Por Jacinto Junior – A extrema-direita na ‘vanguarda da mudança”?

Quem não conhece o capitão-mor (árbitro) da extrema-direita que o compre e faça um excelente uso. Ops!… sai de retro, companheiro!!

Professor Jacinto Junior - um pensador contemporâneo
Professor Jacinto Junior – um pensador contemporâneo

A notável tentativa do coadjuvante – subtendido, o ‘garoto virtual’ – em apresentar-se como o ‘novo’ é um sintoma clássico da reprodução ideológica burguesa de se mostrar autossuficiente e capaz de administrar as crises e levar adiante um modelo político ‘justo socialmente’ para o povo que se encontra desesperançado e sem norte – vide a Revolução Francesa!

A articulação do PEN na perspectiva de gerar um fato político positivo em relação ao ‘garoto virtual’ – e com todo respeito que nutro pelo militante ecológico Ferdinando Rocha e ao deputado César Pires, cujo intelectualismo é público -, não lhe conferiu toda a repercussão esperada, devido à própria militância partidária serem figuras por demais conhecidas e muito próximas ao capitão-mor e, por conseguinte, não houve surpresa e muito menos ganhos políticos. É como se afirma por aí o adágio popular “é seis por meia dúzia”.

Entretanto, desejo afinar ainda mais o tom desse argumento proferido pelo espetacular ‘garoto virtual’ amparado por um portentoso veículo de comunicação que, na verdade, o projeta como um infalível semideus “escolhido” pelo próprio Zeus para salvar em definitivo a terra santa codoense de todas as celeumas sociais históricas. Mas, para além dessa missão profética, externarei as diatribes do iluminado ‘garoto virtual’ que, em seu monologo disse: “E nós estamos neste projeto do novo, não novo pela idade, mas novo por seus objetivos, novo por seus projetos, novo por seus objetivos com único objetivo melhorar a qualidade de vida do povo codoense” (grifo meu), busquemos a amplitude de seu garboso e lúcido conhecimento teórico e politico na prática:

  • Chama-nos a atenção sua vasta cultura quando expressa seus ‘objetivos’. Ninguém consegue perceber o espaço vazio de seu aclamado discurso pelo ‘novo’. Quais são mesmo? Ah! Já sei, ‘melhorar a qualidade de vida do povo codoense’. Não vejo nada de subjetivo, porém, objetivamente…, é uma formula que se aproxima ao campo do invisível. Oh! É uma reflexão que se estende de ponta a ponta, aliás, uma novidade indelével. Claro que, tal proposição não se assemelha em nenhum milímetro daquilo que fora proposto por Marina Silva em 2014 em sua campanha presidencial falando da ‘nova política’. O que seria então, esse ‘novo’ tão ‘novo’ para a comunidade codoense? Sinceramente, preciso conhecer mais esse campo desconhecido! O ‘garoto virtual’ insinua seu majestoso interesse em cuidar bem de um bem público como se fosse sua própria ‘casa’. O enlace seria perfeito. Nada pode impedir o progresso sob a condução do ‘garoto virtual’ que ostenta o mais forte discurso da mudança pela manutenção do status quo e não propriamente pela mudança estrutural. Não consigo enxergar uma iskra de esperança nesse malgrado discurso do ‘novo’. Como é ser o ‘novo’ quando o discurso é tão conservador e midiotizado?
  • O ‘garoto virtual’ numa única frase mostra toda fragilidade intelectual (para não dizer ignorância política). Só o termo “objetivo” é pronunciado três vezes, desnecessariamente. Repito: a assessoria do ‘garoto virtual’ ainda não lhe ensinou o básico do básico? Sem desmerecer o intelectual deputado César Pires, faço-lhe um apelo: ensine-o a fazer discursos breves e atraentes, sem a melosa pantomímica e ridícula fraseologia sem efeitos.  Seu incrível chamamento para o ‘novo’, o ‘novo’ que não se resume na idade cronológica – pois, na verdade, ainda é um bebê – apesar de ter superado três décadas de muita ‘labuta’ e muito ‘trabalho’ deve ter tido várias noites de insônias pensando em como rabiscar as linhas introdutórias – dar título e delimitar o tema – de seu projeto de pesquisa que seria mais tarde transformado em sua monografia e tornar-se um empresário luxuosamente bem sucedido e admirado por seus asseclas que o vê senão como o grande redentor, o grande exemplo, a maravilha das maravilhas. Permita-me aduzir uma costumeira frase que ele sempre solta vultuosamente quando pretende tomar uma decisão: “vou falar com o painho”. É motivo de pilhéria tal comportamento para quem deseja ser modelo de decisão, eficiência e competência!
  • Será que o ‘garoto virtual’ compreende a dimensão e o sentido lato dessa categoria (‘o novo’) para tentar explorá-la aleatoriamente? Como se fosse tal categoria um pequeno animal de estimação de fácil manipulação?
  • E, surpreendentemente, o ‘garoto virtual’ tenta mostrar que conhece a história política codoense, evocando o inicio da década de 1990 – quando o chefe do Executivo era o José Inácio, conhecido como o “Zé dos Pobres”- e estabelece um parâmetro consigo mesmo cronologicamente: E nós temos que ter a certeza disso, que nós iremos entrar nessa disputa contra um grupo que lá quando eu tinha 7 anos, em 1992, já queria, já governava esta cidade, mas a mudança aconteceu quando o prefeito Zito assumiu e nós estamos aqui, juntos, unidos, querendo que esta mudança continue, que essa mudança represente a melhoria da qualidade de vida” (grifo meu). O ‘garoto virtual’ deveria saber que, anteriormente, ao governo do “Zé dos Pobres” quem governava nossa cidade era o médico Antonio Joaquim e o seu vice Biné Figueiredo (1983-1988), e, logo na sequência, José Inácio (1989-1992), portanto, o governo não era do “tempo” do ‘ronca’ – o ‘garoto virtual’ precisa estudar melhor a nossa história para poder embasar seu discurso insosso e, assim, estabelecer paralelos para enriquecer sua discrepante fala. Biné assume o governo em 1993. Somando o tempo de poder intercaladamente, Biné esteve no comando do município 14 anos. Excluindo-se, evidentemente, as eleições de seu pentacampeão e ex-deputado Camilo Figueiredo.
  • O ‘garoto virtual’ numa ilação ideológica busca equiparar-se a um grande líder procurando demonstrar experiência e maturidade intelectual convocando a militância ecológica e dirigindo-se ao vice-presidente do PEN – Ferdinando Rocha – dizendo: “Então hoje eu recebo de você o apoio do PEN, este partido novo, mas um partido com ideias novas que tem tudo a ver com a nossa pré-candidatura (…) e aqui peço a você mais empenho junto com a gente, una-se agora, vamos atrás, vamos conquistar outros amigos, lideranças políticas que também pensam no novo”. Esse mote o ‘novo’ me recorda a fala de um determinado candidato-filósofo que tentou sobreviver politicamente com esse mesmo discurso estapafúrdio. E, agora, ocorre o mesmo processo com a mesma prática. A diferença elementar entre um e o outro são os cargos; o primeiro tentou a vereança e o segundo novamente aspira a prefeitura. E o mais engraçado é que o primeiro tornou-se seu principal conselheiro. Hum!… E que conselheiro! Perdoe-me pela indelicadeza em recordar tais fatos.

Como se pode perceber, o ‘garoto virtual’ impregna-se de ecologia ao extremo quando diz que o ‘(…) PEN, este partido novo (…) com ideias novas que tem tudo a ver com a nossa pré-candidatura (…)’. A quem o ‘garoto virtual’ pretende enganar com essa farsa deletéria? Sinto muito, mas a hora da mudança está sendo operada por outra liderança, numa perspectiva oposta a essa tautologia do ‘novo’.

Certamente, Codó quer a preservação de elementos fundamentais como: liberdade, democracia, independência, autonomia e, logicamente, progresso. A conceituação do desenvolvimento não pode ser privilegio de uma casta conservadora colocando-se como sendo a ‘única’ via capaz de introduzir uma plataforma política para transformar nossa cidade. Aliás, é de bom tom que relembremos: qual alternativa a extrema-direita apresenta para a comunidade codoense para implementar esse conceito do ‘novo’? O que tem sido disseminado pela ala conservadora da extrema-direita são meramente frases ocas e vazias sem conexão com a realidade social.

O povo não pode aceitar pura e simplesmente esse discurso do ‘novo’ como sendo signo apurado da redenção da cidade, menos ainda, acreditar que sob tal agrupamento político a perspectiva transformadora assuma condição de salvaguarda, ou, melhor dizendo: a ‘vanguarda da mudança’.

Muito mais do que palavras eufóricas e adocicadas, o povo deve repudiar a dissimulação, a mentira e a ilusão. A gestão pública é um laboratório fantástico para modular o planejamento e estabelecer prioridades sociais em prol da maioria despossuída de direitos básicos. A vanguarda da mudança é de domínio popular, exclusivamente.

8 comentários sobre “Por Jacinto Junior – A extrema-direita na ‘vanguarda da mudança”?”

  1. Jacinto, teus ídolos estão presos, teu partido escola é o que praticou o maior escândalo de corrupção da história desse país.
    Você foi o pior secretário de educação que o município já teve.Isso fez até o Zito te tirar no segundo mandato.Como professor,não tem um trabalho que a sociedade reconheça.E vai amargar a inveja do sucesso de Francisco Nagib . Você, como político, fracassou.Fracassou como secretário, fracassou como militante e fracassa como analista político. Seus escritos são recheado de ódio e pré-conceitos.

    O Francisco Nagib terá a oportunidade de ser reconhecido como um político que ajudou melhorar o nosso município. Mas você já está conhecido como um fraco secretário de educação. Uma pessoa que se tornou secretário, não pelo currículo que é pobre, mas pela indicação de uma classe que muitos nem souberam do dia da votação.

    Sou professora e vi a sua deficiência, se não fosse a Zuca, o Cícero de Sousa, o Ronaldo,a Rosina e o próprio Zito, a educação não tinha tido avanço . Você foi o único secretário do primeiro mandato do Zito que não passou para o segundo.Sua gestão foi reprovada por todos nós professores e diretores.

    Nunca imaginei que a pessoa tão falante e de esquerda se revelaria um secretário sem propostas, sem ideais e sem espírito de liderança. Você não faz um pingo de falta na equipe do Zito,não deixou saudades e nem ideias.

  2. Engraçado esse Jacinto Jr. Com todo seu conhecimento politico, foi um fraquíssimo secretário de educação, o LULA com todo seu conhecimento politico eh líder do maior escândalo de corrupção no pais, sem falar na DILMA que ficara na história como a Presidente que afundou o Brasil na pior crise financeira e politica.

  3. O lema agitação e propaganda – AgitProp, no jargão militante – foi sempre o sustentáculo da ação esquerdista, desde os tempos da revolução soviética. O PT manejou-o com esmero, desde sempre.
    Pouco importa se há fundamento no que se propaga. Em regra, não há, mas a eficácia da estratégia independe disso. Funciona até melhor quando a verdade – habitualmente, um problema para os profissionais da trapaça – não está em cena.
    O PT galgou o poder, no espaço de pouco mais de duas décadas, a bordo de um discurso moralista implacável. Atribuía a seus adversários, com ou sem motivos, práticas em que viria a se mostrar mais voraz que todos os que o precederam no ofício.
    Liquidou carreiras, assassinou reputações e, pior, iludiu o público com uma retórica em que prometia banir a corrupção da vida pública brasileira e instaurar a redenção social. O resultado estamos vendo, a cada fase da operação Lava Jato, sem contar os desastres sociais decorrentes de uma política econômica, que, além de quebrar o país, deixou um rastro de mais de 11 milhões de desempregados.
    Nunca antes…
    Mesmo agora, quando pipocam novas delações, revelando a extensão e os métodos da roubalheira – e quando já não há dúvidas da participação direta e pessoal da própria presidente afastada –, o pessoal da AgitProp continua em plena efervescência.
    O discurso do golpe, que só convence a quem o faz, é agora acrescido de um singelo tempero: o maltrato aos golpeados. É preciso convencer o público de que o governo Temer está perseguindo os integrantes do governo afastado, aquele mesmo que o ministro Celso de Mello, do STF, chamou de organização criminosa.
    Como se trata de um teatro, nada melhor que recorrer a profissionais do ramo. Eis, pois, que a atriz Tássia Camargo, militante petista, que não chega a ser uma diva dos palcos – mas tem bom número de seguidores nas redes sociais -, publicou vídeo convocando a militância do PT a doar comida para Dilma Rousseff.
    Dilma, vejam só, estaria passando fome. No vídeo, a atriz afirma que Michel Temer retirou a alimentação da presidente e a exilou no Palácio da Alvorada. Um exílio, convenhamos, singular, em que, além do Palácio, a penalizada dispõe de 36 funcionários para assisti-la, sendo 31 do gabinete da Presidência da República, e nada menos do que cinco ajudantes de ordem. Uma corte, enfim.
    Estão, os perseguidos, condenados à quarentena – isto é, a receber salários integrais, sem precisar trabalhar, durante seis meses. Alguns foram contratados dias antes do afastamento da presidente. Contratados para nada fazer, a não ser suportar o ambiente da Corte exilada. Um tédio.
    Dilma não está proibida de viajar, o que, aliás, tem feito, desde o início do “exílio”. Apenas, a partir de agora, só o fará às custas do Estado – isto é, do contribuinte – no trajeto entre sua residência particular, em Porto Alegre, e Brasília.
    Não há lei regulando a situação – e ela não pode se queixar de qualquer rigor, se comparado o tratamento que tem ao único caso análogo ao seu na história republicana brasileira.
    Fernando Collor, quando na mesma situação, não mereceu qualquer benefício. Morou em sua residência particular (a Casa da Dinda), pagou seu próprio transporte, sua alimentação e advogado. Em momento algum, serviu-se da Advocacia Geral da União para defendê-lo, como se permitiu no caso de Dilma.
    A AGU defende os três Poderes, que formam a União. Não pode defender um desses Poderes (no caso, o Executivo) contra outro (o Legislativo), sobretudo quando a ré é acusada exatamente de lesar a União. Um despropósito – e uma ilegalidade.
    Mas voltemos ao ponto. Quando afastado, em 1992, Collor quis saber quais suas prerrogativas, já que, mesmo afastado, continuava presidente. Nada lhe foi concedido. E Lula, na ocasião, disse o seguinte, registrado então pelo Globo:
    “Se o governo quer dar casa para o Collor, então que conceda um espaço na Casa de Detenção. Ele cometeu o que cometeu e agora vem pedir mordomias? Ele é que vá pedir para o PC (Farias)”.
    Não houve, na época, militância para denunciar a situação. O então senador Mário Covas, líder do PSDB, disse o seguinte: “Se não há lei para tratar do assunto, então que se use o bom senso. Ele é presidente afastado. Como pode achar que tem direito a passagens internacionais ou helicóptero do governo?”.
    Roberto Freire, que presidia o PPS, resumiu a ópera: “O rapaz perdeu. Não tem direito a mais nada. Deve ir para sua casa e começar a se preocupar com sua defesa”.
    Na Corte da Rainha Dilma, não falta comida ou conforto – e muito menos dinheiro, como mostra o Petrolão. Falta memória – e desconfiômetro.

  4. O pt vai ser exterminado, o lula vai ser preso; José Dirceu, José Genuíno, O lula, ou seja a cúpula do PT; toda estão caminhando para penitenciária,

    1. Colega Ronaldo Trindade, gostaria que você fizesse um contraponto sobre o conteúdo apresentado. Cono você avalia o meu texto? Acho muita incoerencia o posicionamento de um ponto de vista desfocado do conteudo em questão. Note que estou fazendo uma avaliação local e não nacional. Estou criticando um segmento pokitico muito reacionário que está se aoresentando como o ‘novo’. E ai você é capaz de emitir sua opinião a respeito do texto, sem receio de sofrer algum tipo de pressão?

  5. Caro Ronaldo Trindade de Souza – meu ex-auxiliar –esquecestes de mencionar os outros membros da cupula do PMDB, que, inclusive o STF autorizou suas respectivas prisões: Jose Sarney, Renan Calheiros, Romero Juca. Quanto ao Lula apenas especulações e denuncias vazias. E o proprio Teori já descartou o crime conetido pelo – as gravações ilegais publicadas sem a anuencia do STF. Há um quarto elemento da cupula peemedebista que esta sendo investigado: o ex-ministro de Ninas e Energia: Edison Lobão. Portanto, Ronaldo a República brasileira tem sido ao longo da historia solapada pela elite branca vira lata e corrupta. Foram necessarios apenas uma decada para que este país mudasse sua historia e se trabsformasse na maior economia emergente do século XXI. É preciso avaliar o movinebto goloista com muito cuidado, serenidade e responsabilidade. Você tem a ckara noção do que significa a presenca desse governo golpista, conspirador e traidor no cenario internaciinal? Você sabia que o Serra como diplomata deixou de se pronunciar na ONU na reunião da OIT -Organização Internacional do Trabalho – sob veemente vaia e protestos de todos os representantes dos paises-membro chamando-o de golpista? Caro Ronaldo somente pessoas alienadas e incapazes de refletir com equilibrio a atual conjuntura pokitica nacional não percebe a quebra da democracia. So lamento seu posicionamento e espero que sua maturidade intelectual não rompa sua amizade comigo por discordar de sua postura em relação ao gokpe em cursi. Respeitosas saudações.

Deixe um comentário