ALERTA: 432 codoenses já foram encontrados como escravos em fazendas nos últimos anos

Começou ontem, 28, e termina hoje, 29, em Timbiras, no centro Paroquial da Igreja de Nossa Senhora dos Remédios, a ação contra o trabalho escravo.

Amanhã, 30 e depois,  31, em Codó,  será a vez dos codoenses participarem da programação na Paróquia de SANTA Rita e Santa Filomena. Aqui a situação é tão preocupante quanto em Timbiras quando o assunto é exportação de mão-de-obra  escrava.

Em entrevista ao jornalista Alberto Barros, na segunda-feira, pela FCFM, Brígida estabeleceu números alarmante.

“192 pessoas foram resgatadas, aqui houve fiscalizações e 192 pessoas foram resgatadas em áreas rurais…AQUI DE CODÓ? aqui de Codó, mas que são residentes no município de Codó são 357 pessoas que estavam em situação de trabalho escravo em todo o Brasil e aí tem outros que são naturais, que são 432, então, assim, os números eles são muito preocupantes”, disse

Para Codó está prevista uma caminhada que não ocorrerá no centro como tradicionalmente ocorre.

“A gente não vai tá dentro do centro da cidade, a gente escolheu uma área específica, a gente vai tá reforçando a divulgação pra que estejam, no período da tarde, discutindo conosco sobre esta temática”, disse Brígida sem completar a informação sobre onde seria.

Maria José Sampaio, assistente social, informou.

“Então vai acontecer no espaço da praça da Matriz, da paróquia e a gente convida toda a população pra estar conosco…A PARTIR DE QUE HORAS? a partir das 8h”

Deixe uma resposta