Bacabal faz esforço de gestão para atualizar salários e pagar a segunda parcela do 13º

Ao invés de optar pela drástica solução da contenção de gastos usando a fórmula ortodoxa de cortar despesas via redução de salários e, ou, demissão de pessoal, como vem sendo feito em todo o país, em função da crise econômica que afeta as finanças da Nação, de estados e municípios, a prefeitura municipal de Bacabal anuncia está realizando grande esforço de administrativo de gestão para manter todo o seu quadro funcional atualizado, sem a redução de proventos, e, ainda, pagar dentro do prazo permitido por lei, a segunda parcela do 13º salário, a todo o pessoal ligado a administração direta do município. A primeira parcela foi paga no mês de junho.

A ação de trabalho é uma determinação do prefeito José Alberto Veloso e foi revelada ontem, segunda-feira, 16, pela secretária Prenticimar Gusmão, que informou já ter sido pagos, apenas nos últimos 15 dias, os meses de agosto e setembro para os funcionários ligados a secretaria de administração, cujos recursos são oriundos do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), repasse que mais sofreu reduções ao longo de todo o ano.

A ordem do prefeito José Alberto não é apenas para equacionar, mas para que sejam resolvidos, de forma definitiva, todos os problemas gerados pela grave crise financeira que afeta o País. Veloso que recuperar, sem redução de salários ou de pessoal, a capacidade de investimento do município sem prejudicar servidores.

Negociações e otimizações

A administração José Alberto Oliveira Veloso herdou das gestões que a sucederam um espólio financeiro macabro, formado por dívidas legais e institucionais, como FGTS e INSS, além de empréstimos, que foram renegociadas e não cumpridas, que agora geram demandas coercitivas por parte dessas instituições, que vão do bloqueio, à retenção e ao confisco dos repasses legais, os quais a prefeitura tem direito.

Essas ações travam o movimento financeiro da prefeitura obrigando o seu departamento jurídico a empreender respostas que dependem do cumprimento do trâmite judicial, impedindo assim que os atos administrativos corram com a devida desenvoltura.

Herdou também espólio macabro constituído por densas dívidas com fornecedores e prestadores de serviço, em sua grande maioria superfaturadas, mas legais, que agora estão cobradas gerando problemas para a administração.

Esses fornecedores estão sendo chamados a negociar seus ativos e a prefeitura está assegurando todos os seus direitos, mas preservando e priorizando nessa negociação a sua capacidade financeira de manter sua máquina administrativa funcionando a contento. A base da negociação dessas dívidas a redução do seu valor e a extensão do seu prazo de pagamento. Otimizando todas essas ações a prefeitura espera poder manter a sua folha de pagamento em dia e recuperar a sua capacidade de investimento. Todos os setores da administração vivem esse novo momento.

Ascom Bacabal

Deixe uma resposta