AFTOSA: Depois de mudança no calendário Codó vai se preparar para vacinar mais de 84 mil bovinos

A Secretaria de Agricultura, Pecuária e Pesca (Sagrima) e a Agência de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged), obedecendo determinação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Pesca, mudou o calendário de vacinação contra a Febre Aftosa.

A primeira etapa, que normalmente era realizada em todo o Estado de 1º à 31 de maio, será este ano de 1º a 30 de junho. Da mesma forma será em Alagoas, Ceará, Pará, Pernambuco e no vizinho Piauí.

Foto: divulgação

O secretário de Agricultura do Maranhão, Cláudio Azevedo, já explicou na imprensa que a mudança se deve à realização do inquérito epidemiológico do rebanho que vai apurar a existência do vírus da Aftosa em fazendas que forem escolhidas para participarem da amostra. No geral serão 347 propriedades, em 147 municípios, entre eles, provavelmente, Codó por causa do seu grande rebanho.

O trabalho faz parte das ações do Projeto de Ampliação da Zona Livre de Febre Aftosa, desenvolvido pelo Ministério da Agricultura, em parceria com os governos estaduais.

NÚMEROS DE CODÓ

O blogdoacelio esteve com a chefe de Unidade Veterinária da AGED/Codó, Dra. Ana Raiza Verde Abas. Ela explicou que o escritório local ainda não foi notificado, oficialmente, da decisão de alteração do calendário, mas que isso logo ocorrerá.

Possivelmente, dia 18 de abril haverá uma grande reunião, em São Luís, para tratar sobre este assunto. Enquanto isso, o município ganha mais tempo para organizar-se ainda mais para participar da amostra de sorologia e para a vacinação contra aftosa em junho.

REBANHO

Pelos dados da última etapa realizada, Codó tem hoje um rebanho bovino de 84.236 cabeças de gado, distribuídas entre 1.024 criadores. No município não existe criação de búfalos.

Na etapa de novembro/dezembro de 2011, 93,04% deste rebanho receberam a dose contra a febre aftosa. Os criadores inadimplentes ainda estão sendo procurados e forçados, pela lei, a vacinarem. Por conta deste trabalho a médica veterinária que chefia a Unidade acredita que hoje este percentual já beira os 97% de animais vacinados.

Deixe uma resposta