caindo significativamente. É uma consequência do uso dos novos equipamentos concedidos pela gestão do governador Flávio Dino às polícias”, ressaltou o secretário Jefferson Portela.

2 comentários sobre “‘Operação Gualterio’ prende 14 suspeitos e cumpre 40 mandados de busca e apreensão”

  1. Pacotão gráfico I – A Prefeitura de Codó firmou um pacotão de vinte contratos com quatro empresas para compra de material gráfico e o negócio saiu pelo valor total de R$ 3.571.426,30. O negócio todo, com cinco contratos para cada empresa, foi oficializado em 25 de janeiro, valendo até 30 de dezembro.

    Pacotão gráfico II – Agora vamos à distribuição dos contratos no festejo gráfico de Codó: a Gráfica e Editora JM Ltda. ficou com a maior parte, pela qual a Prefeitura vai pagar R$ 1.295.810,50; para a Editora Gráfica Aliança Ltda. a soma chegou a R$ 776.696,80, enquanto a Papelaria Giordania Ltda. levou um total de R$ 779.667,50. E por último, a F. P. Borges Comércio – ME, com R$ 719.251,50.

    NÃO SERÁ PRECISO COMENTAR. MAS, TORNA-SE IMPORTANTE DIZER: O PREFEITO ZITO ESTÁ DEITANDO E ROLANDO COM OS RECURSOS PÚBLICOS.

  2. A prefeita de Presidente Vargas, Ana Lúcia Mendes, a Aninha, está na mira da polícia.
    Aninha realizou vários contratos com Rio Anil Locação – apontado pela Superintendência Estadual de Prevenção e Combate à Corrupção (SECCOR/MA) como uma empresa de “fachada”.

    Os contratos foram feitos em 2014 para execução de serviços de recuperação de estradas vicinais, conforme mostra as imagens do Diário Oficial.

    Ao todo, a empresa firmou quatro contratações num valor total de R$ 1.568.452,65 com a Prefeitura de Presidente Vargas.

    A Rio Anil Locação, segundo delegado Leonardo Bastian, é envolvida em vários esquemas de licitações fraudulentas com diversas prefeituras maranhenses.

    A prefeita Aninha terá que explicar como uma empresa de “fachada” poderia prestar serviço no município.

    ESSA EMPRESA, DE PROPRIEDADE DO “”EDUARDO – O IMPERADOR) É A MESMA QUE FEZ VÁRIOS CONTRATOS COM O PREFEITO ZITO, ALUGANDO MÁQUINAS PESADAS E OUTROS VEÍCULOS. SORTE DO ZITO, TER AS PROMOTORIAS PÚBLICAS EM CODÓ NA INÉRCIA ANESTÉSICA.

Deixe uma resposta