Presidente do SINTSERM denuncia atendimento do BRADESCO oferecido a servidores municipais

O atual presidente do SINTSERM, professor Marcos Antonio da Silva, escreveu em rede social sua indignação contra o atendimento do BRADESCO dispensado aos servidores públicos municipais  depois da parceria com a prefeitura de Codó. ÍNTeGRA ABAIXO:

Professor Marcos Antonio da Silva

PARCERIA AGÊNCIA BRADESCO E PREFEITURA MUNICIPAL DE CODÓ, PROVOCA  TRANSTORNOS À SERVIDORES, CORRENTISTAS E DEMAIS CLIENTES DA REFERIDA AGÊNCIA DIANTE DO  RECEBIMENTO DE SEUS PROVENTOS!

Durante toda esta semana, usuários do Bradesco vem encontrando dificuldades em realizar saques e demais transações,  devido principalmente à aglomeração de pessoas na em sua principal agência, causada pela insuficiência de dinheiro na mesma e falta de dinheiro nos demais correspondentes criados para dar suporte à partir da parceria entre prefeitura e agência bancária.

Sendo os aposentados, pensionistas e servidores públicos municipais uns dos principais meios de movimentação econômica e financeira da cidade, torna-se um atendimento praticamente ineficaz quando esses grupos recebem seus proventos praticamente no mesmo período e a agência não se prepara pra isto!

A falta de um calendário de pagamento ao servidor público municipal termina de uma certa forma contribuindo para tal.

Esperamos que esse problema não se repita pois ambos: servidores e demais correntistas merecem respeito e um atendimento de qualidade por parte tanto do banco quanto da administração municipal.

      Por: prof. Marcos

Em: 07/12/2018.

4 comentários sobre “Presidente do SINTSERM denuncia atendimento do BRADESCO oferecido a servidores municipais”

  1. Isso mesmo Marcos!! Fui ao banco duas vezes e não consegui sacar, pois temos horários a cumprir e por conta da lotação da agência e falta de dinheiro nela tive que sair da fila.

  2. Caros servidores e demais correntistas,

    Há direitos da Livre Opção Bancária de acordo com resoluções do Bacen. Elejam o Banco do Brasil e saiam desse atendimento ou preferem que sejam submetidos a esses tratamentos indignos e seus direitos lesados? #ficaadica

Deixe uma resposta