Zumbi – mais de 20 anos resgatando vidas por meio da Capoeira

Mestre Zumbi (Iogênio, do bairro São Francisco) tem um trabalho muito importante de resgate de vidas dentro de Codó por meio da Capoeira. Há mais de 20 anos ele usa esta arte para livrar crianças e adolescentes das garras da droga e da vida sem projetos, sem estudo.

Iogênio Zumbi - Capoeira pela vida
Iogênio Zumbi – Capoeira pela vida

“Tem menino que nem pra escola vai, eu que vou saber se  o menino tá indo pra escola ou não porque o meu trabalho é esse, independente se é meu filho ou não, independente ser parente é não”, disse continuando.

“Resgatei menino que não tava indo pra escola, hoje tá estudando, resgatei menino que tava na rua hoje é advogado, resgatei vários e hoje não me dá nada não, mas tem o respeito que é o importante”, concluiu debaixo de aplausos na última sexta-feira (10) numa pequena apresentação no auditório do Instituto Histórico e Geográfico do Codó.

A RECOMPENSA

Atualmente participa de projetos escolares onde ensina Capoeira para estudantes, mas nunca deixou seu projeto pessoal de lado.

Deu uma lição de persistência aos que se colocam na luta contra as drogas. Iogênio (Zumbi), disse que insiste até consegui levar o garoto ou garota em situação de risco social para as atividades.

A ideia é evitar o primeiro contato e se este já tiver ocorrido tentar eliminar a possibilidade de um estrago, sem retorno.

“Não pode deixar ver e, automaticamente, acontecer não. A gente ver, não deu hoje, vai amanhã cedo antes dele acordar, porque ele não vai ter a oportunidade de sair, tem que ir buscar (…) hoje ele entra de um jeito, amanhã já é outra pessoal totalmente diferente, é uma mudança total e nós não podemos deixar acontecer isso”, orientou

Humilde, mestre Zumbi disse que sua maior recompensa é o respeito que adquire diante daqueles à quem ajudou.

 “Uma vez que eu consiga tirar ele da droga, meu irmão não precisa me dá nada não, só o respeito, o conhecimento da pessoa, mais tarde te apontar, meu professor, te mostrar para sua família ali. Eu já fiz muito, não precisa me dá dinheiro não, só respeito”, frisou

Deixe uma resposta