Por saúde codoenses se manifestam contra realização do carnaval

A prefeitura de Codó ainda não se pronunciou, oficialmente, sobre se realizará ou não o carnaval de 2016, o último da administração do prefeito Zito Rolim.

Mas a população já começou a utilizar os meios de comunicação para se manifestar. Foi assim, na manhã desta segunda-feira, 18, no programa Cidade Notícia, da FCFM, apresentado pelo jornalista Alberto Barros.

A maioria alegou que a situação em que se encontra a saúde pública de Codó não autoriza a realização de super gastos com a festa de momo. O pedido maior foi que o dinheiro, a ser gasto em 5 dias, fosse revestido em benefício do HGM, por exemplo, onde há pessoas que esperam mais de 30 dias por cirurgias. OUÇA AS PESSOAS.

18 comentários sobre “Por saúde codoenses se manifestam contra realização do carnaval”

  1. GRANDE BOBAGEM, ISSO AII, A SAÚDE SEMPRE FOI E SEMPRE SERÁ DESSE JEITO AI ENQUANTO NÃO TIRAREM ESSE POVO DO BRZ ISSO AI NÃO VAI RESULTAR EM NADA CANCELAR ESSE CARNAVAL PQ SE NÃO FIZERAM NADA PELA SAÚDE EM 14 ANOS VÃO FAZER AGORA ME POUPE COM TANTA IGNORÂNCIA, MESMO O SENDO CORTADO, QUEM GARANTA QUE ESSE DINHEIRO SERÁ INVESTIDO NA SAÚDE , A PRÓPRIA DELEGACIA FOI QUASE 2 ANOS PRA PREPARAR AGORA EM MENOS DE 1 ANOS VÃO AJEITAR A SAÚDE A EDUCAÇÃO DE CODO, E UM POVO SEM NOÇÃO MESMO

    1. Eu nunca escrevo em caixa alta, então “CASCA GROSSA’ acima é fake! Mas cá pra nós, o povinho ordinário adora um circo. Saúde um caralho, quer mesmo é uma zuada com caxaxa.

  2. Realmente é preciso um pouco de ópio para que o povo esqueça que está debaixo de um cacete grande. Bastante cachaça para a turma toda, afinal de contas atirar com pólvora alheia é uma beleza. Os desocupados então.

  3. eita, Prefeito fraco.não tem pontes,não tem medicamento, não material hospitalar,não tem merenda escolar, não tem estrada. A verdade, verdadeira não temos prefeito.

  4. Tanto pra se fazer, várias cidades não terá carnaval e Codó irá gastar mais de 3 milhões com festa. 30% é do … é seu último mandato sai com honra.

  5. Infelizmente a ignorância cultural está impregnada neste povo mal educado e sem conhecimento de Codó.Mais Educação nesta população sem conhecimento. Só sabem é beber e dançar.política do pão e circo.viva Roma.

  6. Hum tem q ter carnaval sim,o dinheiro da saude chega se eles tao desciando ou não o carnaval não tem nada haver porque vem pro carnaval tambem, povo que é desinformado não sabem das coisas e ficam falando.

    É carnaval é carnaval

  7. Tem que cancelar esse maldito carnaval…com tanta violência na cidade esse carnaval vai ser um matadouro…

    no lugar do carnaval investe o dinheiro na saúde….CADÊ o carro do FUMACÊ…codo esta cheia de MURIÇOCAS…e MOSQUITO DA DENGUE….investir na saúde e inflaestrutura da cidade…e COMPRAR SEXTAS BASICAS PARA AS PESSOAS MAIS CARENTES DA CIDADE..

    ISSO SERIA MAIS MELHOR PRA TODOS…

    primeiro que esse cornofolia é uma palhaçada..agora pra acabar com tudo a FC TV interrompe a programação pra colocar crip e musicas do CORNOFOLIA.. UMA PALHAÇADA COM A POPULAÇÃO.

  8. Então, pessoas ficam postando o que não sabem, o dinheiro da saúde, é da saúde, e o dinheiro do carnaval é da cultura, portanto não fale o que não sabe; O governo Federal cortou a maior parte dos recursos da saúde: Quer ver? Em São Paulo O SAMU, tá quase fechado; No Rio de janeiro 20 hospitais estão fechando; não seja idiota, leia um jornal ou assista os Jornais de Televisão para não falar besteira, não seja Maria vai com as outras! Não faça a crítica pela crítica, consciente.

  9. É melhor ter carnaval porque com tanto de verbas que já entrou na saúde e ela continua um caos.Deixar de ter carnaval é encher mais ainda o bolso desses …. que nada fazem.

  10. Não passa de demagogia barata a decisão de alguns prefeitos em cancelar o carnaval para priorizar a Educação, a Saúde e até mesmo o pagamento dos salários em atraso dos servidores.

    Em primeiro lugar, os investimentos públicos são definidos na eleboração da peça orçamentária de acordo com a importância de cada setor e a atuação do poder público para atender as necessidades da população.

    O orçamento municipal. estadual ou federal revela os compromissos dos gestores e o que eles entendem ser prioridade.

    A ex-governadora Roseana Sarney, por exemplo, orçou para 2014 R$ 64 milhões para Comunicação e apenas R$ 29 milhões para os Direitos Humanos, Assistência Social e Cidadania.

    Nessa balança, cada secretaria vale quanto pesa, sem que seja preciso deixar de investir em um setor em função de outro, embora possa haver discrepâncias.

    A Educação e a Saúde recebem repasses federais e possuem orçamentos, 25% e 15%, estabelecidos pela própria Constituição, o que demonstra a falácia dos que justificam o cancelamento do carnaval para investir nessas áreas consideradas prioritárias e que funcionam bem abaixo da crítica.

    Deixar de investir em Cultura não vai resolver os problemas da péssima qualidade de ensino e assistência médico/hospitalar. Tampouco servirá para colocar em dia a folha de pagamento dos servidores.

    A responsabilidade por tudo isso não é do carnaval, mas da incompetência e do desvio do dinheiro público.

    Na verdade, o carnaval deixou de ser importante depois que foi descoberto o esquema dos que aproveitam a folia de Momo para colocar dinheiro no bolso com a importação milionária de bandas baianas.

    Pode-se muito bem fazer uma festa mais barata e de acordo com a capacidade econômica de cada município, com atrações locais e estaduais.

    Mas isso não interessa, é só trabalho !

    E só quem vai ter lucro – e esse honesto – é a população, principalmente a mais carente que aproveita o carnaval, assim como toda atividade cultural, que é parte de uma cadeia produtiva, para ganhar um dinheiro, que lhe permite pelo menos no início do ano, colocar comida na mesa.

    A maioria, aliás, espera doze meses por essa única oportunidade de faturamento com a venda de churrasquinhos e bebidas.

    O pior é que não só os gestores, mas parte da sociedade, demonstra completa ignorância sobre a capacidade da Cultura em transformar a vida das pessoas e gerar riquezas e empregos.

    Nesse sentido, vale ressaltar a definição, em entrevista ao blogacesso (leia aqui), do cientista político e economista, veja bem, economista, José Álvaro Moisés, do Departamento de Ciência Política da USP, sobre a importância da Cultura para o desenvolvimento socioeconômico de uma sociedade:

    “A cultura e as artes são dimensões fundamentais da vida humana. Por meio delas, as pessoas atribuem significação simbólica à sua experiência cotidiana, definindo e transformando o sentido de atividades como a luta pela sobrevivência e o trabalho. A cultura faz isso porque acrescenta valor à vida das pessoas, seja do ponto de vista material, ao torná-las mais qualificadas e mais valiosas em seu ambiente profissional, seja do ponto de vista ético e moral, ao estimular o seu refinamento espiritual e estético e ao melhorar a sua auto-estima. Exemplo disso é a fruição da beleza possibilitada pela obra de arte. A beleza transforma a qualidade de vida das pessoas ao torná-las mais sensíveis e, dessa forma, melhores como seres humanos. Por causa disso, a cultura também é um componente fundamental do desenvolvimento ao reivindicar a humanização do crescimento econômico”.

    E como bem diz e canta Alcione Nazaré em Samba da Minha Terra: Quem não gosta de samba bom sujeito não é: É ruim da cabeça ou doente do pé!

  11. Concordo plenamente que tenha CARNAVAL.
    Pois dinheiro pra saude e educação vem . se náo aplicam corretamente….
    só teremos que fiscalizar.
    E dinheiro pro carnaval tam bem e separado

    VIVA O CARNAVAL!!!!

  12. Se não houver carnaval, sabe quando é que esse dinheiro vai pra saúde ou outras pasta? NUNCA.

    Vai pra algum outro lugar mas pra saúde NUNCA.

Deixe uma resposta