Decisão do TCU prevê que recursos do Fundef devem ser aplicados exclusivamente na educação

Em sessão ordinária realizada nesta quarta-feira, 5, o plenário do Tribunal de Contas da União (TCU) decidiu que recursos de precatórios relativos à complementação do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef) não podem ser utilizados para pagamentos aos profissionais da educação.
Os ministros do TCU firmaram o entendimento de que os recursos não estão submetidos à subvinculação de 60%, prevista no artigo 22, da Lei 11.494/2007, que regulamentou o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) em substituição ao Fundef.
O referido artigo 22 diz que, pelo menos, 60% dos recursos anuais totais dos Fundos serão destinados ao pagamento da remuneração dos profissionais do magistério da educação básica em efetivo exercício na rede pública.
Prevaleceu a tese de que a lei menciona expressamente que o percentual de 60% abrange os recursos anuais, levando à interpretação de que a destinação exclui os recursos eventuais ou extraordinários, que é o caso dos relativos à complementação do Fundef.
Outra deliberação da corte no âmbito do processo prevê que os referidos recursos podem ter sua aplicação definida em cronograma de despesas que se estenda por mais de um exercício financeiro, não estando sujeita ao limite temporal previsto no artigo 21, da Lei 11.494/2007.
Neste dispositivo está prevista a determinação de que “os recursos dos Fundos, inclusive aqueles oriundos de complementação da União, serão utilizados pelos Estados, pelo Distrito Federal e pelos Municípios, no exercício financeiro em que lhes forem creditados, em ações consideradas como de manutenção e desenvolvimento do ensino para a educação básica pública”.
 
RECOMENDAÇÕES 
O plenário do Tribunal de Contas da União decidiu, ainda, que o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) e o Ministério da Educação devem divulgar o teor da deliberação aos estados e municípios, bem como aos Conselhos do Fundeb dessas localidades que fazem jus aos recursos provenientes da diferença no cálculo da complementação devida pela União no âmbito do Fundef, referente aos exercícios de 1998 a 2006.
O TCU recomendou também que os entes beneficiários dos recursos, antes da sua utilização, elaborem planos de aplicação, compatíveis com a decisão da corte de contas, com os planos nacional, estaduais e municipais de educação e com os objetivos das instituições educacionais. “Deem a mais ampla divulgação do plano de aplicação dos recursos, à luz do princípio constitucional da publicidade, devendo dele ter comprovada ciência, ao menos, o respectivo conselho do Fundeb, os membros do Poder Legislativo local, o tribunal de contas estadual respectivo e a comunidade diretamente envolvida – diretores das escolas, professores, estudantes e pais dos estudantes”, orientou.
 
AÇÕES DA REDE DE CONTROLE
A decisão do TCU atende aos anseios da Rede de Controle da Gestão Pública, formada pelo Ministério Público do Maranhão e outras instituições públicas do estado, que realizou uma série de ações em defesa da aplicação dos recursos do Fundef exclusivamente na educação.
Em maio deste ano, as promotoras de justiça Sandra Soares de Pontes e Érica Ellen Beckman, integrantes do Centro de Apoio Operacional de Defesa da Educação do MPMA, participaram, em Brasília, de duas audiências públicas na Câmara dos Deputados sobre o tema.
Ambas defenderam a ideia de que a correta aplicação dos recursos podem trazer grandes avanços para a melhoria dos indicadores da educação pública dos municípios maranhenses.
Uma nota técnica elaborada pelo MPMA sobre o assunto foi encampada pelo Conselho Nacional de Procuradores-Gerais do Ministério Público dos Estados e da União (CNPG).
Além disso, como resultado dos esforços conjuntos com a Rede de Controle da Gestão Pública, o Ministério Público do Maranhão foi, pelo segundo ano consecutivo, o vencedor do Prêmio CNMP, na categoria Redução da Corrupção, com o projeto “O dinheiro do Fundef é da educação: por uma educação pública de qualidade para todos os maranhenses”.
 
FUNDEF/FUNDEB
O Fundef foi substituído pelo Fundeb, criado pela Emenda Constitucional 53/2006 e regulamentado pela Lei 11.494/2007. O fundo é formado principalmente por recursos estaduais. Há, porém, Estados que recebem complementação da União. Isso ocorre quando o Estado não tem condições de arcar com o valor mínimo definido nacionalmente por aluno.
Durante a vigência do Fundef, a União não fez o repasse integral da complementação devida a alguns Estados. O passivo da União em relação a erros de cálculo no âmbito do Fundef, no período de 1998 a 2006, pode alcançar R$ 90 bilhões. O valor corresponde a cerca de 60% dos R$ 148 bilhões previstos para o Fundeb no exercício de 2018, segundo estimativa publicada no Diário Oficial da União (DOU) em 29 de dezembro de 2017.
Redação: CCOM-MPMA

11 comentários sobre “Decisão do TCU prevê que recursos do Fundef devem ser aplicados exclusivamente na educação”

  1. Tá aí Professores de Codó, o presente de Natal que o Prefeito Nagib deu pra vocês. Parabéns ao Vereador Pastor Max que se diz ser o vereador da Educação e no entanto não moveu uma palha em favor dos demais….
    Valeu Nagib assim com CERTEZA você terá REELEIÇÃO. #SQN
    #NAGIB Nunca Maaiiisssss e se Zito continuar com esse miserável será #Zito NUNCA MAIS TAMBÉM.
    Pior Governo
    Pior Prefeito
    Pior Gestor
    Pioooorrrrrrrr…
    Lembrando que ele quer as verbas da previdência também, sindicato vamos a luta para não deixar esse “mal gestor” arrancar o que é mais de direito do povo Codoense.

    1. Tenha prudência em seus desvaneios.
      O Prefeito Nagib sempre se portou no sentido de que tenha segurança no pagamento.
      Ele não é contra o pagamento dos 60% do precatório aos professores, mas sempre falou que queria pagar com respaldo na lei.
      O sindicado, advogados e muitos que tiveram em reuniões sabem disso.

      Agora eu lhe pergunto: Se ele tivesse pago aos professores e com esta decisão do Tribunal de Contas TCU sendo contra o pagamento, quem iria ressarcir o dinheiro na conta da Prefeitura? Eram os professores ou o Prefeito que pagou sem respaldado legal ?

      Olha você deveria respeitar as pessoas!

  2. Olha ai Celso, tu e um fraco mesmo, sempre te avisei aqui, procure a JUSTIÇA, deixe de fazer baderna, pra te não passar vergando, mas, parece que tu não tem mesmo.

  3. Então, mais um tapa na cara dos professores, esse dinheiro é dos
    professores! Chega de massacre! chega de humilhação! Se, fosse de interesse de auditores, Deputados, senadores, Prefeitos, eles iriam teriam sucesso, mas como é para educação(professores) é um massacre só!

  4. As pessoas falam sobre educação, mas é só da boca para fora! Só Demagogia, Max-Tudo passa pelo econômico, Professores precisa: Vestir melhor, comer melhor, ter um carro, ou seja viver com dignidade, o que não é reconhecido pela Burguesia.

  5. Os impostos do Maranhão foram os deputados que deram carta branca ao Governador Flavio Dino; Mas os precatórios foi o TCU e os Ministros do STF que deram o aval aos prefeitos; devemos criticar mas com justiça, não a critica pela critica, pois eu sou Professor e estarei sempre junto com os colegas, e este recurso serviria para dá uma boa ajuda à todos amigos Docentes, e ao comércio em geral, pois esta grana ia circular na cidade, dando uma alavancada em todo(a)s. Deus é Maior!

  6. Para o SONHADOR, quem escreve apelido é por que é covarde, eu sempre trabalhei com respeito e responsabilidade, assim como os demais colegas e amigos professores, se estamos lutando por determinado recurso, é porque somos merecedores, além do mais o dinheiro é dos educadores. A politica educacional no Brasil não é voltada para educação, e sim para faz de contas. Que pena que pessoas se comportem deste modo, na maioria das vezes é pura inveja! portanto vá estudar e deixe de dá palpite onde você não conhece ou faz de conta!

  7. Minha decisão já foi tomada. Peço aos professores principalmente para professor Celso e Marcos que não toquem mais neste assunto. De já agradeço a compreensão.

Deixe uma resposta