Ribonucleicamente professor Welson analisa o ‘homem’ como um ser político

Trazemos aqui mais uma opinião do professor Welson da Silva Pinto fazendo sua análise do ser humano enquanto dependente da política, detentor de uma genética política que ele considera  hereditária.

-Somos seres humanos diferenciados por algo chamado capacidade,o que nos faz diferente um do outro é a capacidade. Os gregos, romanos, tem como filosofia que só os intelectuais devem governar até porque estamos em uma geração muito capitalista, muito materialista e que futuramente tornar-se-ão ateísta,então este é um momento que a política seja decidida por homens sábios – diz

CONFIRA O VÍDEO COMPLETO

14 comentários sobre “Ribonucleicamente professor Welson analisa o ‘homem’ como um ser político”

  1. Fico aqui pensando esse homem falando em cima de um palanque com todo esse seu linguajar para o povo de codó como seria um desastre total não ganharia nem pra presidente do clube de futebol de botão

  2. Kkkk. Só mesmo o Chapolin colorado para travar diálogo em pé de igualdade com essa mente “animálica” e “salomática” desse professor… Como a chegada no novo aeon, as pedras do Gênesis estariam em boas mãos se entregues ao “intelectuálico” docente que, se candidato a vereador, já estaria eleito.

  3. Parabéns professor, nunca tive uma aula tão profunda de política. Faça outros vídeos com outros temas, precisamos de seus esclarecimentos… Você é um homem de muito conhecimento

  4. Trazemos aqui mais uma opinião do professor Welson da Silva Pinto fazendo sua análise do ser humano enquanto dependente da política, detentor de uma genética política que ele considera hereditária.

    -Somos seres humanos diferenciados por algo chamado capacidade,o que nos faz diferente um do outro é a capacidade.

    ANÁLISE ERRADA. MEU CARO PROFESSOR, “”SOMOS SERES HUMANOS DIFERENCIADOS POR ALGO MAIS. ESSE ALGO MAIS É O CARÁTER, A PERSONALIDADE E A CAPACIDADE DE CONVIVÊNCIA COM OS IGUAIS””.

  5. Os humanos são,por natureza,diferentes dos animais,porque são dotados de fala e pensamento.Por serem dotados da palavra,são naturalmente sociais(animais políticos)Basta conhecer a natureza humana para nela encontrar a causa da política.Os humanos,falantes e pensantes,são seres de comunicação ou da vida política,nessa concepção a natureza funda a política.A política foi inventada como o modo pelo qual a sociedade,internamente dividida,discute,delibera e decide em comum para aprovar ou rejeitar as ações que dizem respeito a todos os seus membros.Cotidianamente,jornais,rádios,televisões mostram no mundo inteiro,fatos políticos que reforçam a visão pejorativa da política,também contribui para a visão negativa da política a maneira como as leis estão redigidas,tornando-se incompreensíveis para a sociedade e exigindo que sejam interpretadas por especialistas,sem que tenhamos garantia de que as interpretam corretamente,se o fazem em nosso favor ou em favor de privilégios escondidos.O que é curioso,porém,aumentando nossa percepção da política como algo paradoxal,é o fato de que só podemos opor-nos a tais fatos e lutar contra eles através da própria política,pois mesmo quando se faz uma guerra civil ou se realiza uma revolução,os motivos e objetivos são a política,isto é,mudanças na forma e no conteúdo do poder.Mesmo as utopias de emancipação do gênero humano contra todas as modalidades de servidão,escravidão,autoritarismo,violência e injustiça concebem o término de poderes ilegítimos,mas não o término da política,pois a mesma é iventada de tal maneira que,a cada solução encontrada,um novo conflito ou uma nova luta podem surgir,exigindo novas soluções.Em lugar de reprimir os conflitos pelo uso da força e da violência das armas,a política aparece como trabalho legítimo dos conflitos,de tal modo que o fracasso nesse trabalho é a causa do uso da força e da violência.O que procuramos apontar não foi a criação de uma sociedade sem classes,justa e feliz,mas a invenção da política como solução e resposta que uma sociedade oferece para suas diferenças,seus conflitos e suas contradições,sem escondê-los sob a sacralização do poder e sem fechar à temporalidade e às mudanças.Quando lemos os filósofos gregos e romanos,observamos que tratam a política como um valor e não como um simples fato,considerando a existência política como finalidade superior da vida humana,entendida como racional,feliz e justa,própria dos homens livres,tendo como cerne o bem comum e justiça na comunidade,onde a única maneira de realizar mudanças sem destruição da ordem política,é o debate para chegar ao consenso,isto é,a expressão pública da vontade da maioria,obtida pelo voto.A justiça política consiste em respeitar o modo pelo qual a comunidade definiu a participação no poder.Essa definição depende daquilo que a cidade mais valoriza,os regimes políticos,variando em função em função do valor mais respeitado pelos cidadãos.Há cidades que valorizam a honra(isto é,a hierarquia social baseada no sangue,na terra e nas tradições)Há cidades que valorizam a igualdade(são iguais os que são livres),consideram a diferença entre ricos e pobres econômica e não política,julgando que todos possuem o Direito de participar do poder:Tem-se a democracia,onde é justo que todos governem.Já dizia SANTO THOMÁS DE AQUINO:Há pessoas que desejam saber por saber,e isso é curiosidade;outras,para alcançarem fama,e isso é vaidade,outras,para enriquecerem com a sua ciência,e isso é um negócio torpe;outras para serem edificadas;e isso é prudência;outras para edificarem os outros;e isso é caridade.Há na prática política democrática e nas idéias democráticas,uma profundidade e uma verdade muito maiores e superiores,ao que a ideologia democrática percebe e deixa perceber.As eleições simbolizam o essencial da democracia:que o poder não se identifica com os ocupantes do governo,não lhes pertence,mas é sempre um lugar vazio,que os cidadãos,periodicamente,preenchem com um representante,podendo revogar seu mandato se não cumprir oque lhe foi delegado para representar,a democracia é a única forma política que considera o conflito legítimo e legal,permitindo que seja trabalhado politicamente pela própria sociedade.As idéias de igualdade e liberdade como Direitos civis dos cidadãos,vão muito além de sua regulamentação jurídica formal.Significam que os cidadãos são sujeitos de Direitos e que,onde tais Direitos não existam nem estejam garantidos,tem-se o Direito de lutar por eles e exigi-los.É esse o cerne da democracia.Um Direito difere de uma necessidade ou carência e de um interesse.Um Direito é mas geral e universal,válidos para todos os indivíduos,grupos e classes sociais,uma necessidade ou carência é algo particular e específico,alguém pode ter necessidade de água outro de comida.Um grupo social pode ter carência de transportes,outro,de hospital.Há tantas necessidades quanto indivíduos,tantas carências quantos grupos sociais.Um interesse também é algo particular e específico.Os interesses dos estudantes brasileiros podem ser diferentes dos estudantes mexicanos e indonésios,dos índios,diferentes dos garimpeiros.A democracia é a sociedade verdadeiramente histórica,isto é,aberta ao tempo,ao possível,às transformações e ao novo.Com efeito,pela criação de novos Direitos e pela existência dos contra-poderes sociais,a sociedade democrática não está fixada numa forma para sempre determinada,ou seja,não cessa de trabalhar suas divisões e diferenças internas, de orientar-se pela possibilidade objetiva(a liberdade)e de alterar-se pela própria praxis(ação livre do agente moral e do sujeito político)Assim,nossa democracia é uma construção ininterrupta,como eleitor codoense,desejo a esse município o limiar de um novo tempo.

    1. Pois é… e quando eu quiser ler um jornal eu vou à banca e compro um…Mais vale um sábio bobo falando pouco que um bobo sabido falando muito. “Por que tão sério? Não vê que é tudo uma grande piada?” – Coringa;-)

Deixe uma resposta