O que diz a CAEMA sobre o sofrimento dos timbirenses por causa da falta de d’água

Edilson mostra suas contas
Edilson mostra suas contas

Saímos pelos quintais do bairro Mutirão procurando água nas torneiras e ela não apareceu em nenhuma das casas. Edilson dos Santos Assis, na rua da Esperança,  nos afirmou que não é de hoje que a situação é crítica o dia todo.

“Ano passado já tava, mas esse ano fez só piorar mais quando chega água aqui é depois das 10h e não é nem todo dia que chega (…) SE O CIDADÃO DORMIR E PERDER O HORÁRIO? Aí fica sem água, como todo dia”, respondeu indignado

COMO FUNCIONA O RODÍZIO

Timbiras vive um rodízio de fornecimento. A cidade foi dividida em duas áreas e cada uma fica 24h com água ou, pelo menos, fica na previsão porque  era dia  do bairro que visitamos, mesmo assim nada jorrou das torneiras.

Mutirão, rua da Alegria. Nesta encontramos algo interessante, a dona da casa até possui uma caixa reservatório, mas a água que vem para as torneiras não tem força para subir e enchê-la. Essa situação a obrigou a comprar outra caixa d’água  que dá um trabalho danado para cheia.

Trabalhão porque para chegar a mil litros ela, dona Maria das Graças Martins Lopes,  usa só  baldes (enche e joga na caixa, enche e joga na caixa), por várias noites porque o tempo de fornecimento é curto e num horário no qual poderia estar dormindo.

“De dia não tem água, nem um farelo…QUE HORA A SENHORA COMEÇA A ENCHER ESSA CAIXA? 2h da manhã…QUANDO VEM? Quando vem, quando vem, ontem não veio nem um pingo, hoje que veio um pouquinho”, explicou

SÓ UM MILAGRE

Dona Maria das Graças Lopes e a luta noturna com seus baldes
Dona Maria das Graças Lopes e a luta noturna com seus baldes

Dona Maria dos Milagres Rocha Sales acha que só um milagre poderia mudar esta realidade na torneira da cozinha dela e livrá-la da conta de água que chega, rigorosamente, em dia.

 “Talão tem vez que vem de R$ 30,00, de R$ 20,00…NÃO É PESADO NÃO? É, eu acho, né, porque não tem um ganho de nada”, reclamou

Cansada do sofrer nas madrugadas dona Maria das Dores Lima mandou cancelar o fornecimento, livrou-se das contas da CAEMA no fim do mês e passou a viver de um poço que o marido dela cavou no quintal.

 “HOJE A FAMÍLIA DA SENHORA VIVE DE ÁGUA DE CACIMBA? De água de cacimba, água de poço…TEMPO DESCE EM TIMBIRAS? Água de poço e pra nossa sorte que ainda tem ao menos esse pocinho porque se não tivesse pior ainda”, explicou a dona de casa

O QUE DIZ A CAEMA

A diretora da CAEMA em Timbiras, Auristela Alvim, informou que o rodízio  foi implantado porque hoje a capacidade de abastecimento precisaria ser duplicada para atender aos mais 6 mil pontos de consumo que existem na cidade.

Pela mesma razão, mesmo em bairros que estão em dia de receber água é possível que ela não chegue às torneiras como nossa  reportagem constatou no Mutirão.

Auristela também informou que mandou suspender a cobrança de água nas ruas onde há muito tempo não chega água.

Alguma dessas ruas estão nos bairros São Sebastião (área do Alto Fogoso) e quatro delas no Mutirão (Irmã Matilde, 13 de Maio, Esperança, João Rodrigues).

Já foi pedido agora para Setembro a suspensão  de mais duas ruas (Prefeito José C. matos e rua do Arame) e de mais 5 travessas (C Matos 01, C Matos 04, Trav. Mangueira, C Matos 02 e Trav. C. Matos 5) todas do bairro Anjo da Guarda onde também fica o Hospital Geral de Timbiras que também passará a não mais pagar água.

Um comentário sobre “O que diz a CAEMA sobre o sofrimento dos timbirenses por causa da falta de d’água”

Deixe um comentário