Leitura – um importante passo para o conhecimento

Ler é tão importante na vida das pessoas, nas nossas vidas, que favorece a nossa relação com o mundo e nos dá uma visão muito ampla do mundo em que vivemos. Quem tem um grau de escolaridade inicial, e que não chegou a terminar o fundamental, de uma forma ou de outra já se sentiu obrigado a ler alguma coisa e entender, ou por uma necessidade urgente ou por dever de ofício ou de uma profissão, que em algum momento demandou essa valia para seguir em frente em seu desiderato.

Lendo um trabalho de Carla Caruso, escritora, pesquisadora e realiza projetos de capacitação de professores no Estado de São Paulo, esta afirma que: “verbo “ler” – do latim legere – além de ler, também podia significar “colher”, “recolher”, “espiar”, “reconhecer traços”, “tomar”. Para os romanos, então, ler era muito mais do que simplesmente reconhecer as palavras e frases dos outdoors de uma avenida, dos índices de desempregos noticiados nos jornais, do discurso político de um candidato à presidência da República, de um poema ou de um conto, de um romance ou de um filme”.

Quando lemos, nossos sentidos de percepção se aguçam, o curioso se descortina, o humor se revela, e assim por diante, vamos adquirindo um conhecimento novo, como se fosse mais ou menos se descortinando uma paisagem que vemos com todas as cores e matizes, podemos até a chegar a dizer “um mundo novo”.

 Volto a citar a especialista e pesquisadora do assunto, Carla Caruso, que diz: “O mundo simbólico se amplia diariamente. A maior parte dos fenômenos, sejam de natureza política, econômica, social ou cultural, fazem parte de um registro contínuo do homem. Também a reinvenção da realidade por meio dos textos literários, que constroem uma nova linguagem, nos dá a dimensão das emoções, sentimentos, críticas e vivências do homem, na sua busca de sentido para a existência. Nos contos, crônicas, romances, poemas, nos mais variados textos criados, há sempre um universo interior e exterior de pessoas que vivem ou viveram num determinado tempo e espaço. Ler os textos escritos e as diversas linguagens inerentes ao ser humano é ampliar o nosso próprio mundo simbólico, é desenvolver nossa capacidade de comunicar e criticar, enfim, é um ato contínuo de recriação e invenção”.

Para que cheguemos a um estágio de leitura condizente com o status quo, e pretendemos ser pessoas com pensamento complexo, capazes de resolver problemas complexos, dentre os textos que circulam socialmente, aqueles que podem atender a nossas necessidades, conseguindo estabelecer as estratégias adequadas para abordar tais textos, necessitamos de uma base inicial educacional que nos induza desde a tenra infancia a adquirir o gosto pela leitura.

Aproveitando o gancho sobre educação, – que não é minha especialidade, mas um estudioso curioso – que faz parte prioritariamente de toda nossa estrutura de conhecimento, faço um relato de um estudo que li recentemente sobre o ensino nas escolas públicas brasileiras, de acordo com o resultado da Prova Brasil, que avalia alunos da educação básica.

Alunos com aprendizado adequado são aqueles que aprenderam o esperado em sua série. A avaliação é feita pela Prova Brasil. O critério de conteúdo adequado é do Movimento Todos Pela Educação, uma organização não governamental que acompanha o desempenho da qualidade da educação nacional. O resultado nos trouxe tristeza, em saber do seguinte: O Maranhão em crescimento do aprendizado adequado cresceu, no 5º Ano, 2% (menos dois por cento) em Português e Matemática, que é estável na maioria dos Estados. Conclusão: mais de 65% dos alunos brasileiros no 5º ano da escola pública não sabem reconhecer um quadrado, um triângulo ou um circulo. Cerca de 60% não conseguem localizar informações explícitas numa história de conto de fadas ou em reportagens. Entre os maiores, no 9º ano, cerca de 90% não aprenderam a converter uma medida dada em metros para centimetros, e 88% não conseguem apontar a ideia principal de uma crônica ou de um poema.

Essas são algumas das habilidades mínimas esperadas nessas etapas da escola, que nossos estudantes não exibem. Esses e outros dados são usados para compor o principal indicador de qualidde da educação do país, o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). O Ideb, criado em 2007, é um dos maiores avanços em políticas públicas educacionais no Brasil. Os bons sistemas de educação, com raras exceções, usam esse tipo de avaliação como termômetro da qualidade.

Carlos Magno
Carlos Magno

Voltando ao tema principal, leitura, verificamos, pela revelação estonteante acima, que para se progredir no conhecimento, é mais do que importante, se faz necessário urgentemente um programa de leitura intensiva desde a pré-escola, com livros lúdicos que incentivem a memória ser programada para ler.

No nosso ofício (literalmente), nos acostumamos a constatar diariamente uma quantidade considerável de pessoas que não sabem ler, ou se “sabem ler” leem com muita dificuldade, tornando-se um problema sério para entenderem o mínimo do funcionamento da burocracia – que é abusiva – para tocarem suas vidas como exige a legislação.

Outro acontecimento que nos chama a atenção, é o fato de não existir em nossa cidade qualquer “livraria” ou mesmo uma banca sequer de revistas. Isto é um sinal triste de que a população não gosta de lê. Para a nossa felicidade, chegou recentemente um grupo comercial colocando em uma de suas seções da loja, uma livraria.

Formar cidadãos é também formar leitores competentes, sem o que não poderíamos pretender pessoas com pensamento complexo, capazes de resolver problemas complexos, como propõe o ensino com enfoque globalizador”, isso quem nos diz é Sandra Papesky Sabbag, pedagoga, mestre e doutora em Psicologia da Educação e professora das Faculdades Oswaldo Cruz (SP).

E diz mais a pedagoga Sandra: “Quando orientamos os futuros docentes aos objetivos e procedimentos de ler bem, de ler com competência, realizamos nosso papel educacional, comprometidos com a cidadania esperada, à luz do enfoque globalizador. Estabelecer as práticas de leitura com clareza, autenticidade, de forma planejada torna nossas aulas oportunidades de ensinar e aprender para todos. Sempre há tempo de formar o leitor quando tomamos consciência de que esse é dever da escola, portanto, dever de todos os professores, em todos os níveis de ensino”.

Grande ensinamento. Devemos nos pautar por pessoas que pensam assim, pois só assim sairemos desse descalabro, dessa falta de alfabetização na população que vive, por falta de conhecimento, a mercê dos poderosos, e sendo enganados com migalhas.

Portanto, caro leitor, você que neste momento está lendo este texto pode se sentir um privilegiado em está, pelo menos, podendo tomar conhecimento do que acontece no mundo da educação, e ajudar, no que for preciso para tornar realidade as palavras do professor Jesús Palacios, da Universidade de Sevilha, sul da Espanha, o desafio a ser enfrentado pelos educadores envolvidos com pesquisa e formulação de políticas educacionais para crianças menores de 6 anos: É preciso voltar a pensar no sistema educativo em seu conjunto. Quanto à Educação Infantil, é preciso continuar insistindo. Muito trabalho pela frente”.

Carlos Magno da Veiga Gonçalves, notário

3 comentários sobre “Leitura – um importante passo para o conhecimento”

  1. Até que enfim “Carlos do Cartório” deu o “ar da sua graça”, tava na espera dos seus textos. Concordo com Laura Palmer quando sugere sua indicação para ACLAC.

  2. Parabéns Carlos, uma reflexão oportuna e sensibilizadora sobre o real papel da educação, do educador e da sociedade com um todo na capacidade de ler, compreender e discernir.

    Ótimo conjunto de ideias e criticas, que nos remete ao entendimento, que nós, como sociedade, devemos participar de alguma forma na capacitação educacional dos menos favorecidos.

    Assistir à desqualificação educacional das crianças e jovens não é salutar. A sociedade tem o dever de participar e ofertar a sua contribuição.A inércia não pode ser matéria prima para o subdesenvolvimento.

    Você já fez a sua parte. Renovo as minhas congratulações a si pelo nobre e oportuno texto.

Deixe uma resposta