Moradores do KM 17 voltam a beber água de ‘cacimbão’ após inauguração de poço do 12

Os mais de 6 mil moradores do KM 17 sempre enfrentaram problemas com água salobra e com grande densidade de minério (possivelmente calcário) com dureza que alcança 300 militros por litro de água.

Por conta disso a prefeitura perfurou um novo poço noutro povoado, o Km 12, e passou a levar a nova água por meio de 5 km de adutora. A inauguração aconteceu no dia 12 de setembro e desde então muita reclamação tem surgido. Nos dispusemos à ir até o distrito beber a água que está saindo das torneiras e ouvir as pessoas de perto.

Dona Maria Cecília Alves da Cunha  é da  rua Botafogo, disse que ela está bebendo a água e até agora nada sentiu, mas o marido não bebe mais, sentiu-se mal.

 “Meu marido é que não tá bebendo porque disse que se sentiu mal…O QUE ELE DISSE QUE SENTIU? Sentiu um cheio assim, no estômago”, garantiu a lavradora.

Na  rua 18, seu Raimundo Alves Ferreira voltou à comprar água da cidade, queixou-se de diarreia. Na mesma casa, sua esposa estava alegre com a água porque estava com prisão de ventre há vários dias. Contou-nos que ao beber a nova água ‘botou tudo pra fora’ e considera a água do novo poço uma maravilha, embora sob o protesto do marido que pensa completamente diferente.

 “Na verdade…TAVA DANDO O QUÊ, DIARREIA? É diarreia mesmo, é, eu tenho 72 anos, né, eu não posso tomar uma água dessa…O SENHOR FEZ, ENTÃO, O SENHOR VOLTOU A COMPRAR ÁGUA DA CIDADE? É verdade, comecei, a R$ 3,00 o botijão, a R$ 3,00 o bujão”, disse em entrevista à TV.

FALTA D’ÁGUA

Na rua 19 encontramos algo inusitado para o novo momento – a falta desta nova água nas torneiras. Estive na cozinha da lavradora Wiara Karen de Paula que nos abriu a torneira por volta das 9h30 da manhã e não caiu sequer um pingo.

Ela afirmou que a água chega às 8h da noite com uma espécie de pó, como se fosse cocô esfarelado e amarelo

“Não serviu a gente bebendo da água do poço (cacimbão)….QUANDO ELA CHEGA 8 DA NOITE, O QUE ACONTECE? A água não é muito boa a água chega toda cheia de pó como se fosse cocô, toda cheia de coisa amarela, pozinho, aí a gente vai tem que coar pra poder lavar a roupa porque se não o pó fica todo na roupa e fica tipo uma coceira na gente”, afirmou

DE VOLTA AO CACIMBÃO

Quem não teve ainda condição de voltar a comprar água da cidade voltou para o poço cacimbão para onde seu Francisco Ferreira nos levou. A movimentação que registramos prova que a insatisfação é grande. Vimos pessoas saindo do local de moto com 3 galões cheios, outros usando bicicletas para carregar água.

Nosso acompanhante contou que havia parado de beber a água do antigo poço artesiano que abastecia o 17. Quando o novo foi inaugurado ele, encantado com o anúncio de que o líquido era bom, bebeu e adoeceu dos rins. Resultado quando não tem dinheiro vai parar no cacimbão, mas não bebe mais a água da torneira.

 “Eu bebi, adoeci dos rins, aí já fui pra farmácia comprar o remédio e não bebi mais da água (…)aí comprei a  água mineral pra tomar, pra beber…QUANDO FALTA A MINERAL, O SENHOR CORRE PRA O POÇO AQUI? Corro pro poço aqui…O SENHOR CONFIA? É porque é boa”, respondeu com firmeza

Seu João Batista Ferreira , que também trocou a água da torneira pela do cacimbão, desconfia da tubulação usada. Para ele botaram água nova em tubulação antiga o que estaria causando o problema.

João Batista voltando pra casa com galoes do cacimbão

 “Não presta porque misturaram com a encanação velha, como é que pode prestar, aí mesma encanação com a água do poço de lá, ninguém sabe se tivesse troca os canos velhos, tudo cheio de calcário podia ser”, disse

E O SAAE?

O diretor do Saae, Evimar Barbosa, nos recebeu e disse que está resolvendo o problema da falta de água regulando a distribuição, quanto a qualidade da água garantiu que é segura e sem salinidade.

 “Essa água do poço que eles fizeram lá mesmo a gente não pode garantir  (…) o que a gente garante é que a água que a gente tá hoje abastecendo o povoado que é do Km 12 essa água ela é potável, inclusive tratada, a gente bota cloro, uma água que pode beber sem problema nenhum, a gente tá monitorando isso tanto no KM 12 como lá…NÃO TEM BACTÉRIA? De forma nenhuma”, garantiu

16 comentários sobre “Moradores do KM 17 voltam a beber água de ‘cacimbão’ após inauguração de poço do 12”

  1. Isso e ….desse . Eleitor do de medicamentos, bebeu a água e fico doente dos rins, funciona assim não meu vei. demora um pouco mais pra ficar doente. 72 anos bebendo essa água do KM 17 queria o que???, agora que foi uma agua melhor, adoeceu??

  2. ô prefeito oque é isso tanto investimento, tanta propaganda e o povo desse jeito vamos vê o que é que tá acontecendo lá no km 17 com essa água não acredito que esse povo tá inventado tudo isso.

    1. E mais colocaram um encanamento errado entao os canos não aguenta a pressão da bomba sempre estoura si aumentar a pressão da bomba por isso a água fica faltando em várias ruas.

  3. Vamos aguardar Alberto Barros falar alguma coisa sobre água do 17 ele elogiou a Nova água enalteceu prefeito elogiou momento histórico eu duvido que ele vá comenta vamos aguardar

  4. A água continua ruim do mesmo jeito,tá até pior com esse poço novo porque não tem água nas torneiras pra tomar banho lavar lousa e roupa,não adianta a prefeitura fazer laudo da água falando que é boa si a população que bebé não aprova (obs esse mesmo louco químico da água o bine fez)quem tá achando bom isso aqui é os taxistas que trazem o bojao de água aqui por 5 reis cada.
    *Sem água sem votos*

  5. U jornalista acelio tem prestado excelente cerviso á sociedade codoense quando mostra ós dos lado dá notícias sistema de comunicação do prefeito mostrando só lado bom colégio abandonado por contar da nutrição ando muito pela zona rural pai más reclamar quê filho pequeno sai cedo i chega tarde pôr conta do transporte atrasa quebra ta de parabéns acelio

  6. Eu morei por vários anos em outras cidades, Dom Pedro, Tuntum e visitei outras tbm capinzal, santo antonio dos Lopes,presidente Dutra, sao jose dos Basílio, nenhuma delas a água serve pra beber, todas tem o tom amarelado e tem um poz
    inho. Somente a de Codó a população consome direto da torneira.

  7. Só um questionamento que me veio a mente, esse poço não foi construído em um local que já foi um curral anteriormente, porque se foi, provavelmente o poço poderá está contaminado!
    Acelio verifica essa informação, averigua pra ver se estou enganado, porque me deu esse estalo e lembrei de Currais que tinham por ali!

Deixe uma resposta