PÁGINAS DE CODÓ (XXVII) – Maria Evarista de Sousa Barros

Professor Carlos Gomes
Professor Carlos Gomes

Filha de Manoel Felipe de Sousa e Guiomar de Araújo Sousa, residentes na localidade Bacuri, município de Codó. Nasceu no dia 26 de outubro do ano de 1928. Iniciou os estudos com doze anos, na sua cidade natal, cursando do primeiro ao terceiro ano primário, na Escola São José de Dona Maria do Carmo Assis, 4º e 5º ano no grupo Escolar Colares Moreira, dirigido pela professora Maria Alice Machado.

Não havendo ginásio na cidade, teve que continuar os estudos em Teresina, capital do Piauí, onde concluiu o ginásio no Liceu Piauiense e finalmente, fez o segundo grau, formando-se em professora normalista, em São Luis, na Escola Normal do Instituto de Educação.

Com o apoio da professora Neyde Magalhães Araújo e recomendada de seu pai ao então Governador Sebastião Archer, obteve nomeação para lecionar no colégio que funcionava na União  Artística Operária Codoense, o qual recebeu o nome de Raimundo Muniz Bayma, tendo como diretora Neyde Magalhães Araújo. Em 2 de agosto de 1976 foi designada para exercer o cargo de diretora na escola, onde já havia lecionado.

A 24 de maio de 1954, casou-se com Martinho Ximenes Barros, perante o Juiz e o Pe. Benedito Chaves Lima, tendo por testemunhas: José Xavier Cruz, Mercedes da Veiga Cruz, Saul Costa, Violeta Branca Lima, Maria Nazaré Carvalho Oliveira, Antônio Edson de Araújo, Regina Saads de Araújo e Luis Gonzaga Barros. De seu matrimônio, tem sete filhos, um dos quais, Ronaldo Sousa Barros é formado em medicina.

Seu esposo Martinho Ximenes Barros, foi comerciante, trabalhando na sua propriedade Mata Virgem que se localiza no distrito de Cajazeiras, Vitima de parada respiratória, faleceu no dia 15 de janeiro de 2002.

A professora Maria Evarista, hoje aposentada, contribuiu de maneira significativa para educação do município.

Codó – MA, 05 de agosto de 2013.                                                        Prof. Carlos Gomes.

Sócio Fundador da Associação Cultural Codoense “Antonio Almeida Oliveira” e do Instituto Histórico e Geográfico de Codó.

Transcrito do Livro Codoenses & Não Codoenses, aguardando publicação

Deixe um comentário