VÍDEO – Escolas da rede estadual foram às ruas de Codó contra o trabalho escravo

Estudantes das 5 escolas da rede pública estadual saíram na manhã desta quinta-feria, 6,  pelas ruas de Codó chamando a atenção da sociedade sobre um problema que atinge muita gente por aqui – o trabalho em condições semelhantes à escravidão.

A discussão que foi levada para as escolas tem fundamento. De 2013 até agora,  433 codoenses foram resgatados de fazendas em situação análoga à escravidão.

Nas palestras realizadas em cada colégio sobre este tema, antes, claro, desta caminhada,  destacou-se a modernidade que escraviza, como frisou o gestor do Complexo René Bayma, professor Ribamar Melo.


 “O objetivo, como eu disse, é combater a escravidão moderna a questão dos subempregos, dos imigrantes que saem da nossa cidade deixando suas famílias pra trabalhar nos grandes centros do país em situações análogas a escravidão”

Os números de nosso município são impulsionados pela migração semanal dos codoenses para trabalhos em lavouras, principalmente, no Sul e no Sudeste do país.

Envolver os estudantes nesta discussão também previne, lembrou Linalva Cunha, que é da Rede de Ações Integradas de Combate à Escravidão, que eles, futuros trabalhadores, sejam novas vítimas.

 “Eles precisam também se inteirar dessa temática e ajudar também nesse processo de dizer não à esse crime de também fazer o processo de difusão dessa temática nas famílias, na comunidade, no município, então, assim, trazer esta pauta pra dentro da rede pública estadual é extremamente estratégico porque vai para além, por exemplo, da Rede de Ação Integrada de Combate a Escravidão, a difusão é maior”, enfatizou ela que também é da Comissão Pastoral da Terra

Deixe um comentário