Ministério lança Plano Nacional de Turismo

Ministro Gastão Vieira
Ministro Gastão Vieira

A expansão da atividade turística no país e o ambiente favorável para investimentos públicos e privados, ampliados com a proximidade da realização dos megaeventos esportivos, elevaram as expectativas sobre a capacidade do turismo de induzir o crescimento sustentável da economia nacional. O otimismo está expresso no Plano Nacional de Turismo 2013/2016 que o ministro do Turismo, Gastão Vieira, lançou nesta quinta-feira (23), em Brasília.

O PNT abre com um diagnóstico com dados do setor no país e do turismo no cenário internacional. Dados que mostram que o turismo brasileiro contribui com 3,7% do Produto Interno Bruto nacional e cuja expansão, de 6%, em 2012, supera a média mundial. O documento dedica um capítulo à realização dos grandes eventos, com diretrizes e metas a serem executadas para levar o Brasil à condição de 3ª economia mundial em 2022.

“Temos metas audaciosas, mas o potencial da indústria turística no Brasil nos permite fazer tais projeções”, comenta o ministro do Turismo, Gastão Vieira.

Há previsões de aumento significativo nos indicadores de todas as cinco metas para o período de 2013 até 2016. Crescimento de 8% ao ano na chegada de turistas estrangeiros, de 6,2 milhões para 7,9 milhões, e de 11,69% ao ano nos gastos destes visitantes, que aumentariam de 7,7 bilhões de dólares para US$ 10,34 bilhões de dólares no ano das Olimpíadas. Para os empregos formais no setor de turismo, a previsão é de aumento anual de 6,64%, elevando o estoque de 3,1 milhões para 3,59 milhões em quatro anos.

Na meta relacionada ao aumento do número de viagens domésticas o plano projeta crescimento de 6,14% ao ano, elevando de 215,6 milhões, previstos para 2013, para 250 milhões em 2016. Somente no mês da Copa do Mundo, o país deverá receber 600 mil estrangeiros e faturar com a realização de 3,1 milhões de viagens internas.

A expectativa é que os investimentos do MTur em obras de infraestrutura, qualificação profissional e dos serviços, promoção, aumento da oferta de crédito, entre outras ações contribuam para a elevação em 12,9% no índice médio de competitividade dos destinos turísticos nacionais, outra meta do PNT. O índice, criado pela parceria MTur, Sebrae, FGV, é  medido anualmente, há quatro anos, em 65 municípios. O objetivo é avaliar o estágio de desenvolvimento do turismo nestas localidades para subsidiar políticas públicas.

Megaeventos – Os eventos internacionais que o Brasil começa a sediar este ano, com a Copa das Confederações e a Jornada Mundial da Juventude, são descritos no PNT como uma grande oportunidade para aumentar a visibilidade e consolidar o Brasil como um dos principais destinos turísticos do mundo. O MTur, cumprindo seu papel na matriz de responsabilidade da Copa de 2014, realiza investimentos de mais R$ 212,5 milhões (2012/13) nas cidades-sede para a realização de obras de sinalização turística, acessibilidade de centros de atendimento ao turista.

O MTur participa também das articulações com a iniciativa privada para aumentar a oferta de hospedagem no país. Esforço que resultou na criação no programa PróCopa Turismo que , no ano passado, teve ampliada de R$ 1 bilhão para R$ 2 bilhões o volume de crédito disponível no BNDES para a construção e reforma de hotéis. Outro programa citado no PNT é o Pronatec Copa, um amplo programa de qualificação que tem como meta treinar e formar 240 mil pessoas para atuarem em profissões relacionadas ao receptivo de turistas.

O PNT 2013-2016 resulta do esforço integrado do governo federal, envolvendo a iniciativa privada e o terceiro setor, por meio do Conselho Nacional de Turismo, sob coordenação do MTur. Alinhado ao Plano Plurianual 2012/2015, define as contribuições do setor para o desenvolvimento econômico, social e a erradicação da pobreza.

Ascom/MTur(BSB)

Deixe um comentário