César Pires quer detalhamento de operação realizada pela ANP no Maranhão

O deputado César Pires (DEM), acertadamente, cobrou da Agência Nacional do Petróleo (ANP), na sessão desta quarta-feira (05), a divulgação da lista dos postos com 40 bombas adulteradas que existiriam em São Luís. O parlamentar disse que vai apresentar requerimento solicitando que a ANP emita nota aos meios de comunicações de veiculação mostrando a relação, com na base da Lei de Acesso à Informação.

Pires lembrou que a Assembleia criou, no ano passado, a pedido do deputado Othelino Neto (PCdoB), uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI dos Combustíveis), na qual ele foi o relator, mas não teve elementos suficientes para denunciar os postos supostamente irregulares. O deputado do DEM disse que os donos de postos agiram como “verdadeiros anjos”.

“O Maranhão parecia viver uma situação nababesca, em um nirvana sob o ponto de vista das ações dos postos de gasolina”, lembrou. César Pires afirmou que foi surpreendido por nota de nível nacional veiculada em alguns blogs nacionais sobre a adulteração de ao menos 40 bombas de combustíveis verificadas pela Agência Nacional do Petróleo, mas sem qualquer identificação dos postos.

O deputado defendeu que a ANP informe à Assembleia os nomes dos postos de gasolina, com os seus proprietários ou arrendatários, “para que possamos veicular em nível estadual esses postos que são, na verdade, larápios dos nossos bons valores quando abastecemos nos seus estabelecimentos”. De acordo com o deputado, a ANP precisa divulgar a relação para não macular a imagem do Estado em nível nacional e proteger o consumidor maranhense.

O deputado explicou que pela denúncia, se o consumidor abastecer, por exemplo, R$ 200,00, a bomba adulterada colocada apenas 50 por cento ou 75 correspondentes ao valor real.

Projeto – Além da cobrança junto a ANP, César Pires deverá protocolar na Mesa Diretora da Assembleia um Projeto de Lei que puna aos postos de combustíveis que adulterem as bombas tanto no quesito qualitativo quanto quantitativo.

A ideia de Pires é além de cobrar uma multa mais rigorosa, suspender as atividades do referido posto e detalhar, através de uma placa visível, os motivos pela suspenção do estabelecimento comercial.

Obviamente que o consumidor maranhense agradecerá.

Deixe uma resposta